A paisagem de Vila Velha e seu significado para a Teoria dos Refúgios e a evolução do domínio morfoclimático dos Planaltos das Araucárias

Pedro HAUCK, Everton PASSOS

Resumo


Este trabalho visa reconstruir a paisagem durante o Pleistoceno Terminal da área do Parque Estadual de Vila Velha, uma das mais importantes unidades de conservação do Paraná, que preserva atualmente um mostruário de ecossistemas típicos dos planaltos meridionais, seja de campos, quanto de florestas subtropicais, assim como também diversos indivíduos tidos como que pertencem genéticamente ao domínio dos cerrados. Muito mais do que diagnosticar e classificar o tipo de paisagem existente no presente e no passado na região de Vila Velha, esta pesquisa se esforça em contribuir com os conhecimentos sobre a evolução do Domínio Morfoclimático dos Planaltos das Araucárias, analisado dados paleopalinógicos e propondo hipóteses sobre as origens das paisagens dos planaltos do Sul do Brasil.

 


Palavras-chave


Evolução da paisagem; Teoria dos Refúgios Florestais; Vila Velha; Domínio dos Planaltos das Araucárias

Texto completo:

PDF

Referências


AB’SÁBER, A. N. Problemas Paleogeográficos do Brasil Sudeste. Boletim Geográfico, São Paulo, v. 12. 1959/1955. p. 394-405.

AB’SÁBER, A. N. Revisão dos conhecimentos sobre o horizonte subsuperficial de cascalhos inhumados do Brasil oriental. Noticia Geomorfológica, Campinas, a. VI, n. 11, p. 59-80, jun. 1966.

AB’SÁBER, A. N. A organização natural das paisagens inter e subtropicais brasileiras. In: SIMPÓSIO SOBRE O CERRADO. Edgard Blücher: Editora Alumbramento. n. 3. São Paulo. 1971. p. 1-14.

AB’SÁBER, A. N. Espaços ocupados pela expansão dos climas secos na América do Sul, por ocasião dos períodos glaciais quaternários. Paleoclimas, v. 3, São Paulo, 1977a.

AB’SÁBER, A. N. Topografias ruiniformes no Brasil: Notas prévias. Gemorfologia, n. 50. São Paulo: IG-USP. 1977b.

AB’SÁBER, A. N. Razões da retomada parcial de semi-aridês Holocênica, por ocasião do “Otimum Climaticum”. InterFácies, São José do Rio Preto: IBILCE, n. 8, 1980.

AB’SÁBER, A. N. Reinhard Maack (1892-1969) e as Geociências do Paraná. In: MAACK, R; Geografia Física do Paraná. 2. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1981a.

AB’SÁBER, A. N. Domínios morfoclimáticos atuais e quaternários na região dos cerrados. Craton & Intracation:Escritos e Documentos. n. 14. UNESP-IBILCE. São José do Rio Preto: UNESP-IBILCE. 1981b.

AB’SÁBER, A. N. A teoria dos refúgios: Origem e significado. Revista do Instituto Florestal, Edição especial, São Paulo, março de 1992.

AB’SÁBER, A. N. Os domínios de natureza do Brasil:potencialidades paisagísticas. São Paulo: Ateliê Editorial, 2003. 159p.

BEHLING, H. Late Quaternary vegetation and fire history from the tropical mountain region of Morro do Itapeva, SE, Brazil. Paleogeography, Palaeoclimatology, Palaeoecology, n. 129. p. 407-422, 1997a.

BEHLING, H. Late Quaternary vegetation, climate and fire history of the Araucaria forest and campos region from Serra Campos Gerais, Paraná State (South Brazil). Review of Palaeobotany and Palinology, n. 97, p. 109-121, 1997b.

BEHLING, H. Late Quaternary vegetational and climatic changes in Brazil. Review of Palaeobotany and Palinology, n. 99, p. 143-156, 1998.

BEHLING, H. South and southeast Brazilian grassland during Late Quaternary times: a sythesis. Palaeogeography, Palaeclimatology, Palaeoecology, n. 177, p. 19-27, 2002.

BEHLING, H; LICHTE, M. Evidence of dry and cold Climatic Conditons at Glacial Times in Tropical Southeastern Brazil. Quaternary Research, n. 48, p. 248-358,1997.

BEHLING, H. Arakarienwälder Südbrasiliens im Spätquartär. Natur und Museum, Frankfurt, v. 5, n. 130, p. 155-161, 2000.

BEHLING, H; PILLAR, V. D. P; Late Quaternary vegetation, biodiversity and fire dinamics on the southern Brazilian highland and their implication for conservation and management of modern Araucaria forest and grassland ecosystems. Philosophical transactions of the royal society, n. 362, p. 243-251, 2007.

BEHLING, H; PILLAR, V. D; ORLÓCI, L; BAUERMANN, S. G; Late Quaternary Araucaria Forest, grassland (Campos), fire and climate dynamics, studied by high resolution pollen, charcoal and multivariate analyses of the Cambará do Sul core in southern Brazil. Palaeogeography, Palaeclimatology, Palaeoecology,n.203, p. 277-297, 2004.

BEHLING, H; DUPONT, L; SAFFORD, H. D; WEFER, G; Late Quaternary vegetarion and climate dynamics in the Serra da Bocaina, southeastern Brazil. Quaternary Internacional, n. 161, p. 22-31, 2007.

BIGARELLA, J. J. Variações climáticas no quaternário e suas implicações no revestimento florístico do Paraná. Boletim Paranaense de Geografia, Curitiba: UFPR, v.10, n. 5, 1964.

BIGARELLA, J. J. Variações climáticas no quaternário superior do Brasil e sua datação radiométrica pelo método do carbono 14. Paleoclimas, São Paulo: IG-USP, n. 1, 1971.

BIGARELLA, J. J.; ANDRADE LIMA; RIEHS, P. J.; Considerações a respeito das mudanças paleoambientais na distribuição de algumas espécies vegetais e animais no Brasil. Separatas dos Anais da Academia Brasileira de Ciências, v. 47. Curitiba- Porto Alegre, 1975. p. 411-464.

BIGARELLA. J. J.; PASSOS, E.; HERRMANN, M. L. P.; SANTOS, G. F.; MENDONÇA, M.; SALAMUNI, E.; SUGUIO, K. Estrutura e origem das paisagens tropicais e subtropicais.v. 3. Florianópolis: Editora da UFSC, 2003. 552p.

BUSH, M. B.; OLIVEIRA, P. E. The rise and fall of the Refugial Hypothesis of Amazonian speciation: a paleoecological perspective. Biota Neotrop. Campinas,v. 6, n. 1, 2006. Disponível em: . Accesso em: 26/9/2009.

ERHART, H. A Teoria Bio-resistásica e os problemas biogeográficos e paleobiológicos. Noticia Geomorfológica, Campinas, n. 11, p. 51-58, jun. 1966.

HAFFER, J.; PRANCE, G. T. Impulsos climáticos da evolução na Amazônia durante o Cenozóico: sobre a teoria dos Refúgios da diferenciação biótica. Estudos Avançados, v.16, n.46, p.175-206, set./dez. 2002.

HAUCK, P; Cerrados, campos e Araucarias: A teoria dos Refúgios Florestais e o significado paleogeográfico da paisagem do Parque Estadual de Vila Velha, Ponta Grossa – Paraná. 160 f. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal do Paraná. Curitiba, 2009.

MAACK, R. Geografia Física do Estado do Paraná. 2. ed. Rio de Janeiro: Joaquim Olympio, 1981.

MAACK, R. Notas preliminares sobre clima, solos e vegetação do Estado do Paraná. Arquivos de Biologia e Tecnologia,Curitiba, v. 2, p.102-200, 1948.

MELO, M. S.; BOSETTI, E. P.; GODOY, L. C.; PILATTI, F; Vila Velha, PR: impressionante relevo ruiniforme. In: SCHOBBENHAUS, C.; CAMPOS, D. A.; QUEIROZ, E. T.; WINGE, M.; BERBERT-BORN, M. (Eds.). Sítios geológicos e paleontológicos do Brasil. Brasília: DNPM-CPRMSIGEP, 2002. p. 269-277.

PEREIRA, M. A. M.; IEGELSKI, F. O paraíso terrestre no Brasil: Os campos gerais do Paraná no relato de August Saint Hilaire. Revista de História Regional. Ponta Grossa, p. 47-72, 2002. Disponível em: . Acesso em: 04/01/2009.

RITTER, L. M. O. Composição florística e aspectos físicos do cerrado nos Campos Gerais, Paraná. Dissertação (Mestrado) – Universidade Estadual de Ponta Grossa – UEPG, Ponta Grossa, 2008.

RODERJAN, C. V.; GALVÃO, F.; KUNIYOSHI, Y. S.; HATSCHBACH, G. G. As unidades fitogeográficas do estado do Paraná.Ciência&Ambiente, Santa Maria: Universidade Federal de Santa Maria, n. 24, p. 75-92, 2002.

SOARES, R. V.; Considerações sobre a regeneração natural da Araucaria angustifólia. Revista Floresta, Curitiba, v. 10, n. 2. 1972.

VANZOLINI, P. E. Paleoclimas e especiação em animais da América do Sul Tropical. Estudos Avançados, São Paulo, v. 6, n. 15. 1992.

VIADANA, A. G. A teoria dos refúgios florestais aplicada ao estado de São Paulo. 166 p. Tese (Livre Docência) - Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Unesp, Rio Claro, 2000.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/raega.v19i0.15983

Direitos autorais

_____________________________________________

ISSN (IMPRESSO) 1516-4136 até 2008

ISSN (ELETRÔNICO) 2177-2738 a partir de 2009