Racismo acadêmico e seus afetos

Mariléa de Almeida

Resumo


Neste artigo, o racismo acadêmico é compreendido como uma tecnologia de poder
cujas práticas de discriminação racial acontecem de forma velada ou explícita em
instituições acadêmicas. Partindo de uma experiência pessoal, o texto pergunta de que modo os circuitos afetivos e as relações de poder sustentam o silêncio e o manejo dos incômodos em torno dessas práticas. O trabalho fundamenta-se teoricamente nas abordagens sobre racismo, afeto e relações de poder, inspiradas nas análises de Achile Mbembe (2014), Beatriz Nascimento (2018), Franz Fanon (2008) e Maria Aparecida da Silva Bento (2014).


Palavras-chave


racismo acadêmico; afeto; relações de poder

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/his.v69i2.80267

Licença Creative Commons Os textos da revista estão licenciados com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional
 
História: Questões & Debates. ISSN: 0100-6932 e e-ISSN: 2447-8261.
Uma publicação do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal do Paraná (PPGHIS-UFPR) - com apoio da da Associação Paranaense de História (APAH)

Universidade Federal do Paraná
Rua General Carneiro, 460, 7º andar
Curitiba – Paraná – Brasil - CEP: 80060-150