A ALMA DE UMA CIDADE: NATUREZA E CULTURA NA FRANÇA EQUINOCIAL NA VISÃO DE CLAUDE D’ABBEVILLE

Amilcar Torrão Filho, Daniel Rincon Caires

Resumo


Este artigo tem como finalidade observar as mudanças que ocorreram nas relações entre os seres humanos e o meio ambiente na região da Ilha do Maranhão a partir do estabelecimento da França Equinocial, no início do século XVII, usando como referência principal o relato escrito pelo capuchinho Claude d’Abbeville, produzido no momento em que a cultura dos índios Tupinambá, antigos senhores da região, tinha contato com os valores europeus, num processo que se desdobra na adoção de novas práticas e posicionamentos frente ao mundo natural.

Palavras-chave


França Equinocial; história ambiental; contatos culturais; viajantes

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/his.v57i2.30562

Licença Creative Commons Os textos da revista estão licenciados com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional
 
História: Questões & Debates. ISSN: 0100-6932 e e-ISSN: 2447-8261.
Uma publicação do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal do Paraná (PPGHIS-UFPR) - com apoio da da Associação Paranaense de História (APAH)

Universidade Federal do Paraná
Rua General Carneiro, 460, 7º andar
Curitiba – Paraná – Brasil - CEP: 80060-150