TÉCNICAS AGRÍCOLAS, PRESERVAÇÃO E IMPACTOS AMBIENTAIS NA REGIÃO OESTE DO PARANÁ

Janice Costa da Silva Fauro, Fernanda Perdigão da Fonseca Toniol, Elpídio Serra

Resumo


O principal objetivo deste artigo é analisar as implicações das transformações tecnológicas da agricultura paranaense e os impactos ambientais decorrentes dessas mudanças estruturais, elegendo como cenário a região Oeste do Paraná. O modelo agrário tecnológico introduzido na agricultura brasileira desde a década de 1950, e, posteriormente (década de 1970), especificamente no quadro agrícola paranaense, tem como uma de suas características centrais a exclusão dos pequenos produtores, estimulando a produção de cultivos de elevada cotação comercial (commodities), os quais por sua natureza requerem extensas áreas de plantio, em detrimento dos alimentos produzidos pela maioria dos produtores. Cabe destacar que a pressão do setor industrial sobre o setor agrícola, fortalecido após o processo de industrialização e de internacionalização do capital, é significativa. A metodologia empregada envolveu a revisão bibliográfica, relacionando os ciclos econômicos que marcaram a ocupação do território paranaense e a exploração dos recursos naturais, como também a manutenção das áreas de preservação ambiental, mais especificamente o Parque Nacional do Iguaçu, instituído em 1939, como reserva de Proteção Integral. A análise dos resultados permitiu considerar o caráter de dispersão das mudanças tecnológicas na agricultura do Estado do Paraná, entendendo que nem todas as regiões do Estado se tecnificaram e mecanizaram ao mesmo tempo.


Palavras-chave


Agricultura modernizada; Transformações tecnológicas; Impactos ambientais.

Texto completo:

ARTIGO AUTORIZAÇÃO

Referências


ANANIAS,A.C.CS.UmcaminharpelatoponímiadasmicrorregiõesdeToledo eFozdoIguaçu.Dissertação(MestradoemEstudosdaLinguagem), Londrina, 2013.

BARRETO, Alcyrus Vieira Pinto; HONORATO, Cezar de Freitas. Manual de sobrevivência na selva acadêmica. Rio de Janeiro: Objeto Direto, 1998.

BRITO, Maria C. W. De. Unidades de conservação: intenções e resultados. São Paulo: Annablume: FAPESP, 2003.

BRUM, Argemiro J. Modernização da Agricultura: trigo e soja. Ijuí: Vozes, 1987.

COLODEL, José Augusto. Cinco séculosde História. In:SILVA, Gerson Henrique da; BUHÕES, Ronaldo; PERIS, Alfredo Fonseca (Org.).Messoregiões Oeste Paranense: diagnóstico e perspectivas.Cascavel: EDINUOESTE, 2002.

COSTA, C. C. de M.; REIS, P. R. da C.; FERREIA, M. A. M.; MOREIRA, N. C. Modernização agropecuária e desempenho relativo dos Estados brasileiros. Agroalimentaria, Mérida, v.18, n.34, p.43-56, 2012.

CUNHA, J. M. P. et. al. Diagnósticos regionais do Estado do Mato Grosso. Campinas: Núcleo de Estudos de População/UNICAMP, 2004. 225p. (Diagnósticos regionais do Estado do Mato Grosso, TEXTOS NEPO 49).DEITOS, Nilceu Jacob. Presença da igreja no oeste do Paraná:a construção do imaginário católico (1930-1990). 2004. Tese (Doutorado em História)-Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

DIAS, E. S. 2006. Desenvolvimento Regional e Conservação Ambiental: a “estrada do colono” como via de (des) integração do Oeste-Sudoeste Paranaense.UNESP. Presidente Prudente. Tese de Doutorado. 2006

GREGORY, Valdir. Os eurobrasileiros e o espaço colonial:migrações no Oeste do Paraná (1940/1970).Cascavel: EDUNIOESTE, 2002.

IPEADATA –Base de dados. Último acesso em 17 dedezembro de 2010.

IPARDES –Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social. Leiturasregionais: mesorregião geográfica Oeste Paranaense. Curitiba: IPARDES, 2006.

IPARDES –Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social. http://www.ipardes.gov.br. Ultimo acesso em 17 de julho de 2015.

LIMA, F.; ALVES, L. R.; PIFFER, M.; PIACENTI, C. A. O continuum setorial regional dos municípios da mesorregião Oeste paranaense. In: XLIII CONGRESSO DA SOBER: Instituições, Eficiência, Gestão e Contratos no Sistema Agroindustrial, 2005, Ribeirão Preto. Anais. Ribeirão Preto: SOBER, 2005.

PRADO JR., Caio. Formação do Brasil Contemporâneo–Colônia.23.ed., 12ºreimpressão, São Paulo: Editora Brasiliense, 2008.

PADIS, Pedro Calil. Formação de uma Economia Periférica: O caso do Paraná.São Paulo : Hucitec.1981.Co-edição Curitiba : Secretaria da Cultura e do Esporte do Governo do Estado do Paraná. Economia e planejamento : Série Teses e Pesquisas.

PIFFER, M. A teoria da base econômica e o desenvolvimento regional do Estado do Paraná no final do século XX. Tese (Doutorado em Desenvolvimento Regional) –Universidade de Santa Cruz do Sul, 2009.

RICARDO, Cassiano.Marcha para o Oeste. Rio de Janeiro: Editora da USP. Livraria José Olympio editora, vol. 2, 1970.

RIPPEL, R. Migração e desenvolvimento econômico no Oeste do Estado do Paraná: uma análise de 1950 a 2000. Tese (Doutorado em Demografia) -Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da UNICAMP -Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2005.SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DA NATUREZA –SNUC -LEI Nº 9.985, DE 18 DE JULHO DE 2000. Disponível em: http://www. Ibama.gov.br/guiadechefe/java.htm. Acesso Setembro/2002.

SILVA, Francisco José Barretto da Silva. Conflitos de uso em Área de Proteção Ambiental: água, mineração e agricultura.Florianópolis, 2001. Tese (Doutorado Interdisciplinar em Ciências Humanas). UFSC, 2001.

TEIXEIRA, J. C. Modernização da agricultura no Brasil: impactos econômicos, sociais e ambientais.Revista Eletrônica da Associação dos Geógrafos Brasileiros, Três Lagoas, v.2, n.2, p.21-42, 2005.

VEROCAI, I. A política e a gestão ambiental no Brasil.Rio de Janeiro, 1991. [Trabalho não publicado].

VINHAS, Moisés. Problemas agrário-camponeses do Brasil.Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1992.

WEINER, J. Os Próximos cem anos. Rio de Janeiro: Editora Campus, 1992.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/raega.v36i0.43667

Direitos autorais 2016 Raega - O Espaço Geográfico em Análise

_____________________________________________

ISSN (IMPRESSO) 1516-4136 até 2008

ISSN (ELETRÔNICO) 2177-2738 a partir de 2009