ESTUDO DA ALTERAÇÃO ANTRÓPICA (HEMEROBIA) DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO MOURÃO – PR

Maristela Moresco Mezzomo, Géssica Silva Gasparini

Resumo


As transformações da paisagem desenvolvidas por atividades antrópicas podem ocasionar inúmeros problemas como desequilíbrio nos ecossistemas, erosão de solos e assoreamento de rios. Uma das ferramentas para verificar a pressão das ações do ser humano na paisagem se dá por meio do conceito de hemerobia. Neste sentido, o objetivo deste artigo é apresentar a definição de graus de dependência energética e tecnológica (hemerobia) da bacia hidrográfica do rio Mourão - PR, visando auxiliar o planejamento de ações para diminuir os riscos e impactos ambientais em relação ao solo e à água. Para isso, foram feitos a caracterização da área de estudo, o levantamento de dados e informações sobre o uso do solo e a classificação e quantificação dos graus de hemerobia utilizando a proposta de Kröker (2008). Os graus foram classificados como hemerobia mínima, muito baixa, baixa, média, alta, muito alta e máxima. A classificação da paisagem da bacia, conforme as unidades de paisagem definidas por Scipioni (2014), demonstra que três das quatro unidades possuem todos os graus de hemerobia. A análise quantitativa dos graus de hemerobia demonstra que 85,26% apresentam grau médio, composto por áreas utilizadas para agricultura, pecuária, solo exposto e áreas para futuras construções, e 7,81% representa o grau mínimo utilizado por Unidades de Conservação, Áreas de Preservação Permanente e fragmentos florestais. Esta classificação possibilitou identificar determinadas funções da paisagem, podendo assim, contribuir no planejamento e direcionamento de ações sobre o uso e a ocupação do solo.

Palavras-chave


Hemerobia; Bacia Hidrográfica; Planjemento;

Texto completo:

ARTIGO AUTORIZAÇÃO

Referências


BERTRAND, G. Paisagem e geografia física global. Esboço metodológico.13° Caderno de Ciências da Terra. USP, Instituto de Geografia. Tradução: Olga Cruz. São Paulo, 1971.

CARNEIRO, M.G. Classificação da vulnerabilidade geoambiental e levantamento do uso e ocupação do solo da bacia do rio Mourão –Paraná. 2014.Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Engenharia Ambiental) –coordenação de Engenharia Ambiental, Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Campo Mourão.

EMBRAPA–EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA. Levantamento de Reconhecimentodos Solos do Estado do Paraná. Articulação: MI –505. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Brasil, 2007. Escala 1:250.000. Disponível em: . Acesso em: 05 fev. 2014.

FÁVERO, O. A.; NUCCI, J. C.; BIASI, M. deHemerobia nas unidades de paisagem da Floresta Nacional de Ipanema, Iperó/SP: conceito e método. In: VI CONGRESSO BRASILEIRO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO, 6, 2004, Curitiba. Anais...Curitiba: Fundação O Boticário de Proteção à Natureza, v. 1, p. 550-559, 2004.Disponível em: . Acesso em: Acesso em: 10 fev. 2014.

FREITAS, A. R.A repercussão da legislação na dinâmica do uso da terra na bacia do rio Cará-Cará, Ponta Grossa-PR, no período de 1980 a 2007. 2008.Dissertação (Mestrado em Gestão de Território) -UEPG, Setor de Ciências exatas e naturais-Departamento deGeociências. Ponta Grossa.GOOGLE EARTH –Imagens do software, 2013.

HABER, W. Using Landscape Ecology in Planning and Management. In: ZONNEVELD, I.S.; FORMAN, R.T.T. (Eds.) Changing Landscapes: an ecological perspective. New York: Springer-Verlag, 1990, 286p.

HOUGH, M. Naturaleza y ciudad. Planificación y procesos ecológicos. Barcelona: Gustavo Gili, 1995, 315p.

IBGE -INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Sinopse do Censo Demográfico 2010.Rio de Janeiro, 2010. Disponível em: . Acesso em: 13 dez. 2013.INPE, Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais.

SPRING: Integrating remote sensingand GISby object-oriented data modelling" Camara G, Souza RCM, Freitas UM, Garrido J Computers & Graphics, 20: (3) 395-403, May-Jun 1996. Disponível em: . Acesso em: 20 set. 2013.

ITCG –INSTITUTO DE TERRAS, CARTOGRAFIA E GEOCIÊNCIAS. Formações fitogeográficas –Estado do Paraná. 2009. Escala 1:2.000.000. Disponível em: . Acesso em: 28 mar. 2014.

IPARDES –INSTITUTOPARANAENSE DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL. Perfil dos Municípios. Curitiba, 2012. Disponível em: . Acesso em: 27 set. 2014.

JALAS, J. Hemerobe und hemerochore pflanzenarten. Acta Soc. Pro fauna et flora. 72, n°11, 1955.

KRÖKER, R.; NUCCI, J. C.; MOLETTA, I. M. O conceito de hemerobia aplicado ao planejamento de paisagens urbanizadas. In: INTERNATIONAL CONGRESS ON ENVIRONMENTAL CHALLENGES OF URBANIZATION. 2005, Brasília. Anais... Brasília: 2005. 1 CD-ROM. Disponível em: . Acesso em: 12 fev. 2014.

KRÖKER, R. Transformação da paisagem e estado hemerobiótico do bairro de Santa Felicidade, Curitiba/PR. 2008. Dissertação (Mestrado em Geografia) –UFPR, Setor de Ciências da Terra. Curitiba. LABGEO, Laboratório de Geoprocessamento. Cartas Temáticasda bacia do rio Mourão. Escala 1:50.000, dados SRTM, 2000, imagens Landsat 5 –TM, cena 223/76 e 223/77. Universidade Tecnológica Federal do Paraná, campus Campo Mourão. 20 de jun 2013.

MEZZOMO, M. D. M. Planejamento da paisagem e conservação da natureza em RPPNs na bacia hidrográfica do rio Mourão, Paraná. 2013.Tese (Doutorado em Geografia) –Setor de Ciências da Terra, Universidade Federal do Paraná, Curitiba.

MINEROPAR -Minerais do Paraná S.A. Atlasgeomorfológico. Escala base 1:500.000. Curitiba, 2006.

MINEROPAR –Minerais do Paraná S.A. Geologia do Paraná. Escala 1:650.000, Curitiba,2005.

MINEROPAR –Minerais do Paraná S.A. Carta Geológica de Campo Mourão, escala 1:250.000, 2006.

MONTEIRO, C. A. F. Derivações antropogênicas dos geossistemas terrestres no Brasil e alterações climáticas: perspectivas urbanas e agrárias ao problema da elaboração de modelos de avaliação. SIMPÓSIO SOBRE A COMUNIDADE VEGETAL COMO UNIDADE BIOLÓGICA, TURÍSTICA E ECONÔMICA. Anais... São Paulo: ACIESP nº15, 1978, p. 43-74.

SCIPIONI, B.Identificação de áreas prioritárias para conservação da natureza na bacia do rio Mourão –PR. 2014. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Engenharia Ambiental) –coordenação de Engenharia Ambiental, Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Campo Mourão.

SUKOPP, H. Wandel von Flora und Vegetation in Mitteleuropa unter dem Einfluss dês Menschen. Berichte uber Landwirtschaft, Bd. 50/H.1: 112-139, 1972.

TROPPMAIR, H. Biogeografia e Meio Ambiente. Rio Claro: edição do autor, 1989, 258p.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/raega.v36i0.43437

Direitos autorais 2016 Raega - O Espaço Geográfico em Análise

_____________________________________________

ISSN (IMPRESSO) 1516-4136 até 2008

ISSN (ELETRÔNICO) 2177-2738 a partir de 2009