ANTROPOGEOMORFOLOGIA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO MURUTUCU: ABASTECIMENTO HÍDRICO, USO E OCUPAÇÃO EM BELÉM-PA

Antônio Carlos Ribeiro Araújo Júnior

Resumo


As Unidades de Proteção Integral estão divididasem Estação Ecológica, Reserva Biológica, Parque Nacional (ou Estadual ou Municipal), Monumento Natural e Refúgio de Vida Silvestre. A Área de Proteção Ambiental de Belém (APA Belém) enquadra-se na categoria Parque Nacional e se deve, sobremaneira, ao fato desta abrigar a fonte de abastecimento de água de toda a Região Metropolitana de Belém (RMB), os lagos Bolonha e Água Preta, além de guardar um ambiente ameno e contemplativo com atrativos turísticos. Apesar de estar inserida na região amazônica, abundante em recursos hídricos, a cidade de Belém e sua região metropolitana, historicamente enfrentam dificuldades de captação, armazenamento e distribuição de água. A antropogeomorfologia considerando as consequências positivas e negativas da ação humana sobre o relevo ajuda a compreender como as formas e processos da Bacia Hidrográfica do Murutucu (BHM) são condicionados para se entender holisticamente quais alterações foram empreendidas nos mananciais do Utinga na BHM tornando mais eficiente o abastecimento hídrico na RMB. As alterações processadas na forma dos lagos mostraram ser necessárias para aumentar seu volume de água e assim atender a demanda crescente da população da RMB denotando que a antropogeomorfologia é um importante instrumento de gestão ambiental.


Palavras-chave


Água; Planejamento; RMB

Texto completo:

ARTIGO AUTORIZAÇÃO

Referências


BRASIL. Lei nº 9.985, de 18 de julho de 2000. Regulamenta o art. 225, § 1o, incisos I, II, III e VII da Constituição Federal, institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 19 jul. 2000.

CAMARGO, L. H. R. Geografia, Epistemologia e Método da Complexidade. Revista Sociedade e Natureza. 14 e 15 (26 a 29): 133-150. Uberlândia: Edufu, 2003.

COIMBRA, A. R. S. R.; SOUZA, M. A. A. Análise básica das alternativas de ampliação do sistema de abastecimento de água da cidade de Belém-Pará. Brasília-DF. 1979.

COSANPA, Urbanização e medidas de proteção sanitária da região dos lagos Utinga. Relatório técnico 023, 2000.

CUNHA, S. B.; GUERRA, A. J. T. Degradação Ambiental. In: Guerra, A. J. T. e Cunha, S. B. (orgs.). Geomorfologia eMeio Ambiente. 4ª ed. Rio de Janeiro, 2003. p. 337-380.

ELORZA, M. G. El papel del hombre em la creación y destrucción del relieve. Revista R. Acad. Cienc. Exac. Fís. Nat. (Esp.), vol. 101, nº. 1, p. 211-216, 2007.

FEITOSA, D. Macrodrenagem e Água Potável emBelém do Pará.Documentário Histórico –Cosanpa. Belém, Multsoft, 1994.

FELDS, E. Geomorfologia Antropogenética. Boletim Geográfico, Rio de Janeiro, v. 16, nº. 144, p. 352-357, 1958.

FRANÇA, L. G.; SOUZA, C. J. O. O conhecimento geomorfológico para o Planejamento Municipal: estudo de caso do Município de Juatuba-MG. Caderno de Geografia, v.23, n.40, 2013.

GOUDIE, A. S. The Human Impact in the Natural Environment. 4ª ed. Cambridge (Massachusetts). The MIT Press, 1994.GUERRA. A. T.; GUERRA. A. J. T. Novo dicionário geológico-geomorfológico. Editora: Bertrand Brasil, 2009.

HOOKE, R. LEB. On the history of humans as geomorphic agents. Geology,v. 28; nº. 9; p. 843–846,September 2000.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística -IBGE,Diretoria de Pesquisas -DPE -Coordenação de População e Indicadores Socias-COPIS, 2014.

Instituto de Desenvolvimento Econômico e Social do Pará -IDESP, Estudo ambiental no Utinga:vida útil do sistema de abastecimento d'água de Belém. Sérgio da Fonseca Dias (coord.). Belém: IDESP, Relatórios de Pesquisa nº 19, 1991.

MAIA NETO, G. A. Unidades de Conservação de Proteção Integral. Jus Navigandi, Teresina, ano 14, nº 2342, 29 nov, 2009.

MENEZES, L. B. C.; BRAZ, V. N.; QUEIROZ, S. A. R.; CUNHA, E. C. S. Perfis de oxigênio dissolvido nos lagos Bolonha e Água Preta, Utinga, Belém-Pa. In: SIMPÓSIO ÍTALO BRASILEIRO DE ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL, VI, 2002. Espírito Santo, Vitória. Anais...Espírito Santo UFES, 2002.

MOREIRA, E. Os igapós e seu aproveitamento. Cadernos do NAEA, Belém: UFPA, n. 2, 1976.

MOUDON, A. V. Urban morphology as an emerging interdisciplinary field. Urban Morphology, v. 1, p. 3-10, 1997.

NASCIMENTO, F. R. Degradação ambiental e desertificação no Nordeste brasileiro: o contexto da bacia hidrográfica do rio Acaraú –Ceará. Tese (Doutorado). Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal Fluminense, uff/Rio de Janeiro, 2006.

NASCIMENTO, F. R do; CARVALHO, O. Bacias hidrográficas como unidade de planejamento e gestão geoambiental: uma proposta metodológica. Revista Fluminense de Geografia. Niterói. N° 2, p. 61-82, 2003.

NIR, D. Man, a geomorphological agent: an introduction to anthropic geomorphology. Jerusalém, Ketem Pub. House, 1983.

PARÁ. DECRETO nº 1.551 e nº 1.552, de 03 de maio de 1993. Dispõe sobre a Implantação da Área de Proteção Ambiental dos Mananciais de Abastecimento de Água de Belém -APA Belém. Diário Oficial do Estado do Pará, Pará, 03 maio de 1993.

PENTEADO, M. M. Fundamentos de Geomorfologia. 3ª ed. Rio de Janeiro: IBGE, 1980.

PELOGGIA, A. U. G. A cidade, as vertentes e as várzeas: a transformação do relevo pela ação do homem no município de São Paulo. Revista do Departamento de Geografia. São Paulo, n.º 16, p. 24-31, 2005.

_______. A ação do homem enquanto ponto fundamental da geologia do tecnógeno: proposição teórica básica e discussão acerca do caso do município de São Paulo. Revista Brasileira de Geociências.Volume 27, p. 257-268, 1997.

PMB -PREFEITURA MUNICPAL DE BELÉM. Portal da Amazônia: Urbanização da bacia da Estrada Nova e Orla do rio Guamá. Audiência UFPA. PMB/SEURB, 2006.

ROCHA, G. M.; PEREIRA, I. C. N. População e recursos:crescimento populacional e o uso dos recursos hídricos na cidade de Tucuruí/Pa. Disponível em:http://www.abep.nepo.unicamp.br/docs/eventos/transdisciplinar/amb_rocha.pdf. Acesso em: 03 de outubro de 2010.

RODRIGUES, C. Morfologia original e morfologia antropogênica na definição de unidades espaciais de planejamento urbano: exemplo na metrópole paulista. Revista do Departamento de Geografia, nº 17, p. 101-111, 2005.

RODRIGUEZ, J. M. M; SILVA, E. V. Desenvolvimento local sustentável: Projeto de Educação Ambiental integrado em uma Favela. Primeiro Prêmio Petrobrás. Universidade Solidária: Fortaleza –CE, 2001.

ROSS, J. L. S. Análise empírica da fragilidade dos ambientes naturais antropizados.Revista do Departamento de Geografia. São Paulo, FFLCH-USP, n.º 8, p. 63-74, 1994.

______. Oregistro cartográfico dos fatos geomórficos e a questão da taxonomia do relevo. Revista do Departamento de Geografia. São Paulo, FFLCH-USP, n.º 6, p.17-29, 1992.

SANTOS, F. A. Alagamento e inundação urbana: modelo experimental de avaliação de risco.Dissertação (Mestrado em Ciências Ambientais) –Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais, Instituto de Geociências, Universidade Federal do Pará, Museu Paraense Emilio Goeldi e EMBRAPA, Belém, 2010.

SANTOS FILHO, R. D. Antropogeomorfologia Urbana. In: GUERRA, A. J. T (org). Geomorfologia Urbana.Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2011, p. 227-246.

SODRÉ, S. S. V. Hidroquímica dos lagos Bolonha e Água Preta mananciais de Belém-Pará. Dissertação (Mestrado em Ciências Ambientais) –Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais, Instituto de Geociências, Universidade Federal do Pará, Museu Paraense Emílio Goeldi e EMBRAPA, Belém, 2007.

VITTE, A. C.; CISOTTO, M. F.; VILELA FILHO, L. R. A urbanização e a incorporação das várzeas ao espaço urbano de Campinas (SP), Brasil.Revista Geografar. Curitiba, v.5, n.1, p.105-132, jan./jun. 2010.

VITTE, A. C.; SANTOS, J. A. dos. A urbanização e as implicações socioambientais dos conjuntos habitacionais: o caso da cidade de Adamantina (SP).OLAM Ciência & Tecnologia.Rio Claro/SP, Brasil Ano VII vol. 7, nº 2, p. 87-105, dezembro/2007.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/raega.v34i0.37539

Direitos autorais

_____________________________________________

ISSN (IMPRESSO) 1516-4136 até 2008

ISSN (ELETRÔNICO) 2177-2738 a partir de 2009