O Mundo dos Kusanaty e a Cosmologia Apurinã

Francisco Cândido Apurinã

Resumo


As reflexões aqui alinhavadas propõem uma discussão acerca da ontologia dos xamãs e do xamanismo Apurinã face suas diversas interpretações. Uma dessas interpretações resulta de breves análises acadêmicas no campo da antropologia; a outra advém de vivência nativa mediada pelo treinamento antropológico. Nesse sentido, visando melhor entendimento, é necessário conduzir o leitor por uma viagem ao mundo dos xamãs (kusanaty), onde será descrito o processo de iniciação e de aquisição de poderes usados tanto para curar quanto para causar doenças, as transformações necessárias para habitar outras terras, os conflitos por meio de vingança, dietas e os objetos usados durante os procedimentos de cura, com vista garantir a segurança de suas aldeias.

Palavras-chave


Tsura, apurinã; kusanaty; xamanismo; animais; conhecimento

Texto completo:

PDF

Referências


[APURINÃ] CÂNDIDO, F, M. 2013. Estudos Complementares referentes ao Procedimento de Identificação e Delimitação da TI Jaminawa do Rio Caeté. Fundação Nacional do Índio. Rio Branco/AC.

[APURINÃ] CÂNDIDO, F, M. 2014. GRUPO TÉCNICO FUNDIÁRIO: Estudos Complementares para a Identificação e Delimitação da Terra Indígena Lurdes/Cajueiro. Fundação Nacional do Índio. Rio Branco/AC.

[APURINÃ] CÂNDIDO, F, M. 2012. Rituais, espiritualidade e medicina tradicional do povo Apurinã: “Saberes Milenares e Tradicionais do Kusanaty”. Trabalho de Final de Curso –Mestrado Profissional em Desenvolvimento Sustentável junto a Povos e Terras Indígenas/ Centro de Desenvolvimento Sustentável-UnB. Brasília/DF.

CARNEIRO DA CUNHA, Manuela. 1987. Antropologia do Brasil: Mito, história, etnicidade. 2ª ed. São Paulo: Brasiliense.

CARNEIRO DA CUNHA, Manuela. 1999 “Xamanismo e tradução”. In. Novaes, Adauto (org.). A Outra Margem do Ocidente. São Paulo: Funarte/Cia das Letras.

CARNEIRO DA CUNHA, Manuela. 2009. Cultura com Aspas e outros ensaios. São Paulo: Cosac Naify.

CLASTRES, Pierre. 1978. “Troca e poder: filosofia da chefia indígena”. In A Sociedade contra o estado. São Paulo: Francisco Alves.

LANGDON. E. J. 1996. Xamanismo no Brasil: Novas perspectivas. Florianópolis: UFSC.

KOOP, Gordon e Lingenfelter, Sherwood G. 1983. Os Deni do Brasil Ocidental. Dallas, Texas. Museu Internacional de Culturas.

LABIAK, Araci, Maria. 2007. “Frutos do céu e frutos da terra”: Aspectos da Cosmologia Kanamari no WARAPEKOM. Manaus: EDUFAM/Faculdade Salesiana Dom Bosco (Nova Antropologia da Amazônia).

LÉVI-STRAUSS, Claude. 1975. “O feiticeiro e sua magia” e “A eficácia simbólica”. In: Antropologia Estrutural. Rio de Janeiro: Tempo Brasiliense.

PEREZ GIL, Laura. 2006. Metamorfoses Yaminawa - Xamanismo e socialidade na Amazônia peruana. Tese de doutorado (Antropologia Social), UFSC.

RIBEIRO, Darcy. 2010. Falando dos índios. Coleção: Darcy no Bolso, Vol. 05. Fundação Darcy Ribeiro. Brasília/DF: EDUNB.

SASS, Walter. 2009. A cosmovisão indígena e a teologia cristã. Oficina para o Fórum Mundial de Teologia e Libertação. Belém/PA. SCHIEL, Juliana. 2004. “Tronco Velho”: histórias Apurinã. Tese de doutorado (Antropologia), Unicamp.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. 2002. “Perspectivismo e multinaturalismo na América Indígena”. In: A Inconstância da Alma Selvagem. São Paulo: Cosac & Naify.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. 1996. “Os pronomes cosmológicos e o perspectivismo ameríndio”, Mana. Estudos de Antropologia Social 2(2): 115-144. https://doi.org/10.1590/S0104-93131996000200005

VIRTANEN, Pirjo Kristiina. 2015. “Fatal Substances: Apurinã’s dangers, kinship, and mobility”, Indiana 32 (2015): 85-103. https://doi.org/10.18441/IND.V32I0.85-103




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/cra.v17i2.47434

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Direitos Autorais para artigos publicados nesta revista são do autor, com direitos de primeira publicação para a revista

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM