CONFORMAÇÃO SIMBÓLICA DA ESPACIALIDADE AFRO NO CARNAVAL DA BAHIA

Claudia Novaes Deina, Salete Kozel

Resumo


Resumo

O presente artigo foi desenvolvido na área da Geografia Cultural, tendo como objeto de estudo compreender a materialização da espacialidade simbólica afro no carnaval da Bahia, a partir das narrativas das pessoas que participam dos blocos afros e afoxés durante a festividade. O sentido e o significado que a festa possui para o cotidiano das pessoas, reverberam nas experiências e vivências durante a festividade, possibilitando a conformação simbólica da espacialidade afro. O carnaval soteropolitano possui a característica de constituir-se como uma das maiores festas populares do mundo, reunindo mais de um milhão de pessoas durante os seis dias de festa. A espacialidade afro no carnaval da Bahia revela a importância da conformação simbólica da realidade pela arte, pela linguagem e pela religião que possibilitou a cultura de matriz africana ter ressonância e visibilidade na sociedade em que está inserida. Assim, a espacialidade afro resulta dos elementos da cultura negra que, na diáspora africana, foram preservados e ressignificados no território brasileiro ao longo dos séculos, nos Candomblés e Quilombos, como formas de resistência a hegemonia cultural europeia.  Na atualidade, além do bloco afro Ilê Aiyê, que é referência para os demais blocos afros, destacam-se na festa também a participação dos blocos Olodum, Muzenza, Cortejo Afro, Malê Debalê, Bankoma e Afoxé Filhos de Gandhy. Estes blocos afros arrastam uma multidão de pessoas nos principais circuitos do carnaval da Bahia. Além disso, observamos como a música, os ritmos e as performances assumem um protagonismo na festa. Também é bastante perceptível o processo de empoderamento dos seus foliões através da indumentária afro-brasileira. Nesse aspecto, a corporeidade assume um papel proeminente para a conformação da espacialidade simbólica afro no Carnaval da Bahia.

Palavras-chave: Geografia Cultural. Carnaval da Bahia. Espacialidade. Conformação Simbólica. Blocos Afros.

 

 

Abstract

This paper presents an overview of the materialization of the symbolic afro spatiality in the carnival of Bahia, from the narratives of people who participate in Afro and Afoxés blocks during the festivity. The meanings that the party has for people's daily life has reverberated in the experiences during the festivities, enabling the symbolic conformation  of Afro spatiality.  The Soteropolitano Carnival has the characteristic of being one of the largest popular festivals in the world, gathering more than one million people during the six days of celebration.

The Afro spatiality results from the elements of black culture that, in the African diaspora, were preserved and resignified in the Brazilian territory over the centuries, in Candomblés and Quilombos, as forms of resistance against the hegemony culture – usually, from Europe. Currently, Afro blocks drag a crowd of people on the main circuits of the carnival of Bahia. Further, of to the Afro Block Ilê Aiyê (this is a reference for the other Afro blocks), the party also includes the participation of Olodum, Muzenza, Cortejo Afro, Malê Debalê, Bankoma, and the Afoxé Filhos de Gandhy blocks. These afro blocks drag a crowd of people on the main circuits of the carnival of Bahia. In this case, the analyses of the Afro spatiality in the carnival of Bahia reveal the importance of the symbolic conformation of reality by arts, languages, and religions that enabled the culture of the African matrix to have resonance and visibility in the society. We analyze how the music, rhythms, and performances play a major role in the party. It is also quite noticeable the process of empowering their revelers through Afro-Brazilian dress. In this respect, corporeality plays a prominent role in shaping Afro symbolic spatiality at the Bahia Carnival.

Keywords: Cultural Geography. Bahia Carnival. Spatiality. Symbolic conformation. Afro blocks.

 

 


Palavras-chave


Geografia Cultural; Carnaval da Bahia; Espacialidade; Conformação Simbólica; Blocos Afros.

Texto completo:

Autorização ARTIGO


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/geografar.v15i1.70713



Revista Geografar ISSN: 1981-089X