Open Journal Systems

A TERRITORIALIZAÇÃO DO SEGMENTO CALÇADISTA EM JAÚ: Arranjo produtivo local, atores e governança

Lucas Labigalini Fuini

Resumo


O presente artigo tem como objetivo identificar os principais elementos constituintes do Arranjo Produtivo Local (APL) especializado na fabricação de calçados femininos de Jaú e região, em um conjunto de municípios localizados na parte central do Estado de São Paulo. Trabalha-se com a hipótese de que a constituição dessa aglomeração produtiva, uma das quatro maiores produtoras do segmento no Estado, está atrelada a uma estrutura de governança própria envolvendo atores e instituições em inter-relação e hierarquizados em termos de poderes econômicos e políticos, mesclando cooperação e conflito. O APL de couro e calçados de Jaú é formado por Jaú, segundo maior produtor individual de calçados do Estado de São Paulo, e mais nove municípios de pequeno porte em seu entorno e que possuem elos da cadeia calçadista em seu território (produção final e/ou fornecimento de insumos da cadeia produtiva). A principal concentração industrial, de infraestrutura e de serviços especializados dessa região se concentra em Jaú, tradição que remete às primeiras oficinas de sapateiros dos anos de 1920 e 1930 do século passado. A constituição de um APL se inicia em fins dos anos 1990 e se aprofunda no início dos 2000, com a inclusão da região e seus municípios produtores de calçados no programa estadual de fortalecimento da competitividade em APLs. A territorialização da indústria calçadista em Jaú remete ao quadro composto pelos atores públicos e privados que participam da governança da política estadual de APLs em nível espacial regional e local e, nesse sentido, se deu a construção de uma rede de poder socioterritorial pautada na constante relação de cooperação e conflito envolvendo atores, normas, instituições e convenções articuladas envoltas em planos e programas de ação.


Palavras-chave


Territorialização, Arranjos Produtivos Locais, Atores, Governança, Indústria calçadista, Jaú

Texto completo:

ARTIGO AUTORIZAÇÃO

Referências


AMATO N.J. Gestão de sistemas locais de produção e inovação: Clusters/APLs. São Paulo: Atlas, 2009.

BAGNASCO, A. Desenvolvimento regional, sociedade local e economia difusa.Em COCCO, G.; URANI, A.; GALVÃO, A.P. Empresários e empregos nos novos territórios produtivos: O caso da Terceira Itália. Rio de Janeiro: DP&A/Sebrae, 2ª. Edição.2002.

BECATTINI, G. Os distritos industriais na Itália. Em COCCO, G.; URANI, A.; GALVÃO, A.P.Empresários e empregos nos novos territórios produtivos: O caso da Terceira Itália. Rio de Janeiro: DP&A/Sebrae, 2ª. Edição.2002.

BENKO, G. Economia, Espaço e Globalização: Na aurora do século XXI. São Paulo: Hucitec, 1996.

BENKO, G. Desenvolvimento sustentável e distritos industriais. Ra'ega, Curitiba-PR, UFPR, v. 5, n. 7, p. 7-25, 2001.

BENKO, G.; PECQUEUR, B. Os recursos de territórios e os territórios de recursos. Geosul, Florianópolis, v. 16, n. 32, p. 31-50, jul/dez 2001.

BENKO, G. A recomposição dos espaços. Interações -Revista Internacional de Desenvolvimento Local, Campo Grande/MS, UCDB, v.1, n.2, p. 7-12, mar. 2001.

CACCIA, G. Modelos empresariais e figuras do trabalho no nordeste da Itália. In COCCO, G.; URANI, A.; GALVÃO, A.P. Empresários e empregos nos novos territórios produtivos: O caso da Terceira Itália. Rio de Janeiro: DP&A/Sebrae, 2ª. Edição.2002.

CANO, W.Desconcentração produtiva regional do Brasil 1970-2005.São Paulo: Unesp, 3ª. ed. 2008.

COLLETIS, G.;GILLY, J.P.;LEROUX, I.;PECQUEUR, B.;PERRAT, J.;RYCHEN, F.;ZIMMERMANN, J.B. Construction territoriale et Dynamiques productives. Revue Sciences de la Societé, n. 48, Outubro de 1999.

CASSIOLATO, J.E.; LASTRES, H.M.M. O foco em Arranjos produtivos e inovativos locais de micro e pequenas empresas. In: LASTRES,H.M.M.; CASSIOLATO, J.E.; MACIEL, M.L. (orgs), Pequena empresa:cooperação e desenvolvimento local, Rio de Janeiro, Relume Dumará, 2003.

DALLABRIDA, V.R.; BECKER, D.F. Governança Territorial: Um primeiro passo na construção de uma proposta teórico-metodológica.Desenvolvimento em Questão, Unijuí, ano 1, n. 2, p. 73-98 jul./dez./2003.

FUINI, L.L. Manifestações da governança territorial no Brasil:Uma análise do Circuito das águas paulista e do Circuito das malhas do Sul de Minas Gerais. Tese (Doutorado em Geografia), Rio Claro, Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, 191 f.2010.

FUINI, L.L.A Relação entre Competitividade e Território no Circuito das Malhas do Sul de Minas. Dissertação (Mestrado), Programa de Pós-graduação em Geografia, IGCE-UNESP, Rio Claro, 189 p.2007.

FUINI,L.L.Os arranjos produtivos locais (APLs): Uma breve explanaçãosobre o tema. Geotextos,Salvador, UFBA,v. 9, p. 57-83, 2013.

FUINI,L.L.Compreendendo a governança territorial e suas possibilidades: Arranjos Produtivos Locais (APL) e circuitos turísticos.Interações -Revista Internacional de Desenvolvimento Local, Campo Grande-MS, UCDB, v. 13, p. 93-104, 2012.

FUINI,L.L. Desenvolvimento e Arranjos produtivos locais (APLs): Concepções e interrelações. Geografia, Londrina, UEL, v. 20, p. 151, 2-164, 2011.

FUINI,L.L. Uma breve análise da temática da governança territorial: Caracterizando uma forma contemporânea de produção do espaço. Geografia e pesquisa, Ourinhos-SP, UNESP. Ourinhos, v. 3, p. 119-136, 2010.

FUINI,L.L. A nova dimensão da competitividade: territorialização e arranjos produtivos locais (APL). Caminhos da Geografia, Uberlândia, UFU, v. 9, p. 148-157, 2008.

GURISATTI, P. O nordeste italiano: Nascimento de um novo modelo de organização industrial. Em COCCO, G.; URANI, A.; GALVÃO, A. P., Empresários e empregos nos novos territórios produtivos: O caso da Terceira Itália. Rio de Janeiro: DP&A/Sebrae, 2ª. Edição. 2002.

INFORMATIVO OFICIAL DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DE CALÇADOS DE JAÚ. Unidos em defesa dos direitos dos calçadistas. Sindicato dos Trabalhadores da Indústria de Calçados de Jaú, março de 2011.

LENCIONI, S. Mudanças na metrópole de São Paulo e as transformações industriais. In: SPOSITO, E.S. (org.). Dinâmica econômica, poder e novas territorialidades. Presidente Prudente: UNESP/FCT: GASPER, p.115-136, 1999.

MANZAGOL, C. Lógica do espaço industrial. São Paulo: Difel, 1985. NEGRI, A. O empresário italiano. In: COCCO, G.; URANI, A.; GALVÃO, A.P.Empresários e empregos nos novos territórios produtivos: O caso da Terceira Itália.Rio de Janeiro: DP&A/Sebrae, 2ª. Edição. 2002.

PIRES, E.L.S. Mutações econômicas e dinâmicas territoriais locais: Delineamento preliminar dos aspectos conceituais e morfológicos. In: SPÓSITO, E.S.; SPÓSITO, M.E.B.; SOBARZO, O. (org.), Cidades Médias: Produção do Espaço Urbano e Regional. SP: Expressão Popular, 2006.

PIRES,E.L.S.;NEDER,R.T.A.Governança Territorial no Brasil: as Instituições, os Fatos e os Mitos. Geografia e Pesquisa,Ourinhos-SP, Unesp,v. 2, p. 83-103, 2008.

PIRES,E.L.S.As lógicas territoriais do desenvolvimento: diversidades e regulação. Interações-Revista Internacional de Desenvolvimento Local, Campo Grande-MS, UCDB, v. 8, p. 155-163, 2007.

PIRES,E.L.S.; MÜLLER, G.;VERDI,A.R.Instituições, territórios e desenvolvimento local: delineamento preliminar dos aspectos teóricos e morfológicos. Geografia, Rio Claro-SP,Unesp,v. 31, n.3, p. 437-454, 2006.

PIRES, E.L.S.; FUINI, L.L.; MANCINI, R.F.; PICCOLI NETO, D. Governança territorial:Conceito, fatos e modalidades. Rio Claro: Unesp-IGCE-Programa de pós-graduação em Geografia, 2011.

PLANO DE DESENVOLVIMENTO PRELIMINAR DO APL. Arranjo produtivo local de calçados de Jaú-SP. Jaú, 2007.

PORTER, M. Competição: Estratégias competitivas essenciais. Rio de Janeiro: Campus-Elsevier, 1999.

SAMPAIO, A.B.F. Desenvolvimento econômico e a Formação deDistritos industriais: O caso da Terceira Itália. FACEF Pesquisa, Franca-SP, Centro Universitário de Franca/Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento Regional, v. 5, n. 3, p. 7-14, 2002.

SANTOS, F.; CROCCO, M.; LEMOS,M.B. Arranjos e sistemas produtivos locais em espaços industriais periféricos:Estudo comparativo de dois casos brasileiros.Revista de Economia Contemporânea, Rio de Janeiro, v.6, n.2, p. 147-180, jul.-dez. 2002.

SANTOS, G.A.G.; DINIZ, E.J.; BARBOSA, E.K. Aglomerações, Arranjos Produtivos Locais e Vantagens Competitivas Locacionais. Revista do BNDES, v.11, n. 22, p. 151-179, 2004.

SANTOS, M. A natureza do espaço: Técnica e tempo, Razão e emoção. São Paulo: Hucitec: 4ª. edição.2009.

SANTOS, M.; SILVEIRA, M.L. O Brasil: Território e Sociedade no início do século XXI. Rio de Janeiro-São Paulo: Record, 13ª. edição. 2010.

SENGENBERGER, W.; PIKE, F. Distritos industriais e recuperação econômica local: Questões de pesquisa e de política. In: COCCO, G.; URANI, A.; GALVÃO, A.P., Empresários e empregos nos novos territórios produtivos: O caso da Terceira Itália. Rio de Janeiro: DP&A/Sebrae, 2ª. Edição, p. 101-146.2002.

SILVA, A.L.G. (coord.). Caracterização, análise e sugestões para adensamento das políticas de Apoio a APLs implementadas: Ocaso do Estado de São Paulo. Relatório de pesquisa do projeto “Análise do Mapeamento e das Políticas para Arranjos Produtivos Locais no Sul, Sudeste e Centro-Oeste do Brasil”. Campinas: Redesist, s/d.

STORPER, M.; HARRISON, B.Flexibilidade, Hierarquia e Desenvolvimento Regional:As mudanças de estrutura dos Sistemas Produtivos Industriais e seus novos modos de Governância nos anos 90. Em BENKO, G. e LIPIETZ, A (org.), As Regiões Ganhadoras. Distritos e Redes: Os novos paradigmas da Geografia Econômica. Oeiras: Celta Editora, p. 171-188, 1994.

TEIXEIRA, T.R.A. Por uma análise entre o território e a competitividade. Caminhos da Geografia, Uberlândia-MG, Instituto de Geografia, v. 14, n. 46, p. 71-85, Jun. 2013.

TEIXEIRA, J.H. Setor calçadista comemora redução do ICMS confirmada por Alckmin.Jornal Gente, Caderno Economia, p. 05, Jaú, 24/04/2012.

VERDI,A.R.;PIRES,E.L.S.As dinâmicas territoriais locais na globalização: aspectos conceituais e metodológicos.Geosul, Florianópolis, UFSC, v. 23, p. 33-53, 2008.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/raega.v32i0.31263