A escolha dos “ungidos”: nepotismo e carisma a serviço do poder político-religioso pentecostal

Josué de Souza

Resumo


O presente trabalho é um desdobramento da pesquisa de mestrado: Religião, Poder Político e Desenvolvimento: Uma leitura a partir de um movimento pentecostal no Estado de Santa Catarina/Brasil – IEAD vinculado ao Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Regional – PPGDR da Universidade Regional de Blumenau - FURB. Durante a pesquisa buscamos investigar práticas e mecanismos de legitimação sociopolítica pentecostal. A metodologia utilizada foi bibliográfica, documental e social. Foram entrevistados onze lideranças políticas e religiosas vinculados a Convenção das Assembleias de Deus de Santa Catarina e do Sul do Oeste do Paraná (CIADESP) e da Convenção Geral das Assembleias de Deus do Brasil (CGADB). Os resultados apontam que a partir dos anos setenta há no interior do campo religioso pentecostal uma transformação doutrinária que altera o perfil sociológico pentecostal de religião de negação do mundo para religião de afirmação do mundo. Outro fenômeno é estratégias e mecanismos políticos de ocupação de espaço na esfera política. O capital religioso é transformado em capital político. A intersecção destes dois fenômenos é uma das chaves de interpretação do crescente protagonismo político e social dos pentecostais no Brasil.  O recorte pretendido no presente trabalho é demonstrar que no campo religioso pentecostal as relações de parentescos incidem no recrutamento e seleção de elites religiosas e políticas.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/nep.v3i1.52562

Apontamentos

  • Não há apontamentos.