Open Journal Systems

CONTRIBUIÇÃO À COMPREENSÃO DO CAMPO TÉRMICO DA REGIONAL PRAIA DO CANTO EM VITÓRIA (ES) PELA METODOLOGIA DE TRANSECTOS

Wesley de Souza Campos Correa, Cláudia Câmara do Vale

Resumo


As diferenças de uso e ocupação da terra nas cidades geram um clima próprio, ou seja, um clima urbano, que é resultante dos fatores urbanos, do clima regional e do meio físico local. Diante desse contexto, o presente artigo tem por objetivo estudar o comportamento térmico da Regional V - Praia do Canto, no município de Vitória (ES), por meio da técnica de transecto móvel (Fialho, 2009), em duas estações no ano de 2013, um realizado no verão (fevereiro), outro realizado no inverno (junho). Os resultados mostram que, tanto no verão, quanto no inverno, as áreas mais aquecidas ficaram bem definidas, estas áreas são correspondentes aos núcleos térmicos. As maiores influências do tecido urbano na temperatura do ar foram verificadas sob atuação da Alta Subtropical do Atlântico Sul (ASAS). Foram observadas nos dois períodos (verão/inverno), elevadas amplitudes térmicas. Às 09 horas, são registradas as maiores amplitudes térmicas nos dois períodos analisados. Às 15 horas, no verão e no inverno, verificou-se que a porção centro-leste da área em estudo apresenta até 3ºC a menos nos períodos vespertinos em relação aos pontos localizados na porção norte e sul da área. A análise confirmou que as mudanças de uso e cobertura da terra, associadas às características do relevo local, bem como à dinâmica atmosférica, influenciam diretamente as variáveis meteorológicas, neste caso a temperatura do ar.


Palavras-chave


Alta Subtropical do Atlântico Sul (ASAS), clima urbano, temperatura do ar.

Texto completo:

ARTIGO AUTORIZAÇÃO

Referências


ALCOFORADO, M.J. Aplicação da climatologia ao planejamento urbano. Alguns apontamentos. Finisterra. Revista Portuguesa de Geografia, 67-68, 1999, p. 83-94.

ALVES, E.D.L.; BIUDES, M.S.;VECCHIA, F.A.S. Interpolação espacial na climatologia: Análise dos critérios que precedem sua aplicação. Revista Geonorte, Edição Especial 2, V.1, N.5, p.606 –618, 2012

AMORIM, M. C. C. T. O.Clima urbano de Presidente Prudente/SP. Tese (Doutorado em Geografia) –Faculdade de Filosofia Letras e Ciência Humanas –USP. São Paulo, 2000. 378p.

ANDRADE, H. O clima urbano: Natureza, escalas de análise e aplicabilidade. Finisterra,Lisboa, v. 50, n. 80, 2005. pp. 67–91.

ASSIS, E. S.: A abordagem do clima urbano e aplicações no planejamento da cidade: reflexões sobre uma trajetória. In: ENCONTRO NACIONAL E IV ENCONTRO LATINO-AMERICANO SOBRE CONFORTO NO AMBIENTE CONSTRUÍDO, Maceió. Anais...Maceió: ANTAC, p. 92-101, 2005.

ASSIS, W. L. O sistema clima urbano do município de Belo Horizonte na perspectiva têmporo-espacial. Tese (Doutorado em Geografia) -Instituto de Geociências, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2010, 299f.

BRANDÃO, A.M de P.M.O clima urbano da cidade do Rio de Janeiro. Tese (Doutorado em Geografia). Departamento de Geografia, FFLCH, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1996. 362 p.BRANDÃO, A. M. P. M. O clima urbano da cidade do Rio de Janeiro. In: Clima Urbano. Org. Mendonça, F; Monteiro, C.A de F. São Paulo: Contexto, 2003,p 121 –153.

Centro de Previsãode Tempo e Estudos Climáticos –CPTEC. Análise Sinótica de Superfície dos dias 19/02 a 21/02 de 2013 e 27/06 a 28/06.Acesso em 28 de fevereiro. 2013. Disponível em:< http://www7.cptec.inpe.br/~rupload/arquivo/analise >.

CORREA, W.S.C. Comportamento dos elementos climáticos, temperatura e precipitação, no Município de Vitória (ES) no período de 1978 a 2007. Monografia (Bacharelado em Geografia). Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2011.

CORREA, W.S.C.; NASCENTES, A.L.C.; VALE, C.C. Influência de distintos sistemas atmosféricos na temperatura de superfície do município de Vitória (ES).Revista Caminhos de Geografia. vol.16 n.53 Uberlândia, MG, 2015, p. 37-54.COSTA, R. B. Adversidades climáticas em Vitória? Vitória, Instituto Histórico e Geográfico do Espírito Santo/ Prefeitura Municipal de Vitória, 1992.

FIALHO, E. S. Ilha de calor em cidade de pequeno porte: Caso de Viçosa, na Zona da Mata Mineira.Tese (Doutorado em Geografia Física), Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade Estadual de São Paulo, São Paulo, 2009, 248f.

GARTLAND, L. Ilhas de calor: como mitigar zonas de calor em áreas urbanas. São Paulo: Oficina de Textos, 2010. 248 p.

GÓMEZ, A. L., GARCIA, F. F. Laisla de calor en Madrid: avance de un estudio del clima urbano. Estudios Geográficos, 45, n.174, p.5-34, enero-marzo 1984.1997.Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística –IBGE. Censo 2015.Disponível em:http://www.ibge.gov.br/cidadesat/topwindow.htm?1>.Acesso em 20 de fevereiro de 2015.

Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural –INCAPER. Sistema de Informação Meteorológica (Previsão do Tempo). Disponível em:http://hidrometeorologia. incaper.es.gov.br/. Acesso em 22 de fevereiro de 2013.

Instituto Nacional de Meteorologia -INMET. Banco de Dados Meteorológico para Ensino e Pesquisa.Brasília, 2013.

IOCHINOSE, T., SIHIMODOZONO, K. H. Impact of anthropogenic heat on urban climate in Tokyo. Atmospheric Environment. V. 33. 1999, p.3897-3909.

JAUREGUI, E. The urban climate of Mexico City. Erdkunde, Berlin, v. 27, p. 289–307, 1973.

LANDSBERG, H. E. O Clima das Cidades. Revista do Departamento de Geografia, Nº 18, 2006, p. 95-111.

LEE, D. O. An analysis of recent trends in London’s heat island. Weather. 47, 50-56. 1990.

LI, J., HEAP, A.D. A review of comparative studies of spatial interpolation methods in environmental sciences: Performance and impact factors.Ecological Informatics, n◦ 6, p. 228–241, 2011.LOMBARDO, M. A. Ilha de calor nas metrópoles: o exemplo de São Paulo. São Paulo: Hucitec, 1985. 244p.

LOWRY, W. P. Empirical estimation of urban effects on climate: a problem analysis. Journal of Applied Meteorology, 16, 1977: 129 –153.

MACHADO, A.J. Fluxos radiativos da Av. Paulista, São Paulo –SP, discutidos a partir da análise das formas. Caderno Prudentino de Geografia, Presidente Prudente, n.33, v.2, p.21-41, ago./dez.2011.

MENDONÇA, F. de A. O clima e o planejamento urbano de cidade de porte médio e pequeno: proposição metodológica para estudo e aplicação à cidade de Londrina, PR. Tese (Doutorado em Geografia Física) –Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, 1995. 322p.

MENDONÇA, F. de A. O estudo do clima urbano no Brasil –evolução, tendências e algunsdesafios.In: MONTEIRO, C. A. F.; ______. (Org.). Clima urbano. São Paulo: Contexto, 2003, p. 175-192.MONTEIRO C. A. F. Teoria e Clima Urbano. São Paulo, IGEOG/USP, 1976, 181p.

_____________________. Por um suporte teórico e prático para estimular estudos geográficos do clima urbano do Brasil. GeoSul. Nº 9, 1990, p.7-140.

MONTEIRO, C. A. F. Teoria e clima urbano –um projeto e seus caminhos. In: MONTEIRO, C. A. F.; MENDONÇA, F. (Org.). Clima urbano. São Paulo: Contexto, 2003, p. 9-67.OKE, T. R. Review ofurban climatology: 1963-1973. Thecnical Note, 1974 v.134.

PREFEITURA MUNICIPAL DE VITÓRIA –PMV. Lei Nº 6.077 “Lei de Bairros de Vitória”. Disponível em:http://sistemas.vitoria.es.gov.br/webleis/ Arquivos/2 003/L60 77.PDF. Acesso em 06 de maio de 2013.

___________________________________________. Base cartográfica de Vitória. Disponível em: http://geoweb.vitoria.es.gov.br/. Acessado em 06/05/2013

REIBOTA, M. S.; GAN, M.A.; ROCHA, R.P.; AMBRIZZI, T. Regimes de precipitação na América do Sul: uma revisão bibliográfica. Revista Brasileira de Meteorologia. vol.25 n.2 São Paulo, 2010, p. 185 -204.

SANT'ANNA NETO, J.L.; AMORIM, M.C.C.T. O. Clima e segregação sócio espacial em cidades tropicais de porte médio. In: ENCUENTRO DE GEÓGRAFOS DE AMÉRICA LATINA, 12. 2009.Montevideo. Disponível em: http://egal2009.easyplanners.info/area07/7376_undefined _undefined.pdf. Acesso em: 01 de agosto de 2013.WU, T., LI, Y. Spatial interpolation of temperature in the United States using residual kriging. Applied Geography,n. 44,p. 112 -120, 2013.

YOSHINO, M.M. Development of urban Climatology and problems today. Energy and Building, 15-16, (1990-1991). p.1-10.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/raega.v38i0.41854