A luta de Trombas e Formoso: uma ruptura narrativa no contexto da ditadura militar

Maiara Dourado

Resumo


O movimento político de Trombas e Formoso configura a resistência armada de camponeses do norte de Goiás, em meados da década de 1950, que rebelaram-se contra o processo de expropriação de terras liderada por um grupo de grileiros e fortalecidos pelo governo do Estado. A luta, reconhecida como Revolta de Trombas e Formoso, apresenta-se como um dos importantes conflitos camponeses do país, por seu protagonismo e organização política e social, visando à conquista do título das terras mediante embate com grileiros e o Estado. Em decorrência do golpe militar ocorrido no Brasil, em 1964, o movimento foi desmantelado, vários líderes e participantes da luta perseguidos e mortos e suas terras abandonadas no processo de repressão e abafamento, próprio do regime ditatorial. Dito isso, pretendo apresentar, neste trabalho, os reflexos e consequências do golpe militar, sob a produção de narrativas e memórias sobre a luta dos camponeses de Trombas e Formoso.

Palavras-chave


memórias, narrativas, resistência, camponeses, Trombas e Formoso.

Texto completo:

PDF

Referências


BERTAUX, Daniel; THOMPSON, Paul. 1993. “Family myth, models, and denials in shaping of individual life paths”. In: D. Bertaux & P. Thompson (org.). Between generations: family models, myths, and memories. Oxford: Oxford University Press.

CARNEIRO, Maria E. F. 1988. A Revolta camponesa de Formoso e Trombas. Goiânia: Editora UFG.

CATELA, Ludmila. 2001. Situação-Limite e Memória: A reconstrução do mundo dos familiares de desaparecidos da Argentina. São Paulo: Hucitec.

CUNHA, Paulo R. 1997. “Redescobrindo a história: A República de Formoso e Trombas”. Cadernos AEL 7: 83 -107.

DE CERTEAU, Michel. 1994. A invenção do cotidiano: artes de fazer. Petrópolis: Vozes.

FENTRESS, James; WICKHAM, Chris. 1992. Memória Social, novas perspectivas sobre o passado. Lisboa: Teorema.

GUHA, Ranajit. 1999. “La prosa de la contrainsurgencia”. In: Pasados Poscoloniales. México: CEAA, Centro de Estudios de Asia y África/ El Colegio de México

KIDRON, Carol A. 2009. "Toward an Ethnografy of silence: the lived presence of the Past in the Everyday Life of Holocaust Trauma Survivors and Their Descendants in Israel". Current Anthropology 50 (1): 5-19. https://doi.org/10.1086/595623

KONSTAN, David. 2004. “Ressentimento: história de uma emoção". In: S. Bresciani & M. Naxara. Memória e (res) sentimento: indagações sobre uma questão sensível. Campinas: Editora Unicamp.

MAIA, Cláudio. 2008. Os Donos da Terra: A disputa pela propriedade e pelo destino da fronteira – A Luta dos Posseiros em Trombas e Formoso 1950/1960. Tese (doutorado). Goiânia: Pós-Graduação em História da Faculdade de Ciências Humanas e Filosofia, Universidade Federal de Goiás.

MARTINS, José de Souza. 1997. Fronteira – A degradação do Outro nos confins do humano. Sã o Paulo, Editora Hucitec.

PESSOA, Jadir de M. 1999. A revanche camponesa. Goiânia: Editora da UFG

POLLAK, Michael. 1989. "Memória, Esquecimento, Silêncio”. Estudos Históricos 2 (3): 3-15. https://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/reh/article/view/2278

PORTELLI, Alessandro. 2002. “O massacre de Civitella Val di Chiana (Toscana: 29 de junho de 1944): mito, política, luto e senso comum”. In: J. Amado; M. Ferreira (coord.). Usos & abusos da História Oral. 5ª. ed. Rio de Janeiro: Editora FGV.

RICŒUR, Paul. 2007. A memória, a história, o esquecimento. Campinas: Editora da Unicamp.

SAHLINS, Marshall. 1990. Ilhas de história. Rio de Janeiro, Jorge Zahar.

SIRINELLI, Jean-François. 2002. “A geração”. In: J. Amado; M. Ferreira (coord.). Usos & abusos da História Oral. 5ª. ed. Rio de Janeiro: Editora FGV.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/campos.v15i2.41207

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 CAMPOS - Revista de Antropologia Social

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM