Desterritorialização e resistência em uma comunidade de pescadores no litoral do Paraná: a presença de uma liderança mulher na luta pelo território pesqueiro

Tiago Vernize Mafra

Resumo


A territorialização de povos e comunidades tradicionais é constituída por uma disputa de forças entre os atores ligados a esses grupos, e aos demais agentes de operacionalização das formas hegemônicas de produção do espaço. No litoral do Paraná isso não é diferente, sendo os pescadores artesanais uma das populações tradicionais mais comprometidas. Esses grupos vêm sendo afetados há mais de décadas por ações de desterritorialização, tendo de se reterritorializar em outros locais e condições. Para salientar essa relação de injustiça traçada frente aos pescadores artesanais, é apresentado um estudo de caso da comunidade pesqueira de Guapê, no município de Pontal do Paraná. O levantamento de dados para a pesquisa se deu através de entrevistas com lideranças da pesca local, conversas informais com pescadores, levantamento documental e de audiovisuais. O caso se destaca pelo fato de parte da comunidade estudada ter sido expulsa em meados do ano 2000 do seu local de morada no município de Matinhos, se mudando na sequência para o balneário de Guapê. O que se observa no caso é o forte envolvimento de uma liderança mulher, que articula todo o processo de fixação da comunidade pesqueira no seu local atual entre os anos de 2010 e 2016. Para isso é realizado um trabalho de autorreconhecimento do grupo e negociação com órgãos do governo. O caso expressa o papel do Estado na territorialização das populações tradicionais, ora sendo agente de articulação, ora atuando como agente opressor. Os resultados servem para salientar a atuação da mulher pescadora na luta política desses grupos, servindo como suporte para outros casos parecidos.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, A. W. B. Terras tradicionalmente ocupadas processos de territorialização e movimentos sociais. Revista Brasileira Estudos Urbanos e Regionais, vol. 6, n. 1, p. 9 – 32. 2004.

ANDRIGUETTO-FILHO, J. M. Sistemas técnicos de pesca e suas dinâmicas de transformação no litoral do Paraná, Brasil. 1999. Tese (Doutorado em Meio Ambiente e Desenvolvimento), Setor de Ciências Agrárias, Universidade Federal do Paraná, Curitiba.

BAZZO, J. Mato que vira mar, mar que vira mato: o território em movimento na vila de pescadores da Barra de Ararapira (Ilha do Superagüi, Guaraqueçaba, Paraná). Cadernos de Campo. N. 20, p. 65 – 85. 2011.

BRASIL. Decreto nº 6.040, de 7 de fevereiro de 2007. Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais. DOU 08/02/2007.

CALDEIRA, G. A.; PIERRI, N. As relações econômicas e a gestão compartilhada de recursos comuns: o caso da pesca marinha em Pontal do Paraná, Sul do Brasil. Desenvolvimento e Meio Ambiente. Curitiba, v. 32, p. 119 – 137, 2014.

CALDEIRA, G. A.; MAFRA, T. V.; MALHEIROS, H. Z. Limites e possibilidades para a gestão participativa da pesca no litoral do Paraná, sul do Brasil: experiências do Projeto “Nas Malhas da Inclusão”. Desenvolvimento e Meio Ambiente. Curitiba, v. 36, p. 331 – 353, 2016.

CHELOTTI, M. C. Reterritorialização e identidade territorial. Sociedade & Natureza. Vol. 22, n. 1, p. 165-180. 2010.

CPP – CONSELHO PASTORAL DOS PESCADORES; TOMÁZ, A. de F.; SANTOS, G. (Orgs.) Conflitos Socioambientais e Violações de Direitos Humanos em Comunidades Tradicionais Pesqueiras no Brasil. Brasília: CPP, 2016.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia 2. Vol. 5. 2ª edição. São Paulo: Ed. 34. 2012.

DESCHAMPS, M. V.; KLEINKE, M. de L. U. Os fluxos migratórios e as mudanças socioespaciais na ocupação contínua litorânea do Paraná. Revista Paranaense de Desenvolvimento. Curitiba, n. 99, p. 45 – 59, 2000.

FERNANDES, B. M. Sobre a tipologia de territórios. In: SAQUET, M. A.; SPOSITO, E. S. (Orgs) Territórios e territorialidades: teorias, processos e conflitos. 1.ed. São Paulo: Ed. Expressão Popular e Ed. da UNESP. 2009. p. 197 – 216.

HAESBAERT, R. O mito da desterritorialização: do “fim dos territórios” à multiterritorialidade. Rio de janeiro: Ed. Bertrand Brasil, 2004.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo – Séries Históricas. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br. Acessado em: 13/06/2017.

MAFRA, T. V. Produção socioespacial do litoral do Paraná e as estratégias de resistências dos pescadores artesanais na luta pelo seu território. 2018. Tese (Doutorado em Meio Ambiente e Desenvolvimento), Setor de Ciências Agrárias, Universidade Federal do Paraná, Curitiba.

MANESCHY, M. C.; SIQUEIRA, D.; ÁLVARES, M. L. M. Pescadoras: subordinação de gênero e empoderamento. Estudos Feministas, Florianópolis, Vol. 20, n. 3, p. 713-737, 2012.

MARTÍNEZ-ALIER, J. Los conflictos ecologico-distributivos y los indicadores de sustentabilidad. Revista Iberoamericana de Economía Ecológica. Vol. 1, p. 21 – 30, 2004.

MARTÍNEZ-ALIER, J. O ecologismo dos pobres: conflitos ambientais e linguagens de valoração. São Paulo: Ed. Contexto. 2007.

MIGUEL, L. A. Formation, évolution et transformation d’um système agrarie dans le sud du Brésil (littoral nord de l’État du Paraná). Une paysannerie face à une politique de pretection de l’environnement: “Cronique d’une mort annonncée?”. 1997. These (Doctorat en Agronomique), Institut National Agronomique Paris-Grignon, Paris.

PIERRI, N. O Litoral do Paraná: entre a riqueza natural e a pobreza social. Desenvolvimento e Meio Ambiente. Curitiba, n. 8, p. 25 – 41, 2003.

PIERRI, N.; ANGULO, R. J.; SOUZA, M. C.; KIM, M. K. A ocupação do solo no litoral paranaense: condicionantes, conflitos e tendências. Desenvolvimento e Meio Ambiente. Curitiba, n. 13, p. 137 – 167, 2006.

PORTO, M. F. de S.; MILANEZ, B. Eixos de desenvolvimento econômico e geração de conflitos socioambientais no Brasil: desafios para a sustentabilidade e a justiça ambiental. Ciência & Saúde Coletiva. Rio de Janeiro, Vol. 14, n.6, p. 1983 – 1994. 2009.

PORTO, M. F. de S. Complexidade, processos de vulnerabilização e justiça ambiental: Um ensaio de epistemologia política. Revista Crítica de Ciências Sociais, n. 93, p. 31 – 58. 2011.

SAMPAIO, R. Ocupação das orlas das praias paranaenses pelo uso balneário. Desenvolvimento e Meio Ambiente. Curitiba, N. 13, p. 169 – 186, 2006.

SCOTT, J. C. Exploração normal, resistência normal. Revista Brasileira de Ciência Política, n. 5, p. 217-243, 2011.

SILVA, C. N. da. A percepção territorial-ambiental em zonas de pesca. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Belém, Vol. 2, n. 3, p. 25 – 32, 2007.

SILVA, M. F. C. C. B. da. Conflitos socioambientais e formas de resistência dos pescadores artesanais do litoral do Paraná. 2016. Dissertação (Mestrado em Meio Ambiente e Desenvolvimento), Setor de Ciências Agrárias, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2016.

SOUZA, M. L. “Território” da divergência (e da confusão): em torno das imprecisas fronteiras de um conceito fundamental. In: SAQUET, M. A.; SPOSITO, E. S. (Orgs.) Territórios e territorialidades: teorias, processos e conflitos. 1.ed. São Paulo: Expressão Popular e Ed. UNESP, 2009. p. 57 – 72.

ZHOURI, A.; LASCHEFSKI, K. Desenvolvimento e Conflitos Ambientais: um novo campo de investigação. In: ZHOURI, A.; LASCHEFSKI, K. (Orgs.). Desenvolvimento e Conflitos Ambientais. Vol.1. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2010. p. 11-33.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/guaju.v5i1.66204

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

Licença Creative Commons

Guaju, Revista Brasileira de Desenvolvimento terrritorial sustentável está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Indexadores e bases de dados:

       Imagem relacionada

     

Guaju – Revista Brasileira de Desenvolvimento Territorial Sustentável

Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Territorial Sustentável (PPGDTS/UFPR)

Matinhos – Paraná

revistaguaju@gmail.com   ISSN 2447-4096