Open Journal Systems

ANÁLISE COMPARATIVA DE POLÍTICAS DE IMPLANTAÇÃO E RESULTADOS SOCIAIS DA ENERGIA EÓLICA NO BRASIL E NOS ESTADOS UNIDOS

Caroline Vitor Loureiro, Adryane Gorayeb, Christian Brannstrom

Resumo


O desenvolvimento da energia eólica é um fenômeno global com uma grande variabilidade de experiências nacionais, mas com poucas comparações internacionais. Nesse estudo, foram analisados os casos de implantação de parques eólicos em duas regiões importantes, uma nos Estados Unidos e outra no Brasil, em termos de políticas de implantação, licenciamento ambiental, o papel dos stakeholders, e outras variáveis. A comparação entre os parques eólicos do Texas (EUA) e do Ceará (Brasil) revelou a importância da segurança de posse da terra, do fortalecimento das instituições econômicas e do papel das elites políticas e econômicas locais na determinação do grau de aceitação social da energia eólica. Os mecanismos utilizados pelas empresas para sua implantação variam nas áreas comparadas. No Texas contratos de aluguel de terra e royalties beneficiam os proprietários privados e produzem taxas. No Ceará as vantagens econômicas e sociais se restringem às elites locais.

 

 


Palavras-chave


parques eólicos, impactos sociais, impactos ambientais, benefícios econômicos.

Texto completo:

ARTIGO AUTORIZAÇÃO

Referências


ABEEOLICA - Associação Brasileira de Energia Eólica. Números do setor 2015. Disponível em: . Acesso em: 26 de agosto de 2015.

AMARANTE, O. A. C.; BROWER, M.; ZACK, J.; SÁ, A. L. Atlas do Potencial Eólico Brasileiro (2001). Disponível em:

. Acesso em: 02 de junho de 2015.

ANEEL – Agência Nacional de Energia Elétrica Atlas de energia elétrica do Brasil. Brasília: Aneel, 3ª ed., 2008.

AWEA – American Wind Energy Association. New analysis: U.S. is world’s number one wind energy producer, leading China and Germany. 2014. Disponível em: . Acesso em: 29 de maio de 2015.

BELL, D; GRAY, T.; HAGGETT, C. The “social gap” in wind farm siting decisions: Explanations and policy responses. Environmental Politics, vol. 14, nº 4, p. 460-77, 2005.

BELL, D.; GRAY, T.; HAGGETT, C.; SWAFFIELD, J. Re-visiting the “social gap”: Public opinion and relations of power in the local politics of wind energy. Environmental Politics, vol. 22, nº 1, p. 115-135, 2013.

BOHN, C.; LANT, C. Welcoming the wind? Determinants of wind power development among U.S. states. The Professional Geographer, vol. 61, nº 1, p.87-100, 2009.

BRANNSTROM, C.; JEPSON, W.; PERSONS, N. Social Perspectives on Wind-Power Development in West Texas. Annals of the Association of American Geographers, vol. 101, nº 4, p. 839-851, 2011.

BRANNSTROM, C.; TILTON, M.; KLEIN. A.; JEPSON, W. 2015. Spatial Distribution of Estimated Wind-Power Royalties in West Texas. Land, vol. 4, p. 1182-1199, 2015.

BRANNSTROM, C.; GORAYEB, A.; MENDES, J. S.; LOUREIRO, C. V.; MEIRELES, A. J. A.; SILVA, E. V.; FREITAS, A. L. R.; OLIVEIRA, R. F. Is Brazilian Wind Power Development Sustainable? Insights from a Review of Conflicts in Ceará State. Renewable and Sustainable Energy Reviews, vol. 67, p. 62-71, 2017.

BRASIL. Decreto nº. 6.048, de 27 de fevereiro de 2007. Altera os arts. 11, 19, 27, 34 e 36 do Decreto no 5.163, de 30 de julho de 2004, que regulamenta a comercialização de energia elétrica, o processo de outorga de concessões e de autorizações de geração de energia elétrica. Diário Oficial, Brasília, DF, 27 de fev. 2007. Seção 1, p. 1.

BRASIL, Ministério de Minas e Energia. Empresa de Pesquisa Energética. Plano Decenal de Expansão de Energia 2023. Disponível em: < http://www.epe.gov.br/Estudos/Documents/PDEPDE2023_ConsultaPublica.pdf>. Acesso em: 17 de agosto de 2015.

BREUKERS, S; WOLSINK, M. Wind power implementation in changing institutional landscapes: An international comparison. Energy Policy, vol. 35, nº 5, p. 2737-2750, 2007.

CCEE - Câmara de Comercialização de Energia Elétrica. RN segue como líder em capacidade de produção de energia eólica, segundo CCEE. 2015. Disponível em: . Acesso em: 17 de agosto de 2015.

CERNE – Centro de Estratégias em Recursos Naturais e Energia. Brasil: líder mundial em geração de energia eólica. 2014. Disponível em: . Acesso em: 17 de agosto de 2015.

CLAUDINO SALES, V.; PEULVAST, J. P. Geomorfologia da zona costeira do estado do Ceará, Nordeste do Brasil. In SILVA, J. B.; DANTAS, E. W. C.; Zanella, M. E. Z.; MEIRELES, A. J. A. (eds.). Litoral e Sertão, natureza e sociedade no nordeste brasileiro. Fortaleza: Expressão Gráfica, 2006, p. 349-366.

COMBS, S. The Energy Report. Texas Comptroller of Public Accounts. 2008. Disponívem em: . Acesso em: 03 de setembro de 2015.

CONAMA - CONSELHO NACIONAL DE MEIO AMBIENTE. Resolução CONAMA nº 462, de 24 de julho de 2014. Estabelece procedimentos para o licenciamento ambiental de empreendimentos de geração de energia elétrica a partir de fonte eólica em superfície terrestre, altera o art. 1º da Resolução CONAMA n.º 279, de 27 de julho de 2001, e dá outras providências. Diário Oficial, Brasília, DF, 24 de jul. Seção 1, p. 1.

DE VRIES, B. J.M.; VAN VUUREN, D. P.; HOOGWIJK, M. M. Renewable energy sources: their global potential for the first-half of the 21st century at a global level: an integrated approach. Energy Policy, vol. 35, nº 4, p. 2590–2610, 2007.

EREC - European Renewable Energy Council. Energy [R]evolution: A Sustainable World Energy Outlook. 2008. Disponível em: . Acesso em: 03 de setembro de 2015.

FISCHLEIN, M.; LARSON, J.; HALL, D. M.; CHAUDHRY, R.; PETERSON, T. R.; STEPHENS, J. C.; WILSON, E. J. Policy stakeholders and deployment of wind power in the subnational context: a comparison of four US states. Energy Policy, vol. 38, nº 8, p. 4429–4439, 2010.

FREITAS, R. J. N. Energia Eólica: Os conflitos socioambientais gerados pela implantação dos parques eólicos no litoral do Ceará. In: Encontro Nacional da ANPPAS, 6, 2012, Belém: Anais...Belém: UFPA, 2012, p. 01-08.

GALBRAITH, K.; PRICE, A. The Great Texas Wind Rush: How George Bush, Ann Richards, and a Bunch of Tinkerers Helped the Oil State Win the Race to Wind Power. Austin: University of Texas Press, 2013.

GWEC - Global Wind Energy Council. Doing Business in Brazil. 2015. Disponível em: . Acesso em: 5 de abril de 2015.

IMPSA busca licença de instalação. Diário do Nordeste. 2010. Disponível em: . Acesso em: 04 de janeiro de 2015.

JEPSON, W.; BRANNSTROM, C.; PERSONS, N. ‘‘We Don’t Take the Pledge’’: Environmentality and environmental skepticism at the epicenter of US wind energy development. Geoforum, vol. 43, nº 4, p. 851–863, 2012.

JUÁREZ, A. A.; ARAÚJO, A. M.; ROHATGI, J. S.; OLIVEIRA FILHO, O. D. Q. Development of the wind power in Brazil; Political, social, and technical issues. Renewable and Sustainable Energy Reviews, vol. 39, p. 828-834, 2014.

LANGNISS, O.; WISER, R. H. The renewables portfolio standard in Texas: an early assessment. Energy Policy, vol. 31, nº 6, p. 527–535, 2003.

LEROY, J. P.; MEIRELES, A. J. A. Povos indígenas e comunidades tradicionais: Os visados territórios dos invisíveis. In: PORTO, M. F; PACHECO, T.; LEROY, J. P. (Orgs.). Injustiça ambiental e saúde no Brasil: O mapa de conflitos. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 2013, p. 115-131.

LOUREIRO, C. V.; GORAYEB, A.; BRANNSTROM, C. Implantação de energia eólica e estimativa das perdas ambientais em um setor do Litoral Oeste do Ceará, Brasil. Geosaberes, Fortaleza, vol. 6, p. 24-38, 2015.

LU, X.; McELROY, M. B.; KIVILUOMA, J. Global potential for wind-generated electricity. Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States of America, vol. 106, nº 27, p. 10933-10938, 2009.

MEIRELES, A. J. A. Danos socioambientais originados pelas usinas eólicas nos campos de dunas do Nordeste brasileiro e critérios para definição de alternativas locacionais. Confins, São Paulo, vol. 11, nº 11, p. 01-21, 2011.

MEIRELES, A. J. A; GORAYEB, A.; SILVA. D. R. F.; LIMA, G. S. Socio-environmental impacts of wind farms on the traditional communities of the western coast of Ceará, in the Brazilian Northeast. Journal of Coastal Research, Special Issue, nº 65, p. 81-86, 2013.

MEIRELES, A. J. A. Geomorfologia costeira: funções ambientais e sociais. Fortaleza: Edições UFC, 2014.

MEIRELES, A. J. A..; GORAYEB, A.; LIMA, G. S. D.; SILVA, D. R. F. D. S. Impactos socioambientais da energia eólica no litoral cearense. In: CORREIA, L. J. A.; OLIVEIRA, V. P. V.; MAIA, J. A. (Orgs.). Evolução das paisagens e ordenamento territorial de ambientes interioranos e litorâneos. Fortaleza: Expressão Gráfica e Editora, 2015, p. 159-169.

MENDES, J. S.; GORAYEB, A.; BRANNSTROM, C. Diagnóstico participativo e cartografia social aplicados aos estudos de impactos das usinas eólicas no litoral do Ceará: o caso da Praia de Xavier, Camocim. Geosaberes, Fortaleza, vol. 6, nº. 3, p. 243-254, 2015.

PACALA S.; SOCOLOW R. Stabilization Wedges: Solving the Climate Problem for the Next 50 Years with Current Technologies. Science, vol. 305, p. 968-972, 2004.

PARKER, Blaire D. Capturing the Wind: The Challenges of a New Energy Source in Texas. House Research Organization, vol. 80, nº 9, p. 1–18, 2008.

PASQUALETTI, Martin J. Opposing wind energy landscapes: A search for common cause. Annals of the Association of American Geographers, vol. 101, nº. 4, p. 907-917, 2011.

RODRIGUES, Juliana Nunes. A contribuição teórica de Michael Mann em um estudo comparativo sobre a cooperação intermunicipal: França e Brasil. Geosul, Florianópolis, vol. 26, nº. 52, p. 35-56, 2011.

SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA, ABASTECIMENTO, AQUICULTURA E PESCA. Decreto Nº 1777-R, de 08 de janeiro de 2007. Dispõe sobre o Sistema de Licenciamento e Controle das Atividades Poluidoras ou Degradadoras do Meio Ambiente, denominado SILCAP. Diário Oficial do Estado, Espírito Santo, 08 de jan. Seção 1, p. 1.

SEMACE – Superintendência Estadual de Meio Ambiente do Ceará. Consultas de Processos de Licenciamento / Autorizações. 2015. Disponível em: < http://www.semace.ce.gov.br/licenciamento-ambiental/>. Acesso em: 05 de janeiro de 2015.

SLATTERY, M. C.; JOHNSON, B. L.; SWOFFORD, J. A.; PASQUALETTI, M. J. The predominance of economic development in the support for large-scale wind farms in the U.S. Great Plains. Renewable and Sustainable Energy Reviews, vol. 16, nº 6, p.3690– 3701, 2012




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/raega.v40i0.45344