Agonia e extinção do Serviço de Proteção ao Índio na ditadura militar

Rubens Valente

Resumo


A partir de pesquisa em documentos do período da ditadura militar (1964-1985) hoje abertos à pesquisa no Arquivo Nacional de Brasília, jornais e outros documentos da época, o jornalista trata da crise do SPI (Serviço de Proteção ao Índio) que levaria à extinção, em 1967, do órgão encarregado da execução da política indigenista. Os registros mostram os impactos, em diversos grupos indígenas, da penúria e dos desmandos administrativos do SPI. O artigo informa sobre os aspectos políticos que cercaram a extinção do órgão indigenista e a criação de um novo organismo, a Funai (Fundação Nacional do Índio), no contexto de uma disputa política travada entre generais do Exército pela Presidência da República.

Palavras-chave


Ditadura militar no Brasil (1964-1985); SPI; Política Indigenista; Indígenas; Funai

Texto completo:

PDF

Referências


CORREIA, Jáder de Figueiredo. 1968. Processo nº 4.483 (Relatório Figueiredo). Disponível em:

DICIONÁRIO Histórico Biográfico Brasileiro pós 1930. 2001. 2001. Rio de Janeiro: Ed. FGV. Disponível online: https://cpdoc.fgv.br/acervo/dhbb




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/cra.v20i2.70055

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Direitos Autorais para artigos publicados nesta revista são do autor, com direitos de primeira publicação para a revista