VIRGEM SENHORA NOSSA MÃE PARADOXAL

Paola Basso Menna Barreto Gomes Zordan

Resumo


Figuras femininas, em especial a Virgem Maria, apresentam aspectos icônicos e mitológicos propícios para se pensar como a mulher é vista, sentida e prospectada. Características da figura são tratadas com a semiologia de Barthes para desenvolver  uma crítica junto as invaginações e o pensamento genital de Gilles Deleuze. Com a mitologia semiológica aborda a popularização de sua imagem de culto na contexto do final do século XIX  a fim de mostrar criações poética e críticas e através de amostras do paradoxo  inerente à imagem. A intenção é  construir outros modos de pensar o feminino para problematizar as diferentes séries de sentido que convergem na figura de Nossa Senhora. As  imagens em evidência neste texto dão origens a produções sincréticas, onde as relações entre signos sacros e sexuais se imiscuem, evidenciando paradoxos de sentido na devoção mariana.

 


Palavras-chave


Virgem Maria, figura, feminino, invaginação

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/his.v65i2.47241

Licença Creative Commons Os textos da revista estão licenciados com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional
 
História: Questões & Debates. ISSN: 0100-6932 e e-ISSN: 2447-8261.
Uma publicação do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal do Paraná (PPGHIS-UFPR) - com apoio da da Associação Paranaense de História (APAH)

Universidade Federal do Paraná
Rua General Carneiro, 460, 7º andar
Curitiba – Paraná – Brasil - CEP: 80060-150