OS DOMÍNIOS DE INANNA: PERMANÊNCIAS DE UM CULTO AO SAGRADO FEMININO NA MESOPOTÂMIA

Simone Aparecida Dupla

Resumo


O presente artigo analisou o culto ao sagrado feminino entre os períodos de Uruk antigo e o paleobabilônico, através da deusa sumério/babilônica Inanna/Ishtar, e justificou a sobrevivência desse culto tribal cuja característica principal foi a prática do hieros gamos como relação dessa divindade com o inconsciente coletivo. Inanna era um arquétipo mutante que, tendo sua origem na noite dos tempos, transformou-se em um culto estatal onde garantia o poder temporal do rei através do rito do casamento sagrado e sua própria sobrevivência devido às rupturas que ocorreram no culto à fertilidade.

Palavras-chave


sagrado feminino; hieros gamos; mito; inconsciente coletivo; Inanna

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/his.v57i2.30560

Licença Creative Commons Os textos da revista estão licenciados com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional
 
História: Questões & Debates. ISSN: 0100-6932 e e-ISSN: 2447-8261.
Uma publicação do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal do Paraná (PPGHIS-UFPR) - com apoio da da Associação Paranaense de História (APAH)

Universidade Federal do Paraná
Rua General Carneiro, 460, 7º andar
Curitiba – Paraná – Brasil - CEP: 80060-150