DA SENSIBILIDADE À REPRESENTAÇÃO DA PAISAGEM: CONSIDERAÇÕES SOBRE A ESTÉTICA DA NATUREZA COMO UM RECURSO PARA A SENSIBILIZAÇÃO AMBIENTAL

Antonio Carlos VITTE

Resumo


O objetivo do artigo é demonstrar como o conceito de espacialidade e paisagem se desenvolvem a partir da noção de sensibilidade e de representação. A hipótese do artigo é que o conceito de representação é fundamental para o surgimento da geografia científica, estruturada nos conceitos de espacialidade e paisagem. Ao mesmo tempo, esses conceitos são ontológicos e a geografia é uma discussão ontológica sobre a transformação da Terra em Mundo. No final, apresentamos um exemplo prático dessa discussão, a partir da noção de experiência estética conforme conceitua F. Schiller, como importantes no processo de sensibilização e construção da consciência ambiental. Foram utilizados dois estudos de caso, o primeiro demonstrou que a luta pela propriedade da terra fracassou justamente por falta de um elemento filosófico aglutinador e que possibilitaria desenvolver a consciência social do grupo. O outro, ao utilizar a educação geográfica e sentido estético da natureza e da paisagem.

Palavras-chave


geografia; representação; espacialidade; mundaneidade; experiência estética; sensibilização ambiental

Texto completo:

PDF

Referências


BECk, H. Carl Ritter. Genius of geography: on life ad work. Bonn: Bad Goderberg, 1979.

BENJAMIN, W. Passagens. MG/SP: editor da UFMG e Imprensa Oficial do Estado, 2007.

CORGHI, Fernanda N. Urbanização e segregação sócio-espacial em Bauru (SP): um estudo de caso sobre a bacia hidrográfica do Córrego Água Comprida. Dissertação (Mestrado em Geografia) - IG-Unicamp,Campinas, 2008.

DRIVER, F. Geography militant: cultures of exploration and empire. London: Blackwell Publishers, 2006.

GREGORy, D. Geographical Imaginations. Ny: Blackwell, 1994.

HABERMAS, J. O discurso filosófico da modernidade. Lisboa: Dom Quixote, 1990.

HEIDEGGER, M. Being and Time. Ny: Harper e Row, 1927 (1967).

HUSSERL, E. The Paris Lecture. The Hauge: Martinus Nijhoff, 1931.

JANAWAy, C (Ed.) The Cambridge Companion to Schopenhauer. Cambridge: Cambridge University Press, 1999.

kANT, I .Crítica do Juízo. Tradução de: ROHDEN,Valério; MARQUES, Antonio. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2002.

______. Obras Incompletas. São Paulo: Abril Cultural, 1974. (Os Pensadores).

______. Duas introduções à Crítica do Juízo. São Paulo: Iluminuras, 1995.

LENOIR, T. Generational factors in the origin of “Romantische Naturphilosophie”. Journal of the History of Biology. v. 11, n. 1, p. 50-100, 1978.

MERLEAU-PONTy, M. O olho e o espírito. São Paulo: Cosac & Naify, 2004.

RIBAS, A. D.; VITTE, A. C. O curso de geografia física de Immanuel kant (1724-1804): entre a cosmologia e a estética. Barcelona: Biblio 3W, vol. XIV, 2009, p. 3-15.

RICOTTA, L. Natureza, ciência e arte em Alexander von Humboldt. Rio de Janeiro: Mauad, 2003.

RISkIN, Jessica. Science in the Age of Sensibility. The sentimental empiricists of the french enlightenment. Chicago: Chicago University Press, 2002.

SANTOS, José Ap. dos. Cidade e Natureza: relações entre a produção do espaço urbano, a degradação ambiental e os movimentos sociais em Bauru(SP). Tese (Doutorado em Geografia) - IG-Unicamp, Campinas, 2008.

SCHILLER, Friedrich. A Educação Estética do Homem. São Paulo: Iluminuras, 2003.

SCHELLING, F. W. Ausgewählte Werke. Schriften von 1794-1798. Darmstadt: Wissenschaftliche Buchgesellschaft, 1980.

______. Ausgewählte Werke. Schriften von 1799-1801. Darmstadt: Wissenschaftliche Buchgesellschaft, 1982.

SCHOPENHAUER, A. O mundo como vontade e representação. São Paulo: Editora da Unesp, 2005.

VITTE, A. C.; SILVEIRA, R. W. D.; SPRINGER, K. S. Considerações sobre os fundamentos artísticos e filosóficos que influenciaram a ciência humboldtiana. In: ANPEGE, 2009,Anais... CD-ROM. v. 1. p. 1-14.

WALTER, E.W. The place of experience. In The Philosophical Forum, 12 (2), winter, 1980-81, p.159-181.Websites consultados Verbete. Acesso em: 25/10/2009, por Antonio Carlos Vitte




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/raega.v20i0.20601

Direitos autorais

_____________________________________________

ISSN (IMPRESSO) 1516-4136 até 2008

ISSN (ELETRÔNICO) 2177-2738 a partir de 2009