MORFOMETRIA DO RELEVO E DINÂMICA EROSIVA LINEAR EM ÁREA RURAL DEGRADADA NO OESTE PAULISTA

Felipe Augusto Scudeller Zanatta, Cenira Maria Lupinacci, Marcos Norberto Boin

Resumo


A degradação dos solos representa um problema de proporções mundiais. Na região sudeste do Brasil, um dos principais fatores de degradação está relacionado a erosão linear, consequência do intenso desmatamento. Considerando essa problemática, o objetivo desse artigo foi avaliar a correlação espacial da morfometria do relevo com as feições erosivas lineares, a fim de melhor compreender a dinâmica de tais processos em uma bacia localizada no Município de Marabá Paulista (SP). Para tanto, foram mapeadas em escala 1:10.000, as feições erosivas em sulco, ravina e voçoroca, nos cenários de 1963, 1997 e 2015, e a morfometria do relevo. Dos mapeamentos, quantificou-se a área afetada por sulcos, ravinas e voçorocas de todos cenários e a área ocupada por cada classe de morfometria do relevo. Tais dados foram, posteriormente, avaliados através do Coeficiente de Correlação de Pearson (p) e da densidade normatizada. Como resultado, na Bacia estudada, que desde 1963 apresenta mais de 90% da cobertura superficial alterada para fins agropastoris, observou-se o processo erosivo evoluindo de forma progressiva e sistêmica ao longo dos cenários. A expansão da área atingida por voçorocamento gerou o avanço das ravinas para setores cuja morfometria, teoricamente, não proporciona condições para a ocorrência de tais processos.  O mesmo fenômeno registra-se no que se refere aos sulcos erosivos, os quais, por ação erosiva regressiva, posicionam-se nos topos, com baixa potencialidade morfométrica. Constatou-se ainda que, apesar do uso de diversas técnicas de contenção dos processos erosivos, essas não contribuíram para a resolução da problemática.


Palavras-chave


degradação dos solos; desmatamento; morfometria do relevo; feições erosivas lineares; dinâmica erosiva.

Texto completo:

ARTIGO AUTORIZAÇÃO

Referências


BERTONI, J; LOM BARDI-NETO, F. Conservação do solo. São Paulo: Ícone, 1990.

BOIN, M. N. Chuvas e erosão no Oeste Paulista. Tese (Doutorado em Geociências e Meio Ambiente). Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, São Paulo, Rio Claro, 2000.

CARVALHO, W. A. (coord.) Levantamento semidetalhado dos solos da bacia do Rio Santo Anastácio-SP. Presidente Prudente, São Paulo: FCT-UNESP, 1997, v.1 e v.2.

COORDENADORIA DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA INTEGRAL (CATI). Portaria CATI Nº06 de24 de junho de 1997. Dispõe sobre o estabelecimento de critérios técnicos para efeito de fiscalização do uso do solo agrícola no estado de São Paulo.

DEPARTAMENTO DE ÁGUAS E ENERGIA ELÉTRICA (DAEE); INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS. Controle de erosão: bases conceituais e técnicas; diretrizes para o planejamento urbano e regional; orientações para o controle de boçorocas urbanas. São Paulo: DAEE/IPT, 1989.

DRUGOWICH, M. I.; GRASSI, A. M.; MARIA, I. C.; TCATCHENCO, J; BORTOLETTI, J. O. Tutorial para aplicação da Resolução SAA –11 (15/4/15). Campinas: CATI, 2015. FERNANDES, L.A. Estratigrafia e Evolução Geológica da Parte Oriental da Bacia Bauru (Ks, Brasil). 1998. Tese (Doutorado em Geologia Sedimentar) -Instituto de Geociências, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1998. doi:10.11606/T.44.1998.tde-16012014-142739. Acesso em: 2017-06-02.

FERRARI LEITE, J. A ocupação do Pontal do Paranapanema. São Paulo: HUCITEC, 1998.

FERREIRA, M. V.; TINÓS, T. M.; PINTON, L. G.; CUNHA, C. M. L. A dissecação horizontal como parâmetro morfométrico para avaliação do relevo: proposta de técnica digital automática. Revista Brasileira de Geomorfologia, São Paulo, v.15, n.4, p. 585-600, 2014.

FERREIRA, M. V.; TINOS, T. M. PINTON, L. de G. ; CUNHA, C. M. L. . A cartografia da dissecação vertical para avaliação do relevo: propostade técnica automática. Revista Brasileira de Cartografia, Rio de Janeiro. v.67, n.6, p.1231-1245 2015.

FOOKES, P. G.; LEE, E. M.; GRIFFITHS, J. S. Engineering geomorphology: theory and practice. Dunbeath: Whittles Publishing, 2007.

GUERRA, A. T. Dicionário Geológico-Geomorfológico. 2ª edição. Rio de Janeiro: IBGE, 1966.

GUERRA, A. T.; GUERRA, A. J. T. Novo dicionário Geológico-Geomorfológico. 8ª edição. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2010.

KARMAN, I. Ciclo da água: água subterrânea e sua ação geológica. In: TEIXEIRA, W.; TOLEDO, M. C. M.; FAIRCHILD; T. R.; TAIOLI, F. (Org.). Decifrando a terra. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 2008.

LAL, R. Soil erosion in the tropics: principles and management. New York: McGraw-Hill, 1990.LEPSCH, I. F.; BELINAZZI Jr., D.; ESPINDOLA, C. R. Manual para levantamento utilitário do meio físico e classificação das terras no sistema de capacidade de uso. 4ª aproximação. Campinas: Sociedade Brasileira de Ciências do Solo, 1983.

MENDES, I. A. A dinâmica erosiva do escoamento pluvial na Bacia do Córrego Lafon -Araçatuba -SP. 1993. Tese (Doutorado em Geografia Física) –Faculdade de Filosofia, Ciências Humanas e Letras, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1993.

MINÁR, J.; EVANS, I. S. Elementary forms for land surface segmentation: The theoretical basis of terrain analysis and geomorphological mapping. Geomorphology. n.95, p. 236-259, 2008.

OLIVEIRA, M. A. T. Processos erosivos e preservação de áreas de risco de erosão por voçoroca. In: GUERRA, A. J. T.; SILVA, A. S.; BOTELHO, R. G. M. (Org.). Erosão e conservação dos solos: conceitos, temas e aplicações. 8ª edição. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2012.

PENTEADO, M. M. Fundamentos de Geomorfologia. 3ª edição, 2ª triagem. Rio de Janeiro: IBGE, 1983.

SALOMÃO, F. X. T. Controle e prevenção dos processos erosivos. In: GUERRA, A. J. T.; SILVA, A. S.; BOTELHO, R. G. M. (Org.). Erosão e conservação dos solos: conceitos, temas e aplicações. 8ª edição. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2012.

SPIRIDONOV, A.I. Princípios de la Metodologia de las Investigaciones de Campo y el Mapeo Geomorfológico. Havana: Universidad de la Havana, Faculdad de Geografia, 1981.

VIEIRA, S. R.; LOMBARDI-NETO, F. Variabilidade espacial do potencial de erosão das chuvas do estado de São Paulo. Bragantina, Campinas, n.54, v.2, 1995, p.405-412.

ZANATTA, F. A. S.; LUPINACCI, C. M.; BOIN, M. N.; FERREIRA, M. V. Carta de energia do relevo: critérios e procedimento. In: XI SINAGEO, 2015, Maringá (PR). Anais... Maringá: UEM, 2015, Disponível em: . Acesso em: 24 de outubro de 2016.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/raega.v41i0.49280

Direitos autorais 2017 Raega - O Espaço Geográfico em Análise

_____________________________________________

ISSN (IMPRESSO) 1516-4136 até 2008

ISSN (ELETRÔNICO) 2177-2738 a partir de 2009