Uma (outra) pequena história da fotografia: Sylvio da Cunha

Raul Antelo

Resumo


A fotografia mostrou a existência de um inconsciente ótico, assim como descobrimos o inconsciente por intermédio da psicanálise. Permitiu-nos conhecer aspectos materiais dos mundos imagéticos, que lidam com as minúcias, prenhes de significação, embora sequiosas por um lugar recôndito nos sonhos acordados, mas que, ampliadas e exibidas, fazem a diferença entre técnica e magia. Estas ideias, formuladas por Benjamin em seu famoso ensaio de 1931 sobre a fotografia, são compartilhadas por um relativamente desconhecido artista brasileiro, Sylvio da Cunha.

Palavras-chave


inconsciente ótico; fotografia; surrealismo

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/his.v61i2.39006

Licença Creative Commons Os textos da revista estão licenciados com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional
 
História: Questões & Debates. ISSN: 0100-6932 e e-ISSN: 2447-8261.
Uma publicação do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal do Paraná (PPGHIS-UFPR) - com apoio da da Associação Paranaense de História (APAH)

Universidade Federal do Paraná
Rua General Carneiro, 460, 7º andar
Curitiba – Paraná – Brasil - CEP: 80060-150