O FILME AS SUFRAGISTAS E AS TRANSFORMAÇÕES NOS MODOS DE VIDA PELA MILITÂNCIA POLÍTICA: DESLOCAMENTOS SUBJETIVOS, SACRIFÍCIO DO CORPO E AFINIDADES FEMINISTAS

Priscila Piazentini Vieira

Resumo


Esta comunicação discute o filme As Sufragistas, lançado em 2015 e dirigido por Sarah Gavron, a partir dos seguintes temas: o jogo que as sufragistas praticam com os direitos, tendo como principal objetivo aprovar o voto das mulheres na Inglaterra no início do século XX; as transformações subjetivas pelas quais as mulheres passam ao entrarem para a militância sufragista, prestando atenção nas suas relações com os maridos, os patrões e os filhos. O texto também levanta discussões sobre o sacrifício do corpo das mulheres nas fábricas, mas também em uma militância política permeada por uma ética que deve ser explicitada não somente por palavras, mas por ações e pelo emprego do corpo como a expressão da verdade. Também será abordado o destaque que o filme reserva para as afinidades feministas entre as personagens.

Palavras-chave


História Contemporânea; Feminismo; Militância

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/his.v65i2.50698

Licença Creative Commons Os textos da revista estão licenciados com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional
 
História: Questões & Debates. ISSN: 0100-6932 e e-ISSN: 2447-8261.
Uma publicação do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal do Paraná (PPGHIS-UFPR) - com apoio da da Associação Paranaense de História (APAH)

Universidade Federal do Paraná
Rua General Carneiro, 460, 7º andar
Curitiba – Paraná – Brasil - CEP: 80060-150