VERTICALIZAÇÃO E SOCIABILIDADE: AS RELAÇÕES ENTRE MORADORES DE EDIFÍCIOS RESIDENCIAIS E SUAS FORMAS DE USO E APROPRIAÇÃO DO ESPAÇO

Viviane Kraieski de Assunção, Zaira da Silva Conceição

Resumo


O processo de verticalização avança para as cidades brasileiras de pequeno e médio porte, modificando as formas de habitação e influenciando as relações entre seus moradores. Este processo é consequência do avanço da economia capitalista e está associado a uma nova simbologia de status social, próprios da cultura de consumo da sociedade moderna contemporânea. Este artigo é resultado de uma pesquisa sobre as relações de sociabilidade e formas de uso e apropriação do espaço de moradores de edifícios residenciais no bairro Comerciário, no município de Criciúma, localizado no sul do estado de Santa Catarina, que vem sofrendo um rápido processo de verticalização nas últimas décadas. A investigação buscou compreender os relacionamentos e práticas que surgem a partir das mudanças nas formas de habitação e vizinhança. A pesquisa, de caráter qualitativo, foi realizada por meio de entrevistas semiestruturadas realizadas com trinta moradores do bairro selecionado. A investigação concluiu que a sociabilidade entre moradores de edifícios oscila entre relações superficiais, regidas pela cordialidade e solidariedade, e o individualismo, marcado pelo respeito à privacidade. A praticidade e a segurança dos edifícios, elogiadas pelos sujeitos da pesquisa, são entendidas como características do modo de vida urbano moderno, que inclui a aceleração das atividades rotineiras e a cultura do medo. A pouca utilização dos espaços de uso comum aponta para uma falta de apropriação destes espaços, o que torna possível classificá-los como não-lugares.

Palavras-chave


relações de vizinhança; conflito; não-lugar

Texto completo:

ARTIGO AUTORIZAÇÃO

Referências


ALMEIDA, A. P. Uma análise sobre sociabilidade, cotidiano e vizinhança em um bairro popular de João Pessoa-PB. Ponto Urbe [Online], 9 | 2011. Disponível em: http://pontourbe.revues.org/287. Acesso em: 05 jul. 2016.

ASSIS, L. F. Turismo de segunda residência: a expressão espacial do fenômeno e as possibilidades de análise geográfica. Revista Território, Rio de Janeiro, n.11, 12 e 13, set./out. 2003.

AUGÉ, M. Não-lugares: introdução a uma antropologia da supermodernidade. Campinas: Papirus, 1994.

BALTHAZAR, L. F.; PIMENTA, M. de C. A. Criciúma: memória e vida urbana. In: SCHEIBE, L. F.; FURTADO, S. M. de A.; BUSS, M. D. (Org.). Geografias Entrelaçadas: Ambiente rural urbano no sul de Santa Catarina. Criciúma: Ed. da UNESC, 2005. p.193-226.

BARBOSA, A. G.; COSTA, A. A. O solo urbano e a apropriação da natureza na cidade. Sociedade & Natureza, ano 24 n. 3, p. 477-488, set/dez. 2012.

BAUER, M. W; GASKELL, G. Pesquisa Qualitativa com texto, imagem e som. Um manual prático. 2ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002.

BAUMAN, Z. Vida Líquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2007.

BECKER, B. K. Levantamento e avaliação da política federal de turismo e seu impacto na região costeira. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, dos Recursos Hídricos e da Amazônia Legal, 1995.

BULMER, M. Neighbours and Friends: Sociability, Isolation and Loneliness as factor in the differential provision of neighbourhood care. International Journal of Sociology and Social Policy. Vol. 5, Iss 3, p. 51 – 66, 1985.

CALDEIRA, T. P. do R. Enclaves fortificados: a nova segregação urbana. Novos Estudos Cebrap, São Paulo, n.47, p.155-176, mar./ 1997.

CAMPOS, R. R. A natureza do espaço para Milton Santos. Geografares, n. 6, p. 155-165, 2008.

CARLOS, A.F.A. A (re)produção do espaço urbano. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1994.

CORDEIRO, G. Í. Territórios e identidades sobre escalas de organização sócio-espacial num bairro de Lisboa. Revista Estudos Históricos, Rio de Janeiro, n. 28, p. 1-16, 2001.

DA MATTA, R. A casa e a rua. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1991.

DUMAZEDIER, J. Sociologia empírica do lazer. São Paulo: Perspectiva, 1979.

DURKHEIM, É. As regras do método sociológico. São Paulo: Martin Claret, 2001.

ECKERT, C. A cultura do medo e as tensões do viver a cidade: narrativa e trajetória dos velhos moradores de Porto Alegre. Iluminuras, 18, 2000.

FONSECA, C. Família, fofoca e honra: etnografia das relações de gênero e violência em grupos populares. 2ª ed. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2004.

EZQUERRA, A. Does it have any sense talking about "neighborhood" in the global city? Reflections on the relationship between sociology, urban community and place. Revista Española de Sociologia, Issue 19, p. 49-66, 2013.

FERREIRA, C. de S. O Edifício Sant’Anna e a Gênese da Verticalização em Campinas. Arquitextos, nº 078.3. São Paulo, Portal Vitruvius, nov. 2006.

Disponível em: www.vitruvius.com.br/arquitextos/arq078/arq078_03.asp. Acesso em 17 julho 2014.

FRUGOLI JR., H. Relações entre múltiplas redes no Bairro Alto (Lisboa). Rev. bras. Ci. Soc., São Paulo, v. 28, n. 82, Jun. 2013. 1.2.

GARCIA SANCHEZ, P.edro; VILLA, M. Vigilant Sociability and Private Urbanism. Residential Homogenization, Urban Practices and Citizenship in Caracas. Perfiles Latinoamericanos, Vol.10(20), p. 207-242, 2002.

GODOY, A. S. Introdução à pesquisa qualitativa e suas possibilidades. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 35, n. 2, p. 57-63, 1995.

GOLDANI, A. M. As famílias no Brasil contemporâneo e o mito da desestruturação. Cadernos Pagu, v. 1, p. 67-110, 1993.

GOLDANI, A. M. As famílias brasileiras: mudanças e perspectivas. Cadernos de Pesquisa, n. 91, p. 7-22, 1994.

GOMES, R. Análise e interpretação de dados em pesquisa qualitativa. In: Minayo, M. C. de S. (Org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 29. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2010. p. 79-112.

HEIDRICH, Á. L. Compartilhamento e Microterritorialidades do Espaço Social Metropolitano. Cidades, Vol. 10, N. 17, p. 76-106, 2013.

IBGE (INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA). Cidades@. Disponível em: http://www.cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?lang=&codmun=420460&search=santa-catarina|criciuma. Acesso em: 17 julho 2014.

JACOBS, J. Morte e vida de grandes cidades. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

LEITE, R. P. Contra-usos e espaço público: notas sobre a construção social dos lugares na ManguetownContra-usos e espaço público: notas sobre a construção social dos lugares na Manguetown. Rev. bras. Ci. Soc., São Paulo, v.17, n.49, 2002. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-69092002000200008&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 17 Julho 2014.

LEFEBVRE, H. The Production of Space. Oxford: Basil Blackwell, 1991.

LEFEBVRE, H. O direito à cidade. São Paulo: Centauro, 2001.

LOPES, A., MONTEIRO, C. Novas faces da sociabilidade em condomínios residenciais no Brasil. Anais dos Encontros Nacionais da Anpur, v. 13, 2009.

MACHADO, J. R. O veraneio de antigamente: Ipanema, Tristeza e os contornos de um tempo passado na zona sul de Porto Alegre. Revista Latino-Americana de História. Vol. 2, nº. 7, Set. 2013.

MAYOL, P. “Morar”. In: CERTEAU, M.; GIARD, L.; MAYOL, P. A invenção do cotidiano: 2. morar, cozinhar. Petrópolis: Vozes, 2009. p. 35-185.

MENEZES, M. Do espaço ao lugar. Do lugar às remodelações sócio-espaciais. Horizontes Antropológicos. Vol. 6, n. 13, 2000.

NASCIMENTO, D. As curvas do Trem. A presença da Estrada de Ferro no Sul de Santa Catarina. Criciúma: UNESC, 2004.

NAZÁRIO, T. G. O homem e seu entorno sociofísico: um estudo sobre o processo de morar e habitar de moradores de edifícios residenciais na cidade de Criciúma-SC. 2009. 259 f. Dissertação (Mestrado) - Universidade do Extremo Sul Catarinense, Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais, Criciúma, 2009.

PARK, R. E. A cidade: Sugestões para a investigação do comportamento humano no meio urbano. In: VELHO, Gilberto. (Org). O fenômeno Urbano. Rio de Janeiro: Guanabara, 1979. p. 25-66

PRADO, R. Cidade Pequena: Paraíso e Inferno da Pessoalidade. Cadernos de Antropologia e Imagem, n. 4, p. 31-56, 1995.

PREIS, Eduardo. Plano diretor participativo de Criciúma / SC: Uma década de conflitos. 2012. 182 f. Tese (Doutorado) - Curso de Geografia, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2012.

RAMIRES, J. C. de L. O processo de verticalização das cidades brasileiras. Boletim de Geografia, v. 16, n. 1, p. 97-105, 1998.

SAHR, C. L. L.. Dimensões da Análise da Verticalização: exemplos da cidade média de Ponta Grossa/PR. Revista de História Regional, Verão 2000. Disponível em: http://www.revistas2.uepg.br/index.php/rhr/article/view/2094. Acesso em: 17 Julho 2014.

SANTOS, M. Por Uma Outra Globalização. Rio de Janeiro: Record, 2002.

SENNETT, Richard. O Declínio do Homem Público: as tiranias da intimidade. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

SEVCENKO, Nicolau. História da Vida Privada no Brasil. República: da Belle Époque à Era do Rádio. Vol. 3. Porto Alegre: Companhia das Letras, 1998.

Schmid, C. A teoria da produção do espaço de Henri Lefebvre: em direção a uma dialética tridimensional. GEOUSP – Espaço e Tempo, São Paulo, N°32, pp. 89- 109, 2012.

SIMMEL, G. A natureza sociológica do conflito. In: MORAES FILHO, Evaristo (org.). Simmel, São Paulo, Ática, 1983.

SIMMEL, G. O conflito como sociação. (Tradução de Mauro Guilherme Pinheiro Koury). RBSE – Revista Brasileira de Sociologia da Emoção, v. 10, n. 30, pp. 568-573, 2011.

SIMMEL, G. A ponte e a porta. Política e Trabalho, n. 12, p. 10-14, set. 1996.

SIMMEL, G. As grandes cidades e a vida do espírito (1903). Mana, Rio de Janeiro, v. 11, n. 2, Oct. 2005 . Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-93132005000200010&lng=en&nrm=iso. Acesso em 17 Julho 2014.

SOMEKH, N. A cidade vertical e o urbanismo modernizador. São Paulo: Studio Nobel, EDUSP, FAPESP 1997.

TEIXEIRA, M. C. S.; PORTO, M. do R. S. Violence, unsecurity and “imaginary of fear”. Caderno CEDES, Campinas, v.19, n.47, p. 51-66, dezembro, 1998.

TULIK, O. O espaço rural aberto à segunda residência. In: LIMA, L. C. (Org.). Da cidade ao campo: a diversidade do saber-fazer turístico. Fortaleza: UECE, 1998. p. 201-215.

VARELA, C. Que significa estar seguro? De delitos, miedos e inseguridades entre los adultos mayores. Cuadernos de Antropologia Social, Buenos Aires, n.22, jul./dez. 2005.

VELHO, G. A utopia urbana: um estudo de antropologia social. 6a. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 2002.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/raega.v44i0.47897

Direitos autorais 2018 Raega - O Espaço Geográfico em Análise

_____________________________________________

ISSN (IMPRESSO) 1516-4136 até 2008

ISSN (ELETRÔNICO) 2177-2738 a partir de 2009