Despindo preconceitos: (re)conhecendo os movimentos sociais no Brasil através de suas lutas pela reforma agrária

Caroline Michely da Silva, Daniela Resende Archanjo

Resumo


Este artigo aborda a histórica luta e resistência de movimentos sociais pela reforma agrária no Brasil e a recente renovação da luta por sistemas alimentares mais justos. Aponta a emergente necessidade de despir preconceitos, ampliar e fortalecer o debate sobre os conflitos e disputas de interesses no campo da segurança alimentar no Brasil, visto que a lógica colonizadora do sistema alimentar globalizado tem sido fundamentada, até mesmo legitimada, pela visão economicista de determinados grupos - que exercem poder e influência política na regulação da economia e das políticas públicas do Brasil. Através da pesquisa bibliográfica e de documentários, o trabalho discorre sobre a difusão tecnológica na agricultura; a dinâmica mercantil do agronegócio; e os diferentes mecanismos criados na relação de poder político-empresário, para dominação e repressão dos movimentos sociais. Assim, este ensaio analítico visa dar visibilidade ao tema, contribuindo para o (re)conhecimento e fortalecimento destes movimentos populares sob a perspectiva epistemológica da decolonialidade. Destacamos como “as novas/ velhas” formas de controle e dominação de caráter colonial mantém não só a estrutura fundiária, a repressão violenta aos que lutam; mas, também, a “imagem negativa” de alguns movimentos sociais perante o restante da sociedade – tendo o caso do Movimento dos Trabalhadores Rurais sem Terra (MST) como exemplo neste debate. E, enfim, apontamos a necessidade de conectar o que a ciência tem avançado sobre a agroecologia e a biotecnologia, com o conhecimento adquirido pela população através do tempo e de experiências atuais no campo da agricultura/alimentação.


Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA JR., A. A ideia de corpo: suas relações com a natureza e os assuntos humanos. In: CAVALCANTI, C. (Org.). Desenvolvimento e Natureza: Estudos para uma sociedade sustentável. Recife: INPSO/FUNDAJ, Ministério da Educação, Governo Federal, 1994. Cap. 8, p. 84- 91.

ANDRADES, T.; GAMINI, R. Revolução verde e a apropriação capitalista. CES Revista, Juíz de Fora, v. 21, p.43 – 56, 2007. Disponível em: . Acesso em: 25 de fevereiro de 2019.

BORRAS, S. La Via Campesina: um movimiento em movimiento. Amsterdã: Transnational Institute, 2004.Disponível em: . Acesso em: 28 de fevereiro de 2019.

BRASIL, P. O Brasil e a insegurança alimentar global: forças sociais e política externa (2003-2010). 2013. Dissertação. Mestrado em Relações Internacionais – Instituto de Relações Internacionais, Universidade de Brasília, Brasília. Disponível em: . Acesso em: 05 de fevereiro de 2019.

BRUMER, A.; SANTOS, J. Estudos agrários no Brasil: modernização, violência e lutas sociais (desenvolvimento e limites da Sociologia Rural no final do século XX). Revista NERA, Presidente Prudente, v. 9, n. 9, p. 49-72, 2006. Disponível em: . Acesso em: 27 de fevereiro de 2019.

BUAINAIN, A.M.; PIRES, D. Reflexões sobre reforma agrária e questão social no Brasil. Brasília: INCRA. 2003. Disponível em: . Acesso em: 03 de fevereiro de 2019.

CAPRA, F. O ponto de mutação. A ciência, a sociedade e a cultura emergente. São Paulo, Cultrix, 1981.

CAPRA, F. As conexões ocultas. Ciência para uma vida sustentável. São Paulo: Ed. Cultrix, 2002.

ESCOBAR, A. Sentipensar con la tierra: Las luchas Territoriales y la Dimension Ontologica de las Epistemologias del Sur. Revista de Anropologia Ibero americana. Vol.11, n. 1, P. 11 – 32, 2016.

Disponível em:.

HARVEY, D. O Novo Imperialismo. 2. ed. São Paulo: Loyola, 2003.

HOROCHOVSKI, R.; JUNCKES, I.; SILVA, E.; SILVA, J.; CAMARGO, N. Redes de partidos políticos tecidas por financiadores: um estudo das eleições de 2010 no Brasil. Revista Teoria & Sociedade. V. 23, n. 2, p. 49- 78, 2015. Disponível em: http://bibliotecadigital.tse.jus.br/xmlui/bitstream/handle/bdtse/4563/2015_horochovski_redes_partidos_pol%C3%ADticos.pdf?sequence=1&isAllowed=y>. Acesso em: dezembro de 2017.

KAPP, K. A natureza da economia como um sistema aberto e suas implicações. In: DOPFER, K. (Org.) A Economia do Futuro: Em Busca de um Novo Paradigma. Rio de Janeiro: Zahar, 1979. p. 91-104.

LANDER, E. Ciências sociais: saberes coloniais e eurocêntricos. In: LANDER, E. (org). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais: perspectivas latino americanas. Buenos Aires: Coleccin SurSur, CLACSO, 2005. Cap. 1, p.8-23. Disponível em: .

MALDONADO-TORRES, N. Sobre la colonialidade del ser: Contribuiciones al desarrollo de um concepto.In: CASTRO-GÓMEZ, S.; GROSFOGUEL, R. (Ed.). El giro decolonial: reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global. Bogotá: Siglo del Hombre Editores; Universidad Central, Instituto de Estudios Sociales Contemporáneos y Pontifi cia Universidad Javeriana, Instituto Pensar,2007. Cap. 6, p. 127 – 167. Disponível em: .

MEDEIROS, É.; FONSECA, B. As bancadas da câmara. Agência pública. São Paulo, 2016. Disponível em: http://apublica.org/2016/02/truco-as-bancadas-da-camara/. Acesso em: 10 de marços de 2019.

MOTTA, M.; ESTEVES, C. Ligas Camponesas: história de uma luta (des)conhecida. In: MOTTA, M.; ZARTH, P. (Org.). Formas de resistência camponesa: visibilidade e diversidade de conflitos ao longo da história. Concepções de justiça e resistência nas repúblicas do passado (1930-1960). São Paulo: Unesp, 2009. v. 2. Cap. 11, p. 243-257.

O GLOBO. De olho em 211 votos do agronegócio, Temer avança na agenda dos ruralistas. Revista Época Negócios. 2017. Disponível em: < http://epocanegocios.globo.com/Brasil/noticia/2017/07/de-olho-em-211-votos-do-agronegocio-temer-avanca-na-agenda-dos-ruralistas.html>. Acesso em: 10 de março 2019.

OLIVEIRA, A. A longa marchado campesinato brasileiro: movimentos sociais, conflitos

e Reforma Agrária. Estudos Avançados, São Paulo, v. 15, n. 43, p.185- 206, 2001. Disponível em: .

PARANÁ. Política e Sistema de Segurança Alimentar e Nutricional do Estado do Paraná. Secretaria do Estado do Trabalho, Emprego e Promoção Social, Curitiba, 2009.

PLOEG, J. Camponeses e impérios alimentares: lutas por autonomia e sustentabilidade na era da globalização. Trad. Rita Pereira. Porto Alegre: UFRGS, 2008.

ROCHA, P.; BARBOSA JR., R. Criminalizar é governar: uma proposta teórica para a compreensão da criminalização dos movimentos sociais do campo no Brasil. Colombia Internacional, v. 93, p. 205- 232, 2018. Disponível em: .

SACHS, I. Desenvolvimento includente, sustentável, sustentado. Rio de Janeiro: Garamond, 2008.

SERIGATI, F.; POSSAMAI, R.; SEVERO, K. Economia brasileira: o ano de 2018 começa melhor do que o de 2017. Agroanalysis, Rio de Janeiro, v. 37, f. 12, p. 16 – 18, 2017. Disponível em: .

SILVA, C. Tecendo a gestão co-participativa rumo à Segurança Alimentar: desafios de uma experiência de pesquisa-ação em Itapoá SC. 2018. Dissertação. Mestrado em Desenvolvimento Territorial Sustentável – Setor Litoral, Universidade Federal do Paraná, Matinhos. Disponível em: .

VIEIRA, P. Rumo ao desenvolvimento territorial sustentável: esboço de roteiro metodológico participativo. Eisforia. Florianópolis, v.4, n. 4, p. 249-309, 2006. Disponível em: .

Documentários:

Francisco Julião: na lei ou na marra. Documentário. Direção: Fernando Barcellos. Produção: Observatório Fundiário Fluminense/Universidade Federal Fluminense, 2009 (23 min.). Disponível em: ; acesso em: 18 de março de 2019.

Memórias clandestinas. Documentário. Direção: Maria Thereza Azevedo. Produção: Camila Tavares; Maria Thereza Azevedo; Cristiano Ramalho e Vitória Azevedo Fonseca, 2007 (52 min). Disponível em: , acesso em: 18 de março de 2019.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/guaju.v5i1.65735

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

Licença Creative Commons

Guaju, Revista Brasileira de Desenvolvimento terrritorial sustentável está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Indexadores e bases de dados:

       Imagem relacionada

     

Guaju – Revista Brasileira de Desenvolvimento Territorial Sustentável

Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Territorial Sustentável (PPGDTS/UFPR)

Matinhos – Paraná

revistaguaju@gmail.com   ISSN 2447-4096