“Aqui a gente não faz milagre”: Particularidades do tratamento espiritual de doenças no espiritismo kardecista

Allan Wine Santos Barbosa

Resumo


Busco discutir neste trabalho o processo de tratamento espiritual e cura oferecidos por um pequeno centro espírita de São Carlos, interior de São Paulo. A partir de um caso etnográfico, analiso as técnicas e discursos empregados pelos espíritas em relação ao conhecimento médico convencional. Discuto também como o tratamento espiritual não busca se opor à ciência médica secular, mas se constrói enquanto um desenvolvimento da, assim apreendida, limitação do conhecimento humano. A imbricação entre o contexto espírita e o conjunto de técnicas e procedimentos advindos da ciência médica produz uma situação em que o processo de cura é encarado pelos pacientes de forma diversa da noção de “milagre”, presente em contextos católicos e pentecostais. O procedimento da cura espiritual implica num trânsito entre espiritualidade e materialidade, diferentemente da manifestação transcendental do sagrado que caracteriza o milagre. O trabalho visa, portanto, fornecer uma contribuição etnográfica aos debates sobre a interface entre saúde e espiritualidade através de um enfoque nas formas pelas quais esse universo de significados e práticas se materializa na experiência dos frequentadores do centro espírita.


Palavras-chave


Cura espiritual; espiritismo; experiência; mediunidade; milagre

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, Paulo Cesar & MINAYO, Maria Cecília de Souza, orgs. 1994. “Representações da cura no catolicismo popular”. In Saúde e doença: um olhar antropológico. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz.

ANDREA, Anthony. 2000. O Self Perfeito e a Nova Era: Individualismo e Reflexividade em Religiosidades Pos-Tradicionais. São Paulo: Loyola.

ARAUJO, Eveline Stella de. 2007. Médicos, Médiuns, Mediações: Um Estudo Etnográfico Sobre Médicos Espíritas. Dissertação de Mestrado em Antropologia Social, Curitiba: Universidade Federal do Paraná.

ARRIBAS, Celia da Graça. 2010. Afinal, espiritismo é religião? A doutrina espírita na formação da diversidade religiosa brasileira. São Paulo: Alameda.

———. 2011. “Espiritismo: entre crime e religião”. Mneme–Revista de Humanidades 11 (29): 318–39.

———. 2014. No princípio era o verbo: espíritas e espiritismos na modernidade religiosa brasileira. Doutorado em Sociologia, São Paulo: Universidade de São Paulo.

AUBRÉE, Marion & LAPLANTINE, François. 1990. La table, le livre et les esprits: naissance, évolution et actualité du mouvement social spirite entre France et Brésil. Paris: J.C. Lattès.

BIRMAN, Patricia. 2012. “O poder da fé, o milagre do poder: mediadores evangélicos e deslocamento de fronteiras sociais”. Horizontes Antropológicos 18 (37): 133–53.

CAMURÇA, Marcelo Ayres. 2001. “Breve História da Competição religiosa entre Catolicismo e Espiritismo Kardecista e de suas Obras Sociais na cidade de Juiz de Fora: 1900-1960”. Locus - Revista de História 7 (1): 131–54.

———. 2010. “O Conceito de Reencarnação no Espiritualismo moderno: Entre o Círculo de Sãmsara e o Evolucionismo Positivista”. Numen 3 (1): 95–109.

———. 2014. Espiritismo e Nova era: Interpelações ao Cristianismo Histórico. Aparecida: Editora Santuario.

———. 2016. “Entre o Carma e a Cura: Tensão Constitutiva do Espiritismo no Brasil”. PLURA - Revista de Estudos de Religião 7 (1): 230–51.

CAVALCANTI, Maria Laura Viveiros de Castro. 1983. O Mundo Invisível: cosmologia, sistema ritual e noção de pessoa no espiritismo. Rio de Janeiro: Zahar.

———. 2004. “Vida e morte no Espiritismo kardecista”. Religião e Sociedade 24 (1): 168–73.

CERQUEIRA-SANTOS, Elder; KOLLER, Sílvia Helena & PEREIRA, Maria Teresa Lisboa Nobre. 2004. “Religião, saúde e cura: um estudo entre neopentecostais”. Psicologia: Ciência e Profissão 24 (3): 82–91.

CSORDAS, Thomas. 1994. The Sacred Self: A Cultural Phenomenology of Charismatic Healing. University of California Press.

———. 2002. Body, Meaning, Healing. Palgrave Macmillan.

———. 2008. Corpo/Significado/Cura. Porto Alegre: Editora da UFRGS.

ESPÍRITO SANTO, Diana & Blanes, Ruy. 2014. “Introduction: On the Agency of Intangibles”. In: The Social Life of Spirits, p. 1-32. Chicago: The University of Chicago Press.

GIUMBELLI, Emerson. 1997a. “Heresia, doença, crime ou religião: o espiritismo no discurso de médicos e cientistas sociais”. Revista de Antropologia 40 (2): 31–82.

———. 1997b. O cuidado dos mortos: uma história da condenação e legitimação do espiritismo. Rio de Janeiro: Ministério da Justiça, Arquivo Nacional.

______. 2008. “Kardec nos Trópicos”. Revista de História da Biblioteca Nacional, v. 33, n. 3, p. 14–19.

GOLDMAN, Marcio. 1985. “A Construção Ritual da Pessoa: a Possessão no Candomblé”. Religião e Sociedade 12 (1): 22–54.

ISAIA, Artur Cesar & MANOEL, Ivan Aparecido (orgs.). 2012. Espiritismo & religiões afro-brasileiras: história e ciências sociais. São Paulo: Editora Unesp.

KARDEC, Allan. 2013. O Que é o Espiritismo: Introdução ao conhecimento do mundo invisível, pelas manifestações dos espíritos. Brasília: FEB.

LEWGOY, Bernardo. 2000. Os espíritas e as letras: um estudo antropológico sobre cultura escrita e oralidade no espiritismo kardecista. Doutorado em Antropologia Social, São Paulo: USP.

———. 2001a. “Chico Xavier e a cultura brasileira”. Revista de Antropologia 44 (1): 53–116.

———. 2001b. “Secularismo e espiritismo nas ciências sociais: discutindo os resultados da UFRGS”. Debates do NER 2 (2): 103–16.

———. 2004. O grande mediador: Chico Xavier e a cultura brasileira. Bauru: EDUSC: CNPq/Pronex.

———. 2007. “Representações de ciência e religião no espiritismo kardecista: antigas e novas configurações”. Civitas-Revista de Ciências Sociais 6 (2): 151–167.

LUCCHETTI, Alessandra Lamas Granero. 2013. Descrição da terapia complementar religiosa em centros espíritas da cidade de São Paulo com ênfase na abordagem sobre problemas de saúde mental. Dissertação de Mestrado, São Paulo: Universidade de São Paulo.

MELLO, Marcelo Moura. 2016. “Entidades espirituais: materializações, histórias e os índices de suas presenças”. Etnografica 20 (1): 211–25.

MONTERO, Paula. 1985. Da doença à desordem: a magia na Umbanda. Rio de Janeiro: Graal.

MORAES, Ângela Teixeira de. 2017. “O discurso da saúde no espiritismo: Do magnetismo à autocura”. Religare: Revista do Programa de Pós-Graduação em Ciências das Religiões da UFPB 14 (1): 90–108.

PRANDI, Reginaldo. 2012. Os mortos e os vivos: uma introdução ao espiritismo. São Paulo: Três Estrelas.

RABELO, Miriam Cristina; MOTTA, Sueli; SCHAEPPI, Paula; ROCHA, Juliana & RUBENS, Marcos. 2002. “Comparando Experiências de Aflição e Tratamento no Candomblé, Pentecostalismo e Espiritismo”. Religião e Sociedade 22 (1): 93–122.

REESINK, Mísia Lins. 2005. “Para uma Antropologia do Milagre: Nossa Senhora, seus devotos e o Regime de Milagre”. CADERNO CRH 18 (44): 267–80.

RODRIGUES, Karine Mendonça. 2016. Apometria: Do Centro Espírita ao Consultório, o Ritual e as Implicações quanto à Eficácia Simbólica. Dissertação de Mestrado em Antropologia Social, Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

RYLE, John. 1988. “Miracles of the people: Paradoxical attitudes to Catholicism in an Afro-Brazilian religious centre in Salvador da Bahia”. In: JAMES, Wendy & JOHNSON, Douglas H. (orgs.). Vernacular Christianity: Essays in the social anthropology of religion presented to Godfrey Lienhardt, 40–50. New York: Lilian Barber Press.

SÁEZ, Oscar Calavia. 2009. “O que os santos podem fazer pela antropologia?” Religião & Sociedade 29 (2): 198–219.

SANTOS BARBOSA, Allan Wine. 2018. Dádivas de Além-Túmulo: Circulação e Hierarquia no Espiritismo Kardecista. Dissertação de Mestrado em Antropologia Social, São Carlos: Universidade Federal de São Carlos.

SHANAFELT, Robert. 2004. “Magic, Miracle, and Marvels in Anthropology”. Ethnos 69 (3): 317–40.

SILVA, Carlos Alberto Borges da & VASCONCELLOS, Maria da Penha. 2013. “Da doença ao milagre: Etnografia de soluções terapêuticas entre evangélicos na cidade de Boa Vista, Roraima”. Saúde e Sociedade 22 (4): 1036–44.

SINGLETON, Andrew. 2001. “‘Your Faith Has Made You Well’: The Role of Storytelling in the Experience of Miraculous Healing”. Review of Religious Research 43 (2): 121–38.

SOARES, Hugo Ricardo & PINTO, Flávia Slompo. 2015. “Santa Gianna Defensora da Vida: Uma leitura fenomenológica-cultural da experiência do milagre”. Debates do NER 2 (28): 253–72.

SOUZA, André Ricardo de. 2014. “A Medicina do Além: Entre o Espiritualismo e o Espiritismo Kardecista”. Trabalho apresentado na 29a Reunião Brasileira de Antropologia em Natal - RN, 20.

STOLL, Sandra Jacqueline. 2002. “Religião, ciência ou auto-ajuda? Trajetos do Espiritismo no Brasil”. Revista de Antropologia 45 (2): 361–402.

———. 2003. Espiritismo à Brasileira. São Paulo: EDUSP.

———. 2009. “Encenando o invisível: a construção da pessoa em ritos mediúnicos e performances de ‘auto ajuda’”. Religião & Sociedade 29 (1): 13–29.

TAMBIAH, Stanley J. 1990. Magic, Science and Religion and the Scope of Rationality. Cambridge: Cambridge University Press.

TONIOL, Rodrigo. 2014. “Integralidade, holismo e responsabilidade: Uma etnografia sobre a promoção de terapias alternativas/complementares no SUS”. In Etnografias em serviços de saúde, organizado por Jaqueline; Ferreira e Soraya Fleischer, 153–78. Rio de Janeiro: Editora Garamond.

———. 2015. “Espiritualidade que faz bem: Pesquisas, políticas públicas e práticas clínicas pela promoção da espiritualidade como saúde”. Sociedad y Religión, nº43, Vol XXV (2015), pp. 110-143.

VASCONCELOS, João. 2003. “Espíritos clandestinos: espiritismo, pesquisa psíquica e antropologia da religião entre 1850 e 1920”. Religião e Sociedade, v. 23, n. 2, p. 92–126.

VERONESE, Michelle. 2017. “Magnetizadoras, sonâmbulas e médiuns: as ousadas brasileiras do século XIX e o caldeirão de práticas que influenciaram o espiritismo”. Religare: Revista do Programa de Pós-Graduação em Ciências das Religiões da UFPB 14 (1): 109–30.

WARD, Benedicta. 1987. Miracles and the Medieval Mind: Theory, Record and Event 1000-1215. Aldershot: Wildwood House.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/cra.v1i1.65027

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Direitos Autorais para artigos publicados nesta revista são do autor, com direitos de primeira publicação para a revista