Auto-regras como variáveis facilitadoras na emissão de comportamentos autocontrolados: o exemplo do comportamento alimentar

Adriana Alcântara dos Reis, Eveny da Rocha Teixeira, Carla Cristina Paiva Paracampo

Resumo


O presente trabalho se propõe a discutir e analisar o papel facilitador das auto-regras na emissão de desempenhos autocontrolados. Auto-regras podem tornar o desempenho insensível às contingências às quais o indivíduo está exposto e facilitar o desempenho do indivíduo em situações semelhantes àquela na qual já havia sido formulada uma auto-regra anteriormente. A partir do conhecimento das variáveis das quais seu comportamento é função, o indivíduo pode manipular as contingências relacionadas ao próprio comportamento alterando a probabilidade de sua emissão futura. A noção de autocontrole pode enfatizar dois aspectos: 1) o conflito entre as conseqüências positivas e negativas de uma resposta; e 2) a lacuna temporal entre a resposta e sua conseqüência e a magnitude dos reforçadores/aversivos tanto a curto como a longo prazo. Uma vez que uma resposta autocontrolada foi emitida com sucesso, uma situação semelhante no futuro pode evocar a descrição da contingência passada, favorecendo a generalização do autocontrole. Foram utilizados exemplos relacionados ao comportamento alimentar para ilustrar possibilidades de intervenção clínica baseadas nas propostas de autocontrole formuladas por Skinner e por Rachlin. A terapia analítico-comportamental pode dar uma ênfase maior às auto-regras, a despeito de dificuldades teórico-metodológicas para identificar o seu papel em comportamentos de autocontrole.

Palavras-chave: autocontrole; auto-regras; comportamento alimentar.


Palavras-chave


autocontrole; auto-regras; comportamento alimentar; self-control; self-rules; feeding behavior.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/psi.v9i1.3286

Direitos autorais