Open Journal Systems

VELHOS E NOVOS INGREDIENTES DA QUESTÃO ALIMENTAR NO BRASIL

José Giacomo Baccarin

Resumo


Analisam-se condicionantes da melhoria da distribuição da renda e dos índices nutricionais no Brasil. Ao mesmo tempo, apontam-se problemas ainda existentes na produção e no consumo de produtos agropecuários e alimentos. Com participação do crédito, preço mínimo e pesquisa, a produtividade e a produção agropecuária cresceram, aumentando sua disponibilidade per capita. Os preços agropecuários se reduziram, contribuindo, juntamente com acontecimentos na indústria alimentícia e no varejo para que os alimentos ficassem 34% mais baratos entre 1994 e 2006. A competitividade do sistema agropecuário brasileiro fica patente no aumento de sua participação nas exportações mundiais. Contudo, ao mesmo tempo, cresceu o endividamento dos agricultores. O sucesso produtivo não se repetiu em termos sociais, com redução na ocupação agropecuária e manutenção de alta concentração da posse da terra, em detrimento da agricultura familiar. Os indicadores de distribuição de renda da população brasileira melhoraram a partir de 1990, com base no controle da inflação, na ampliação dos programas de transferência de renda e no aumento, de 2003 em diante, do emprego formal e salário mínimo. Caíram o número de famílias em extrema pobreza e os índices de desnutrição de crianças e adultos. Entretanto, a concentração de renda no Brasil continua muito alta e permanecem diferenças importantes, com indicadores de pobreza e desnutrição sendo mais altos na zona rural, no norte e nordeste e entre pretos e pardos. Por outro lado, vem crescendo os índices de sobre peso e obesidade, mesmo entre os mais pobres.

Palavras-chave


questão alimentar; produção de alimentos; consumo de alimentos; distribuição de renda; desnutrição

Texto completo:

PDF

Referências


BACHA, C. J. C. Economia e política agrícola no Brasil. São Paulo: Atlas, 2004. 226 p.

BALSADI, O. V. O mercado de trabalho assalariado na agricultura brasileira no período 1992-2004 e suas diferenciações regionais. 2006. 279 f. Tese (Doutorado em Economia Aplicada). Instituto de Economia, UNICAMP, Campinas, 2006.

BCB (Banco Central do Brasil). Anuário estatístico de crédito rural 2004. Brasília: BCB, 2006. v. 1. 632 p.

BCB. Anuário estatístico de crédito rural 2005. Disponível em . Acesso em: abril de 2007.

BITTENCOURT, G. A.; MENEZES, S. As políticas para a agricultura familiar. In: TAKAGI, M.; GRAZIANO DA SILVA, J.; & BELIK, W. (Orgs.) Combate à fome e à pobreza rural. São Paulo: Instituto de Cidadania, 2002. p. 219-230.

CONAB (Companhia Nacional de Abastecimento). Indicadores do agronegócio. Disponível em: . Acesso em: abril e maio de 2007.

DIAS, G. L. da S. & AMARAL, C. M. Mudanças estruturais na agricultura brasileira, 1980-1998. In: BAUMANN, R. (ORG.) Brasil: uma década em transição. Rio de Janeiro: Campus, 1999. p. 223-253.

EMBRAPA. Balanço social 2005. Brasília: Embrapa. 2006. 29 p.

FARINA, E. M. M. Q. & NUNES, R. A evolução do sistema agroalimentar e a redução de preços para o consumidor: o efeito de atuação dos grandes compradores. São Paulo: PENSA, Estudo temático, n. 2/2002. 31 p.

FAO. El estado de la inseguridad alimentaria em el mundo. Roma: FAO, 2006. 105 p.

GASQUES, J. G. et al. Desempenho e crescimento do agronegócio no Brasil. Brasília: IPEA, 2004. 39 p. (Texto para Discussão, n. 1009).

GASQUES, J. G. et al. Condicionantes da produtividade da agropecuária brasileira. Brasília: IPEA, 2004b. 29 p. (Texto para Discussão n. 1017).

GASQUES, J. G.; VILLA VERDE, C. M.; BASTOS, E. T. Gastos públicos em agricultura: retrospectiva e prioridades. Brasília: IPEA, 2006. 36 p. (Texto para Discussão, n. 1225).

HELFAND, S. M.; REZENDE G. C. de. A agricultura brasileira nos anos 90: o impacto das reformas de políticas. In: GASQUES, J. G. & CONCEIÇÃO, J. C. P. R. da. Transformações da agricultura e políticas públicas. Brasília: IPEA, 2001. p. 247-302.

HOFFMANN, R. Elasticidades-Renda das despesas e do consumo de alimentos no Brasil em 2002-2003. In: SILVEIRA, F. G. et al (Orgs). Gasto e consumo das famílias brasileiras contemporâneas. Brasília: IPEA, 2007. P 463-483. (Volume 2).

IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Pesquisa nacional por amostra de domicílios 2004 – segurança alimentar. Brasília: IBGE, 2006. 140 p.

IBGE. Pesquisa pecuária municipal. Disponível em . Acesso em: fevereiro de 2007.

IBGE. Pesquisa nacional por amostra de domicílios 2006. Brasília: IBGE, volume 27, 2007b. 123 p.

IBGE. Pesquisa de orçamentos familiares 2002-03. Brasília: IBGE, 2007c. 251 p.

IPEA (Instituto de Pesquisa em Economia Aplicada). Relatório nacional de acompanhamento dos objetivos de desenvolvimento do milênio. Brasília, agosto de 2007.

IPEA (Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas). Ipeadata. Disponível em . Acesso em: maio de 2007b.

LEITE, S. Padrão de financiamento, setor público e agricultura no Brasil. In: LEITE, S. (Org.). Políticas públicas no Brasil. Porto Alegre: Editora da Universidade, 2001. p. 53-94.

MAPA. Plano agrícola e pecuário 2004/05, 2005/06 e 2006/07. Disponível em . Acesso em: abril de 2007.

MAPA. Comercialização agropecuária. Disponível em . Acesso em: junho de 2007b.

MAPA. Políticas agrícolas – comercialização agrícola – resumo de apoio à comercialização. Disponível em http://www.agricultura.gov.br. Acesso em setembro de 2007c.

MAPA. Propostas para o aperfeiçoamento da política agrícola.Brasília: MAPA, 2007d. 48p.

MAPA. Projeções agronegócio mundial e brasil 2006/07 a 2016/17. Disponível em . Acesso em: maio de 2007e.

MAPA. Indicadores do agronegócio. Disponível em . Acesso em: maio de 2007f.

MDA. Relatório de gestão 2003-2006. Disponível em http://www.mda.gov.br. Acesso em: abril 2007.

NERI, M. Miséria, desigualdade e políticas de renda: o real do Lula. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 2007.

OCDE. Agricultural policies inOECD countries – monitoring and evaluation. Paris: OECDPublishing, 2005. 313 p.

ONU. Objectivos de desarollo de milênio – informe de 2005. Disponível em . Acesso em: janeiro de 2007.

PINAZZA, L. A.; ALIMANDRO & WEDEKIN, I. (Orgs.). Agenda para a competitividade do agribusiness brasileiro. Rio de Janeiro: FGV; São Paulo: ABAG, 2001. 288 p.

PRATES, D. M. A inserção externa da economia brasileira no governo Lula. In: CARNEIRO, R. (Org.) A supremacia dos mercados e a política econômica do governo Lula. São Paulo: Editora UNESP, 2006. p. 133-171.

REZENDE, G. C. de. Estado, macroeconomia e agricultura no Brasil. Porto Alegre: Editora da UFRGS/IPEA, 2003. 246 p.

SCHLINDWEIN, M. M.; KASSOUF, A. L. Mudanças no padrão de consumo de alimentos tempo-intensivos e de alimentos poupadores de tempo, por região do Brasil. In: SILVEIRA, F. G. et al (Orgs). Gasto e consumo das famílias brasileiras contemporâneas. Brasília: IPEA, 2007. p. 423-462. (Volume 2).

SOARES, S. et al. Programas de transferência condicionada de renda no Brasil, Chile e México: impactos sobre a desigualdade. Brasília: IPEA, 2007. 27 p. (Texto para Discussão n. 1293).

SZMRECSÁNYI, T. Pequena história da agricultura no Brasil.São Paulo: Contexto, 1990. 102 p.

VILLA VERDE, C. M. Modificações recentes na política de garantia de preços mínimos. In: GASQUES, J. G.; CONCEIÇÃO, J. C. P. R. da (Orgs.) Transformações na agricultura e políticas públicas. Brasília: IPEA, 2001. p 315-336.

WEDEKIN, I. A política agrícola brasileira em perspectiva. Revista de política agrícola, Brasília, p 17-32, out. 2005 (Edição Especial).




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/raega.v15i0.14246