COMPONENTES SOCIAIS DA MIGRAÇÃO: EXPERIÊNCIAS DA PROVÍNCIA SUL, ZÂMBIA

Lisa Cliggett

Resumo


As suposições comuns atribuem causas econômicas e ambientais às decisões de migração. Este trabalho revela a importância das estruturas do poder local – ao nível da comunidade e da família – para entender a migração. São examinados os processos migratórios na Província Sul da Zâmbia por meio do uso de informações coletadas de dois projetos de pesquisa qualitativa. Até recentemente, quando a seca e as doenças bovinas começaram a devastar a área, a Província Sul era conhecida por suas condições ideais para agropecuária. Até os últimos anos de 1980, os agricultores da Província Sul começaram a migrar para áreas da fronteira norte, onde há terra e chuva em abundância. Contextos locais econômicos e ambientais eram os fatores decisórios na migração das populações; o controle sobre os recursos da zona rural e a habilidade de mobilizar as redes de apoio social nos vilarejos também demonstraram influenciar as decisões para deslocar-se. As informações apresentadas nesse trabalho são do Projeto de Pesquisa longitudinal Gwembe Tonga (GTRP) e de um estudo de dois anos sobre emprego e mercados de trabalho na Província Sul, liderados pelo Centro de Estudos sobre Desenvolvimento da University of Bath, Inglaterra.

Palavras-chave


migração; agricultura; família; domicílio; economia; África; Zâmbia

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/his.v58i0.33872

Licença Creative Commons Os textos da revista estão licenciados com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional
 
História: Questões & Debates. ISSN: 0100-6932 e e-ISSN: 2447-8261.
Uma publicação do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal do Paraná (PPGHIS-UFPR) - com apoio da da Associação Paranaense de História (APAH)

Universidade Federal do Paraná
Rua General Carneiro, 460, 7º andar
Curitiba – Paraná – Brasil - CEP: 80060-150