Notas sobre a dicotomia “inato” versus “aprendido”

Marcus Bentes de Carvalho Neto, Emmanuel Zagury Tourinho

Resumo


A literatura enfocando o debate “inato” versus “aprendido” na determinação do fenômeno comportamental apresenta-se muitas vezes paradoxal: ao mesmo tempo que aponta para a interação inequívoca de fatores “biológicos” e “ambientais” (indissociáveis), sugere que estas diferentes instâncias atuariam de forma independente na constituição e determinação das ações dos organismos. O presente trabalho é uma tentativa de esclarecimento conceitual acerca da validade, ou não, da dicotomia a partir do tratamento dispensado ao tema por B. F. Skinner e por K. Lorenz. Sugerem-se três diferentes díades (“genes” & “ambiente”; “filogênese” & “ontogênese’; “comportamento inato” & “comportamento aprendido”), onde a dicotomia poderia ser adequada ou não.

Palavras-chave: Inato versus aprendido; behaviorismo radical; etologia clássica; ambientalismo versus inatismo.


Palavras-chave


Inato versus aprendido; behaviorismo radical; etologia clássica; ambientalismo versus inatismo

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/psi.v5i1.3320

Direitos autorais