Open Journal Systems

“É brincando que se aprende”: um estudo do acervo das bonecas Karajá do MAE-UFPR

Adriane dos Santos Tavella Ferrari

Resumo


As crianças sempre fascinaram muitos pesquisadores nas mais diversas áreas com seu mundo à parte e suas representações. A Antropologia da criança ”olha“ para esse grupo que até então tinha muita pouca representatividade nos temas de pesquisa antropológica. Este artigo discute, a partir de um balanço da literatura disponível, a relação entre a Antropologia e a construção do papel da criança em algumas sociedades e como a criança passa a ser vista não mais como um simples “imitador”, termo utilizado por Florestan Fernandes, mas como um agente produtor de conhecimento em seu grupo. Outro ponto ressaltado é a construção de uma categoria conceitual dentro da Antropologia onde a criança é vista como agência, termo utilizado por Angela Nunes, na construção do seu espaço lúdico com brincadeiras e brinquedos e sua interação no espaço social de seu grupo. O artigo ainda apresenta parte do acervo de bonecas Karajá do Museu de Arqueologia e Etnologia da UFPR como ilustração de que brincar não é apenas algo lúdico, mas algo que também faz a sociedade e o grupo social no qual está inserido.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/nep.v2i1.45441

Apontamentos

  • Não há apontamentos.