REDEMOCRATIZANDO NA RAÇA: SOBRE MEMÓRIAS, INTELECTUAIS NEGROS E MOVIMENTOS SOCIAIS CONTEMPORÂNEOS (NOTAS DE PESQUISA)

Sandra Martins, Gerson Theodoro (Togo Ioruba), Flávio Gomes

Resumo


Neste artigo, apresentamos uma agenda de pesquisa, sugerindo a articulação de uma história do Brasil contemporâneo com as mobilizações anti-racismo. Avaliamos uma história do tempo presente, considerando as interfaces entre mobilização, memória, intelectuais e organizações do movimento social. Com destaque para uma conexão historiográfica entre os estudos a respeito de ditadura militar, movimento estudantil e redemocratização com a mobilização antirracista das décadas de 60 e 70, com a polifonia de intelectuais negros e suas organizações. Seguindo a base teórica de estudos que conectam memória e história propomos uma abordagem sobre a formação da Sociedade Brasil África (SINBA), do Instituto de Pesquisas das Culturas Negras (IPCN), do Grupo de Trabalho André Rebouças (GTAR) e do Centro de Estudos Brasil-África (CEBA). Um dos objetivos desta pesquisa é organizar tais acervos e entender a composição deles para os antigos militantes e fundadores. Na pesquisa em andamento sobre o GTAR já localizamos a originalidade da sua constituição propondo uma pauta de reflexões na universidade brasileira desde a década de 70.

Palavras-chave


redemocratização; movimento antirracista; movimentos sociais

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/his.v63i2.46707

Licença Creative Commons Os textos da revista estão licenciados com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional
 
História: Questões & Debates. ISSN: 0100-6932 e e-ISSN: 2447-8261.
Uma publicação do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal do Paraná (PPGHIS-UFPR) - com apoio da da Associação Paranaense de História (APAH)

Universidade Federal do Paraná
Rua General Carneiro, 460, 7º andar
Curitiba – Paraná – Brasil - CEP: 80060-150