Ditadura, Direitos Humanos e Arqueologia

Pedro Paulo Abreu Funari, Andrés Zarankin

Resumo


O artigo começa por apresentar a recente ditadura militar no Brasil (1964-1985), para voltar-se para os conceitos interpretativos latino-americanos de transculturação e antropofagia, para os direitos humanos como justiça e resistência ao poder. A cultura material, objeto da Arqueologia, é essencial para tratar da governamentalidade, em específico durante em contexto de exceção. Apresenta o
contexto histórico que permitiu o desenvolvimento da Arqueologia da Repressão e da Resistência na América Latina e centra nas atividades recentes no Brasil. As escavações no DOPS-MG permitem avaliar o potencial paro o campo no Brasil e conclui-se pela defesa de uma Arqueologia que induza o respeito pela diversidade e pelo convívio.


Palavras-chave


ditadura; direitos humanos; Arqueologia; diversidade.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/his.v69i2.79790

Licença Creative Commons Os textos da revista estão licenciados com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional
 
História: Questões & Debates. ISSN: 0100-6932 e e-ISSN: 2447-8261.
Uma publicação do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal do Paraná (PPGHIS-UFPR) - com apoio da da Associação Paranaense de História (APAH)

Universidade Federal do Paraná
Rua General Carneiro, 460, 7º andar
Curitiba – Paraná – Brasil - CEP: 80060-150