CARTOGRAFIA GEOGRÁFICA: ENTRE O “JÁ-ESTABELECIDO” E O “NÃO- MAIS-SUFICIENTE”

Gisele Girardi

Resumo


“Cartografia Geográfica” designa o campo da formação superior em Geografia que se dedica à cartografia. Ao se considerar as diversas possibilidades de cartografias e espacialidades que coexistem no contemporâneo, propõe-se entender este campo num “entre” o “já-estabelecido” e o “não mais suficiente”. Ambos os domínios, tomados separadamente, podem ser considerados como despotencializadores da cartografia na Geografia. Contudo, no “entre” os dois domínios pode ser situada a pertinência e a riqueza de se fazer e pensar a cartografia na geografia na atualidade. O propósito deste texto é trazer elementos para dar visibilidade ao “entre” mencionado. Parte-se inicialmente de uma discussão sobre a linguagem e sobre os caminhos da semiótica cartográfica que, ao se inspirar na linguística estrutural voltou-se para dentro do mapa (arranjos de signos), imprimindo um modelo fortemente representacional para a cartografia, aqui identificado como o “já-estabelecido”. A seguir são apresentadas ideias de alguns autores contemporâneos que trazem abordagens pós-representacionais, que ressituam a relação entre a ciência (cartografia) e seu objeto (o mapa), pois, face às modificações contemporâneas de entendimento da espacialidade, o “já-estabelecido” passa a ser “não mais suficiente”. Nas considerações finais são delineadas algumas estratégias para se habitar este “entre” como potência criativa para expansão do campo da Cartografia geográfica.

Palavras-chave


Formação superior em Geografia; linguagem cartográfica; espacialidades.

Texto completo:

ARTIGO AUTORIZAÇÃO

Referências


ANDREWS, John Harwood.What was a map? The lexicographers reply. Cartographica, v. 33, n. 4, p. 1-11, 1996.

BARTHES, Roland. Mitologias. São Paulo: Bertrand Brasil, 1993.

BERTIN, Jacques. Sémiologie graphique: les diagrammes, les réseaux, les cartes.Paris: Mouton & Gauthier-Villars, 1967.BERTIN, Jacques. Theory of communication and theory of the graphic. International Yearbook of Cartography, v. 18, p.118-126, 1978.

BERTIN, Jacques. A neográfica e o tratamento gráfico da informação. Curitiba: Editora da UFPR, 1986.

CORNER, James. The agency of mapping: speculation, critique and invention. In: COSGROVE, Denis (ed.) Mappings. London: Reaktion Books,1999. Cap. 10, p. 213-252.

DEL CASINO JR., Vincent; HANNA, Stephen. Beyond the “binaries”: A methodological intervention for interrogating maps as representational practices. ACME: An International E-Journal for Critical Geographies, v. 4, n.1, p. 34–56, 2006.

FERRAZ, Claudio Benito de Oliveira. Linguagem, ciência e arte –considerações a partir do “Drama Barroco” de Walter Benjamin. Revista RA ́E GA, n. 16, p. 9-22, 2008.

FONSECA, Fernanda Padovesi; OLIVA, Jaime Tadeu. A geografia e suas linguagens: o caso da cartografia. In: CARLOS, Ana Fani Alessandri (Org.). Geografia na sala de aula. São Paulo: Contexto, 1999. p. 62-78

INGOLD, Tim. To journey along a way of life: maps, wayfinding and navigation. In: INGOLD, Tim. The perception of the environment: Essays on livelihood, dwelling and skill. New York: Routledge, 2000. Cap. 13, p. 219-242.

JAMESON, Fredric. Postmodernism or the cultural logic of late capitalism. London: Duke University Press, 1991.

KITCHIN, Rob; PERKINS, Chris; DODGE, Martin. Thinking about maps. In: KITCHIN, Rob; PERKINS, Chris; DODGE, Martin (Orgs.).Rethinking maps.New York: Routledge, 2009. Cap. 1, p. 1-25.

MARTINELLI, Marcello. Curso de cartografia temática. São Paulo: Contexto, 1991.

MASSEY, Doreen. Pelo espaço: uma nova política da espacialidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2008.

OSTROWSKI, Wieslaw. Stages of development of Cartography as a science. Miscellanea Geographica, v.13, p. 267–276, 2008.

PALSKY, Gilles. Map design vs. Semiologie graphique. Reflections on two currents of cartographic theory. In: INTERNATIONAL CARTOGRAPHIC CONFERENCE, 25, 2011, Paris, ICA, 2011, 1-3.

PICKLES, John. A history of spaces. Cartographic reason, mapping and the geo-coded world. London -New York: Routledge, 2004.

ROBINSON, Arthur; PETCHENIK, Barbara Bartz. The nature of maps: essaystoward understanding maps and mapping. Chicago: University of Chicago Press, 1976.

SCHLICHTMANN, HansgeorgCharacteristics traits of the semiotic system ‘map symbolism’. The Cartographic Journal, v. 22, n. 1, p. 23-30, 1985.

______. Codes in map communication. Cartographica, v. 16, n. 1, p. 81-97, 1979.

______. Cartosemiotics: a short dictionary. [S.l.]: International Cartographic Association, 2011.

SILVA, Jorge Xavier da. O espaço organizado: sua percepção por geoprocessamento. Revista Universidade Rural, Série Ciências Exatas e da Terra, v. 21, p. 63-77, 2002.

TURNBULL, David. Maps narratives and trails: performativity, hodology and distributed knowledges in complex adaptive systems –an approach to emergent mapping. Geographical Research, v. 45, n. 2, p. 140-149, 2007.

WOLODTSCHENKO, Alexander. Quo vadis classic cartosemiotics & quo vadis theoretical cartography?Journal for Theoretical Cartography,v. 4; p. 1-18, 2011.

WOOD, Denis; FELS, John. Design on signs/myth and meaning in maps. Cartographica, v. 23, n. 3, p. 54-103, 1986.

WOOD, Denis; KRYGIER, John. Critical cartography In: KITCHIN, Rob; THRIFT, Nigel (Orgs.). International Encyclopedia of Human Geography. Oxford: Elsevier, 2009, v. 1, p. 340-344.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/raega.v30i0.36083

Direitos autorais

_____________________________________________

ISSN (IMPRESSO) 1516-4136 até 2008

ISSN (ELETRÔNICO) 2177-2738 a partir de 2009