TEMPERATURA DOS SOLOS E SUAS INFLUÊNCIAS NA REGENERAÇÃO NATURAL DA CAATINGA NOS CARIRIS VELHOS – PB

Bartolomeu Israel de Souza, Mônica Larissa Aires Macêdo, Glauciene Justino Ferreira Silva

Resumo


A Caatinga vem sofrendo alterações históricas através da retirada maciça da vegetação para o desenvolvimento de diversas atividades econômicas, o que vem acarretando uma série de problemas ambientais e, dentre estes, o aumento da temperatura dos solos. Esse trabalho foi desenvolvido na região dos Cariris Velhos – PB, uma das mais atingidas pelo desmatamento no semiárido brasileiro, com o objetivo de identificar como esse processo tem afetado a temperatura dos solos, estabelecendo relações com a capacidade de germinação das sementes de plantas nativas da Caatinga em função dos níveis térmicos identificados, características ainda pouco conhecidas e de fundamental importância para que se possa compreender melhor a sucessão ecológica em áreas degradadas. Neste trabalho, foi analisada uma série histórica de dados de temperaturas de subsuperfície, obtidos através de geotermômetros, submetidos a tratamento estatístico, e de superfície, através do uso de imagens de satélite, seguida de um levantamento da capacidade de germinação de sementes da Caatinga em diferentes condições térmicas. Os resultados obtidos indicam que o desmatamento vem acarretando a elevação da temperatura média dos solos, atualmente dominando níveis superiores a 350C em grande parte da região, para os quais a maioria das sementes das espécies consultadas não se desenvolveria, tornando ainda mais difícil a recuperação destes ambientes. Os dados apresentados apontam a urgência em evitar a expansão do desmatamento na Caatinga, assim como a criação de medidas de recuperação dos ambientes desertificados.


Palavras-chave


Desflorestamento; Condições térmicas; Faixas de germinação de sementes

Texto completo:

AUTORIZAÇÃO ARTIGO

Referências


ALLEN, R. G.; TREZZA, R.; TASUMI, M. Surface energy balance algorithms for land. Advanced trainingand users manual, version 1.0,p.98, 2002.

AMARAL, D. I. Padronização de testes em laboratório com sementes florestais. In: ARAÚJO FILHO, J. A. Desenvolvimento sustentável da caatinga. Sobral (CE): Ministério daAgricultura/EMBRAPA/CNPC, 1996.

ARAÚJO,V. K. R.;SANTOS, D. M.;ARAÚJO,E. L. Análise da riqueza e composição de espécies no banco de sementes em uma área de floresta tropical seca (caatinga) após simulação de um período de seca. In: SEABRA, G.; MENDONÇA, I.(Orgs.). Educação ambiental: Responsabilidade para a conservação da sociobiodiversidade. João Pessoa: Ed. Universitária da UFPB, 2011.p. 84-91.

BARBOSA, D. C. A. Estudos ecofisiológicos em Anadenanthera macrocarpa(Benth.) Brenan. Aspectos da germinação e crescimento. 1980. Tese (Doutoradoem Botânica) -Universidade de São Paulo, São Paulo.

BRADY, N. C. &WEIL, R. R. Elementos da natureza e propriedades dos solos. Tradução técnica: Igo Fernando Lepsch, 3ª ed. Porto Alegre: Bookman, 2013.

CARVAJAL, A. F. &PABÓN, J. D. Temperatura de la superficieterrestre em diferentes tipos de cobertura de la región andina colombiana. Uberlândia: Sociedade & Natureza, 26, (1): 95-112, jan/abr/2014.

CARVALHO, N. M. & NAKAGAWA, J. Sementes: ciência, tecnologia e produção. 4 ed. Jaboticabal:FUNEP, 2000.

CHAIDEFTOU,E.;THANOS, A.;BERGNEIER,E.;KALLIMANIS,A. DIMOPOULOS P. Seed bank composition and above-ground vegetation in response to grazing in submediterranean oak forests (NW Greece). Plant Ecology201 (1): 255-265, 2009.

CHANDER, G; MARKHAM, B. L; HELDER, D. L. Summary of current radiometric calibration coefficients for Landsat MSS, TM, ETM+,and EO-1 ALI sensors. Remote Sensing of Environment. p.893-903, 2009.

COSTA, R. C. &ARAÚJO, F. S. Densidade, germinação e flora do banco de sementes no solo, no final da estação seca, em uma área de caatinga, Quixadá, CE. Acta Botânica Brasílica, v. 17, p. 259-264, 2003.

KOHNKE, H. Soil physics. New York: McGraw-Hill Book Company, 1968.

LABORIAU, L. G. A germinação das sementes. Washington: Secretaria Geral da Organização dos Estados Americanos, 1983.

LIMA, J. D.; ALMEIDA, C. C.; DANTAS, V. A. V.; SILVA, B. M. S.; MORAES, W. S. Efeito da temperatura e do substrato na germinação de sementes de Caesalpinia ferreaMart. ex Tul. (Leguminosae, Caesalpinoideae). Revista Árvore, v. 30. N. 4, p. 513-518, 2006.

LIMA, C. M. R.; BORGHETTI, F.; SOUZA, M. V. Temperature and germination of the leguminosae Enterolobium contortisiliquum. Rev Bras. Fisiol. Veg. 9: 97-102, 1997.

LIU,W.;ZHANG,Q.;LIU,G. Seed banks of a river-reservoir wetland system and their implications for vegetation development. Aquatic Botany90 (1): 7-12, 2009.

MAMEDE, M. A. &ARAÚJO, F. S. Effects of slasch and burn practicesa on a soil seed bank of caatinga vegetation in Northeastern Brazil. Journal of Arid Environments, v. 72, p. 458-470, 2008.

MEIADO, M.V.; ALBUQUERQUE, L.S.C.; ROCHA, E.A. RÓJAS-ARÉCHIGA, M.; LEAL, I.R. Seed germination responses of Cereus jamacaruDC. ssp. jamacaru(Cactaceae) to environmental factors. Plant Species Biology, v. 25, p. 120-128, 2010.

MELO, C. M. C. & EIRA, M. T. S. Conservação de sementes de ipês (Tabebuiaspp.).Revista Árvore 19 (4): 427-432, 1995.

MONDO,V. H. V.; BRANCALION, P. H. S.; CICERO, S. M.; NOVEMBRE, A. D. L. C.; DOURADO NETO, D. Teste de germinação de sementesde Parapitdadenia rígida(Benth.) Brenan (Fabaceae). Revista Brasileira de Sementes, v. 30, n. 2, p. 177-183, 2008.

MORAES, J. M. F. Efeitos de diferentes níveis de água na germinação e no crescimento de Myracrodruon urundeuvaAllemão (Anacardiaceae). 2002. Dissertação (Mestradoem Botânica) -Universidade Federal de Pernambuco, Recife.

MYERS, N; MITTERMEIER, R.A; MITTERMEIER, C.G; FONSECA, G.A.B; KENT, J. Biodiversity hotspots forconservation priorities. Nature, n 403, p.853-859, 2000.

MUSY, A. &SOUTTER, M. Physique du sol. Lausanne: Presses Polytechniques et Universitaires Romandes, 1991.

NIMER, E. Pluviometria e recursos hídricos de Pernambuco e Paraíba. Rio de Janeiro: IBGE/SUPREN, 1979.

NOBRE, C. A.; ASSAD, E. D.; OYAMA, M. D. Mudança ambiental no Brasil. O impacto do aquecimento global nos ecossistemas da Amazônia e na agricultura. Scientific American Brasil, n. 12, p. 70-75, 2005.

NOGUEIRA, F. C. B.; SILVA, J. W. L.; BEZERRA, A. M. E.; MEDEIROS FILHO, S. Efeitoda temperatura e luz na germinação de sementes de Luetzelburgia auriculata(Alemão) Ducke –Fabaceae. Acta Botânica Brasílica, 26 (4): 772-778, 2012.

OLIVEIRA, G.M.; MATIAS, J.R.; RIBEIRO, R.C.; BARBOSA, L.G.; SILVA, J. E. S. B.; DANTAS, B. S. Germinação de sementes de espécies arbóreas nativas da Caatinga em diferentes temperaturas. Scientia Plena, v.10, n.04, 2014.

PACHECO, M. V.; MATOS, V. P.; FERREIRA, R. L. C.; FELICIANO, A. L. P.; PINTO, K. M. S. Efeito das temperaturas e substratos na germinação de sementes de Myracrodruon urundeuvaFr. All. (Anacardiaceae). Viçosa: Revista Árvore, v. 30, n. 3, p. 359-367, 2006.

PETTIT, A. N. A nonparametric approach to the change-point problem. Journal of the Royal Statistical Society. Series C (Applied Statistics). Vol. 28, No. 2, p. 126-135, 1979.

PRAZERES, S. M. Germinação de sementes e propagação vegetativa. In: SAMPAIO, E. V. S. B.; MAYO, S. J. & BARBOSA, M. R. (eds.). Pesquisa botânicanordestina: Progresso e perspectivas. Recife: Sociedade Botânica do Brasil, 1996. p. 179-189.

ROUSE, J.W; HAAS, R.H; SCHELL, J.A; DEERING, D.W & HARLAN; J.C.Monitoring the vernal advancement of retrogradation (greenwave effect) of natural vegetation. NASA/GSFC, Type III, Final Report, Greenbelt, MD, 1974.

SALOMÃO, A. N. Tropical seeds species responses to liquid nitrogen. Brazilian Journal of Plant Phsysiology14(2): 133-138, 2002.

SALOMÃO, A. N.; EIRA, N. M. T. S.; CUNHA, R.; SANTOS, I. R. I.; MUNDIM, R. C.; REIS, R. B. Padrões de germinação e comportamento para fins de conservação de sementes de espécies autóctones: madeireiras, alimentícias, medicinais e ornamentais. Brasília: EMBRAPA –Centro Nacional de Pesquisa de Recursos Genéticos e Biotecnologia, Comunicado Técnico, n. 32, 1987.

SALOMÃO, A. N.&SANTOS, I. R. I. Avaliação da tolerância ao dessecamento em sementes de espécies frutíferas nativas. Brasília: Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia, Comunicado Técnico n. 56, dez. 2001.

SAMPAIO, E. V. S. B. Características e potencialidades. In: GARIGLIO, M. A.;SAMPAIO, E.V.S. B.;CESTARO, L.A.;KAGEYAMA, P.Y. (Orgs.). Uso sustentável e conservação dos recursos florestais da Caatinga. Brasília: MMA, 2010.p. 29-48.

SANTOS, D. M.; SILVA, K. A.; SANTOS, J. M. F. F.; LOPES, C. G. R.; PIMENTEL, R. M. M.; ARAÚJO, E. L. Variação espaço-temporal do banco de sementes em uma área de Floresta Tropical Seca (Caatinga) –Pernambuco. Recife (PE): Revista de Geografia, UFPE, v. 27, n. 1, Jan/Abr. 2010.

SILVA, L. M. M.&AGUIAR, I. B. Efeito dos substratos e temperaturas na germinação de sementes de Cnidosculus phyllacantusPax & K. Hoffman (faveleira). Revista Brasileira de Sementes, v. 26, n. 1, p.9-14, 2004.

SILVA, F. F. S. &DANTAS, B. F. Efeito da temperatura na germinação de sementes de Sideroxylon obtusifolium(Sapotaceae) de diferentes procedências. Revista SODEBRAS, v. 8, n. 90, p. 40-43, junho/2013.

SILVA, B.B.; LOPES, G.M.; AZEVEDO, P.V. Balanço de radiação em áreas irrigadas utilizando imagens Landsat 5 –TM. Revista Brasileira de Meteorologia, vol. 20, n. 2, p.243-252, 2005.

SILVEIRA, D.G.; PELACANI, C.R.; ANTUNES, C.G.C.; ROSA, S.S.; SOUZA, F.V.D.; SANTANA, J.R.F. Resposta germinativa de sementes de caroá [Neoglaziovia variegata (ARRUDA) MEZ]. Ciência & Agrotecnologia, v.35, n.5, p.948-955, 2011.

SOUZA, B. I.; SUERTEGARAY, D. M. A.; LIMA, E. R. V. Evolução da desertificação no Cariri paraibano a partir da análise das modificações na vegetação. Rio Claro: Revista Geografia, v. 36, n. 1, p. 193-207janeiro a abril 2011.TRIOLA, Mario F. Introdução à Estatística. 10 ed. Rio de Janeiro: LTC, 2011.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/raega.v35i0.41609

Direitos autorais 2016 Raega - O Espaço Geográfico em Análise

_____________________________________________

ISSN (IMPRESSO) 1516-4136 até 2008

ISSN (ELETRÔNICO) 2177-2738 a partir de 2009