“O Estado não sou eu”. Estratégias empresariais no licenciamento ambiental de grandes empreendimentos industriais.

Deborah Bronz

Resumo


A definição dos limites entre Estado e Economia é imprecisa e transitória. Isto se torna evidente quando estudamos os grandes empreendimentos industriais. Trilhando os procedimentos administrativos de licenciamento ambiental procuro aceder ao conjunto de discursos que a eles se vinculam no Brasil. Nas negociações entre empresários, gestores e organizações civis, é bastante usual encontrarmo-nos com a seguinte resposta às colocações que exigem dos empresários aquilo que, em seus discursos, depositam sob os designíos do Estado: “O Estado não sou eu”. Eu pergunto: quem é ou o que é Estado no discurso dos empreendedores? Quais são as operações que produzem esta separação? Qual é o efeito performativo desta colocação? Já que os empreendedores não se consideram Estado, recorro ao que os tornam empreendedores buscando acesso à lógica que sustenta suas representações sobre o Estado. Os padrões serão encontrados na comparação entre os dois casos de empreendimentos similares em territórios diferenciados

Palavras-chave


grandes empreendimentos; empreendedores; licenciamento ambiental; Estado; Economia

Texto completo:

PDF

Referências


AGNEW, John. 2001. Reinventing politics: geography of modern statehood. Hettner-lecture 2000. Heidelberg: Geographisches Institute. BOLTANSKI, Luc;

CHIAPELLO, Ève. 2009 [1999]. O novo espírito do capitalismo. São Paulo: Martins Fontes.

BRONZ, Deborah. 2014. “Experiências e contradições na etnografia de práticas empresariais”. In: S.R.R. Castilho; A.C. Souza Lima; C.C. Teixeira (orgs.). Antropologia das práticas de poder: reflexões etnográficas entre burocratas, elites e corporações. Rio de Janeiro: Contra Capa; Faperj.

DAOU, Ana Maria Lima. 1988. Políticas de Estado e organização social: a barragem de Sobradinho. Rio de Janeiro: UFRJ.

EAGLETON, Terry. 1997. Ideologia. Uma introdução. São Paulo: Unesp.

ESCOBAR, Arturo. 1995. Encountering Development. The making and unmaking of the Third World. Princeton, New Jersey: Princeton University Press.

FAILLACE, Sandra Tosta. 1990. Comunidade, etnia e religião: um estudo de caso na Barragem de Itá (RS/SC). Rio de Janeiro: UFRJ.

FOUCAULT, Michel. 1971. A ordem do discurso. Recuperado em fevereiro de 2011 de www.filoesco.unb.br/foucault.

FOUCAULT, Michel. 1983. “Subject and Power”. In: H. Dreyfus & P. Rabinow (orgs.). Michel Foucault: Beyond Structuralism and Hermeneutics. Chicago: The University of Chicago Press.

JONES, Martin., JONES, Rhys; WOODS, Michael. 2004. An Introduction to political geography. Space, place, and Politics. Londres: Routledge.

LIMA JR., Aurélio Vianna da Cunha. 1988. Dos pressupostos da ação política do campesinato: o caso da "invasão" da Fazenda Annoni. Tese de doutorado. Rio de Janeiro: RJ: Museu Nacional/ Universidade Federal do Rio de Janeiro.

MARTINS-COSTA, Ana Luiza Borralho. 1989. Uma retirada insólita: a representação camponesa sobre a formação do Lago de Sobradinho. Rio de Janeiro: UFRJ.

MITCHELL, Timothy. 1999. “State, Economy, and the State Effect”. In: G. Steimentz (ed.). State/culture: state formation after de cultural turn. Cornell: Cornell University Press.

OLIVEIRA, Isabel Cristina Eiras de. 2001. Estatuto da cidade; para compreender. Rio de Janeiro: IBAM/DUMA.

RAFFESTIN, Claude. 1993. Por uma geografia do poder. São Paulo: Editora Ática.

RIBEIRO, Gustavo Lins. 1988. Developing the Moonland: the Yacyreta Hydroelectric High Dam and Economic Expansion in Argentine. New York: The City University of New York.

SANTOS, Silvio Coelho. 1992. “Metodologia para o estudo de Projetos de Desenvolvimento e suas implicações políticas: o caso das hidrelétricas”. In: A. C. Arantes; G. Rubem; G. Debert (orgs.). Desenvolvimento e Direitos Humanos: a responsabilidade do antropólogo. Campinas: Ed. Unicamp.

SANTOS, Silvio Coelho. 1996. “Notas sobre o deslocamento de populações indígenas em consequência da implantação de hidrelétricas na Amazônia”. In: S. Magalhães; R. Brito; E. Castro (orgs.). Energia na Amazônia. Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi.

SIGAUD, Lygia. 1992. “O efeito das tecnologias sobre as comunidades rurais”. In: T. Maciel (org.). O ambiente inteiro: a contribuição crítica da universidade a questão ambiental. Rio de Janeiro: UFRJ

TEIXEIRA, Carla Costa. 2005. “Relações de Parceria, políticas públicas e a questão da “pobreza” no Brasil”. Série Antropologia nº 338. Brasília: UnB.

VAINER, Carlos. 1979. “Transições de exposições feitas nas mesas 'Política Nacional para a Amazônia' e 'O controle dos Recursos Naturais' do seminário 'Militares, Índios, Fronteiras e Recursos Naturais'”. Antropologia e Indigenismo (1): 41-46.

VESENTINI, José William. 2011. "O que é Geopolítica? e Geografia Política?". Geocrítica. Recuperado em fevereiro de 2011 de http://www.geocritica.com.br/geopolitica.htm.

WEBER, Max. 2004 [1904]. A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo. São Paulo: Editora Martin Claret.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/campos.v14i1/2.42472

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM