CHATÔ: O REI DO ALGODÃO

Maria Claudia Bonadio

Resumo


O objetivo desse artigo é analisar o papel do empresário Assis Chateaubriand na promoção da moda brasileira durante o início da década de 1950 e como suas ações buscavam associar matéria-prima nacional com a alta-costura francesa, deixando de lado as propostas nacionalistas que costumavam caracterizar sua atuação. Nesse sentido, entre 1951-1952, ele foi responsável pela vinda ao Brasil de três importantes nomes da alta-costura, Marcel Rochas, Jacques Fath e Elsa Schiaparelli. A partir do levantamento de reportagens publicadas em veículos de imprensa dos Diários Associados, a biografia do empresário e textos de sua autoria, intento ainda discutir como seus interesses no campo da moda, possivelmente estariam ligados a propósitos pessoais em relação à produção de algodão de fibra longa (ou algodão do Seridó) que, naquele momento, se concentrava em terras paraibanas, aonde Assis Chateaubriand vinha atuando como Senador e, provavelmente mantinha também investimentos econômicos.


Palavras-chave


alta-costura; algodão do Seridó, Assis Chateaubriand.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/his.v65i2.55382

Licença Creative Commons Os textos da revista estão licenciados com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional
 
História: Questões & Debates. ISSN: 0100-6932 e e-ISSN: 2447-8261.
Uma publicação do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal do Paraná (PPGHIS-UFPR) - com apoio da da Associação Paranaense de História (APAH)

Universidade Federal do Paraná
Rua General Carneiro, 460, 7º andar
Curitiba – Paraná – Brasil - CEP: 80060-150