A travessia de São Paulo a nado (1924-1944) e o processo de esportivização aquática paulistana

Daniele Cristina Carqueijeiro de Medeiros, Evelise Amgarten Quitzau, Marcelo Moraes e Silva

Resumo


Nesse artigo analisamos as transformações realizadas na “Travessia de São Paulo à Nado”, maior prova aquática realizada no rio Tietê, desde sua primeira edição, em 1924, até a última, em 1944. O objetivo foi evidenciar, a partir dessa competição, as transformações em curso nas práticas aquáticas realizadas no rio, que deixavam, pouco a pouco, de serem mero divertimento para se afinarem às lógicas do esporte moderno. As fontes utilizadas para o trabalho foram os jornais A Gazeta e Correio Paulistano. Na competição foram ajustadas regras, inseridos árbitros, realocadas as saídas, entre diversos outros aspectos. A combinação desses fatores adequou o evento às demandas do esporte moderno, embora o rio enquanto elemento da natureza proporcionasse incertezas acerca dos recordes e das marcas a serem obtidas.


Palavras-chave


História do Esporte; Natação; Cultura Física.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/his.v68i2.72127

Licença Creative Commons Os textos da revista estão licenciados com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional
 
História: Questões & Debates. ISSN: 0100-6932 e e-ISSN: 2447-8261.
Uma publicação do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal do Paraná (PPGHIS-UFPR) - com apoio da da Associação Paranaense de História (APAH)

Universidade Federal do Paraná
Rua General Carneiro, 460, 7º andar
Curitiba – Paraná – Brasil - CEP: 80060-150