Uma revisão crítica da antropologia de Carmen Junqueira

Lindinalva Laurindo Teodorescu

Resumo


O artigo faz uma revisão crítica da antropologia produzida pela antropóloga Carmen Junqueira, junto ao povo Kamaiurá, do alto Xingu, ao longo de cinquenta anos de pesquisa. Entre as publicações selecionadas para análise, foram retidos quatro temas que são recorrentes em suas pesquisas e que constituem o cerne de sua antropologia. São eles: 1) a composição do universo Kamaiurá (as formas de produção, parentesco e relações de poder, a generosidade ostentada e o sacrifício do líder, mudanças e interação grupal entre os povos do alto Xingu, política protecionista e deslocamento de poder na aldeia de Ipavu e os ritos como fundamento do sistema social); 2) o espaço das mulheres nas sociedades indígenas (as narrativas míticas e a situação das mulheres); 3) o imaginário e o simbólico na configuração do tempo Kamaiurá; 4) o mundo animal e o mundo humano ou a relação natureza e cultura. Neste último item, foi feita uma tentativa de comparação entre a antropologia de Carmen Junqueira e a perspectiva que dá conta da composição do universo indígena, em termos de pluralidade de mundos, como o modelo desenvolvido por Philippe Descola e Eduardo Viveiros de Castro. 

 

Abstract: This article reviews the anthropology produced by the anthropologist Carmen Junqueira, around the Kamaiurá people of the upper Xingu, over fifty years of research. Among the publications selected for analysis four themes were retained that are recurrent in her research and which constitute the core of her anthropology. They are: 1) the composition of the Kamaiurá universe (the forms of production, kinship and power relations, the leader´s bounty and sacrifice, changes and group interaction among the upper Xingu peoples, protectionist politics and power displacement in the village of Ipavu and rites as the foundation of the social system); 2) the space of women in indigenous societies (the mythical narratives and the situation of women); 3) the imaginary and the symbolic in the configuration of Kamaiurá time; 4) the animal world and the human world or the relation between nature and culture. In this last item, an attempt was made to compare the anthropology of Carmen Junqueira with the perspective that accounts for the composition of the indigenous universe in terms of a plurality of worlds, such as the model developed by Philippe Descola and Eduardo Viveiros de Castro.

 

 


Palavras-chave


Antropologia indígena; etnologia; relações de poder; ritos e mitos; natureza e cultura

Texto completo:

PDF

Referências


AGOSTINHO, Pedro. 1974. KWARÍP, Mitos e Ritual no Alto Xingu. São Paulo: EPU.

BOLTANSKI, Luc et THEVENOT, Laurent. 1991. De la Justification - Les Economies de la grandeur. Paris: Gallimard.

CALVINO, Ítalo. 1997. “A combinatória e o mito na arte da narrativa”. In: Atualidade do mito. Tradução de Carlos Arthur R. do Nascimento. São Paulo: Duas Cidades.

CARNEIRO DA CUNHA, Manuela. 2012. Savoir autochtones: quelles nature, quels apports? Leçon Inaugurale du Collège de France. Paris: Fayard.

DESCOLA, Philippe. 2005. Par-delà nature et culture. Paris: Gallimard.

DESCOLA, Philippe. 2010. Diversité de nature, diversité de culture. Paris: Bayard.

DESCOLA, Philippe. 2017. La Composition des Mondes. Entretien avec Pierre Charbonnier. Paris: Flammarion.

DURKHEIM, Émile. 2003. As formas elementares da vida religiosa. São Paulo: Martins Fontes.

FRAZER, James. 1982. O Ramo de Ouro. Rio de Janeiro: LTC.

GALVÃO, Eduardo.1979. Índios e Brancos no Brasil. Encontros de Sociedades. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

GODELIER, Maurice. 1981. « O Fundamento do pensamento selvagem”. In: E. A. Carvalho (org.). Godelier: Antropologia. São Paulo: Ática.

GODELIER, Maurice. 1996. L’Énigme do Don. Paris: Flammarion.

GODELIER, Maurice. 2010. Au Fondement des Sociétés Humaines. Ce que nous Apprend l’Anthropologie. Paris: Flammarion.

HILLMAN, James. 1997. O código do ser. Uma busca do caráter e da vocação pessoal. Rio de Janeiro: Editora Objetiva.

JUNQUEIRA, Carmen. 1967. Os Kamaiurá e o Parque Nacional do Xingu. Tese de Doutorado. São Carlos: Universidade de Campinas.

JUNQUEIRA, Carmen. 1978. Os Índios de Ipavu - Um estudo sobre a vida do grupo Kamaiurá. São Paulo: Ática.

JUNQUEIRA, Carmen e PAIVA, Eunice. 1985. O Estado Contra o Índio. São Paulo: Publicação do Programa de Estudos Pós-Graduados em Ciências Sociais - PUC.

JUNQUEIRA, Carmen. 1996. “Maíra”. In: D. Ribeiro (Org.). Maíra. Rio de Janeiro: Record.

JUNQUEIRA, Carmen. 2002. Sexo e desigualdade entre os Kamaiurá e os Cinta Larga. São Paulo: Olho d'água.

JUNQUEIRA, Carmen. 2004. “Pajés e feiticeiros”. Revista Estudos Avançados. 18 (52): 289-302.

JUNQUEIRA, Carmen. 2008. Antropologia Indígena (Uma nova Introdução). São Paulo: EDUC.

JUNQUEIRA, Carmen e VITTI, Taciana. 2009. “O kwarýp Kamaiurá na aldeia de Ipavu”. Revista Estudos Avançados. 23: 133-148.

JUNQUEIRA, Carmen. 2010a. “Disputa política na sociedade Kamaiurá”. Revista Brasileira de Linguística Antropológica. 1: 215-233.

JUNQUEIRA, Carmen. 2010b. “Os diamantes do povo Cinta Larga”. In: D. Milan e O. Matos (Org.). Gemas da terra - imaginação estética e hospitalidade. São Paulo: SESC.

JUNQUEIRA, Carmen. 2015. “Linguagem dos Ritos”, Revista Brasileira de Linguística Antropológica.7: 21-33.

JUNQUEIRA, Carmen. 2017. O tempo e o imaginário - O pajé e a antropóloga, 50 anos de diálogo. Manaus: EDUA. Disponível em: www.pucsp.br/sites/default/files/.../livro_carmen_junqueira_1.pdf

LEVI STRAUSS, Claude. 1971. Mythologiques - L’homme nu, tome 4. Paris: Plon.

LÉVI-STRAUSS, Claude. 1976. As Estruturas Elementares do Parentesco. Petrópolis: Vozes.

LÉVI-STRAUSS, Claude. 1976. O Pensamento Selvagem. São Paulo: Companhia Editora Nacional.

MAUSS, Marcel. 1974. “Ensaio sobre a dádiva. Forma e Razão da troca nas sociedades arcaicas”. In: Sociologia e Antropologia. São Paulo: EPU.

MEILLASSOUX, Claude. 1977. Mulheres, Celeiros & Capitais. Porto: Editora Afrontamento.

RAMOS, Alcida Rita. 2010. “Revisitando a Etnologia Brasileira”. In: C. B, Martins (coord.) e L.F.D, Duarte (org.). Horizontes das Ciências Sociais no Brasil/ Antropologia. São Paulo: AMPOCANPOCS.

RAMOS, Diego Faust. 2010. O tempo Kamayurá. Dissertação de mestrado. Florianópolis: UFSC.

RIBEIRO, Darcy. 1968. O processo civilizatório: etapas da evolução sociocultural. São Paulo: Civilização Brasileira.

RIBEIRO, Darcy. 1995. O Povo Brasileiro. São Paulo: Companhia das Letras.

ROUSSEAU, Jean-Jacques. 1959. Les Confissions – Autres textes autobiographiques. Œuvres Complètes, tome I. Bibliothèque de la Pléiade. Paris: Gallimard.

SAHLINS, Marshall. 1965. «On the sociology of Primitive Exchange ». In: M. Bantonn (ed.). The Relevance of models for Social Antropology. Monographs I. London / New York: Tavistock Publications.

SZTUTMAN, Renato. “A inconstância da alma selvagem e outros ensaios de antropologia de Eduardo Viveiros de Castro”. Revista Sexta Feira. www.antropologia.com.br/comu/colab/c13-release_vcastro.pdf.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. 2002. Inconstância da Alma Selvagem. São Paulo: Cosac & Naify.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/cra.v18i1-2.57361

Direitos autorais 2018 Direitos Autorais para artigos publicados nesta revista são do autor, com direitos de primeira publicação para a revista