‘Afinal, você é um homem ou é um rato?’

Guilherme José da Silva e Sá

Resumo


O artigo, que toma a forma de ensaio crítico, tem como mote de argumentação uma prosaica provocação “Afinal, você é um homem ou um rato?”. Em torno dela surgem como principais pontos a antropologia dos animais, as relações interespecíficas e o pós-humanismo. O texto é igualmente uma peça de reflexão a respeito dos compromissos assimétricos históricos que foram forjados no cerne do pensamento humanista. As referências são propositalmente apócrifas a fim de permitir por um lado o assentamento de aforismos e, por outro, possibilitar a livre apropriação do texto e sua recomposição pelo leitor. A crítica ao antropocentrismo e ao representacionalismo, que ora se apresenta às ciências sociais, é feita através de uma estratégia que centraliza a alteração na forma de escrever e de narrar, como forma de expressão de um posicionamento comprometido com a descentralização da hegemonia humana


Palavras-chave


pós-humanismo; animais; antropologia; interespecificidade; crítica do humanismo;

Texto completo:

PDF

Referências


BATESON, Gregory. 1986. Mente e Natureza: a unidade necessária. Rio de Janeiro: Editora Francisco Alves.

BOAS, Franz. 2004 [1896]. “As limitações do método comparativo da Antropologia”. In: C. Castro. (org.). Antropologia Cultural. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

DERRIDA, Jacques. 2002. O animal que logo sou. São Paulo: Unesp.

DESPRET, Vinciane. 2009. Penser comme un rat. Versailles: Éditions Quae.

ESOPO. 1994. Fábulas de Esopo. (trad. Heloísa Jahn). São Paulo: Companhia das Letrinhas.

HARAWAY, Donna. 2003. The Companion Species Manifesto: Dogs, people, and significant otherness. Chicago: Prickly Pardigm Press.

HARAWAY, Donna. 2008. When Species Meet. Minneapolis: University of Minnesota Press.

HOLBRAAD, Martin; PEDERSEN, Axel Morten (2014). "The Politics of Ontology". In: Fieldsights - Theorizing the Contemporary, Cultural Anthropology Online, January 13. Recuperado em 20 de julho de 2014 de http://www.culanth.org/fieldsights/461-the-politics-of-ontology

INGOLD, Tim. 1995. “Humanidade e Animalidade”. Revista Brasileira de Ciências Sociais 10 (28): 39-54.

LATOUR, Bruno. 2012. Reagregando o Social: uma introdução à Teoria do Ator-Rede. Bauru: Edusc; Salvador: EDUFBA.

LÉVI-STRAUSS, Claude. 1989. O Pensamento Selvagem. Campinas: Papirus.

LÉVI-STRAUSS, Claude. 2012. A Antropologia Diante dos Problemas do Mundo Moderno. São Paulo: Companhia das Letras.

SAHLINS, Marshall. 2008. The Western Illusion of Human Nature. Chicago: Prickly Paradigm Press.

SEGATA, Jean. 2012. “Os cães com depressão e os seus humanos de estimação”. Anuário Antropológico 2012 (II):177-204. https://doi.org/10.4000/aa.216

SERRES, Michel. 2013. A Polegarzinha: uma nova forma de viver em harmonia e pensar as instituições, de ser e de saber. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

SMUTS, Barbara. 2002. “Reflexões”. In: J. M. COETZEE. A Vida dos Animais. São Paulo: Companhia das Letras.

STRATHERN, Marilyn. 2006. O gênero da dádiva. Problemas com as mulheres e problemas com a sociedade melanésia. Campinas: Editora da Unicamp.

TARDE, Gabriel. 2007. Monadologia e sociologia e outros ensaios (org. Eduardo Viana Vargas). São Paulo: Cosac Naify.

THOMAS, Louis-Vincent. 2014. “L'homme et le rat. Vers une anthropologie de l'animal”. Prétentaine. Quel animal? 29/30.

WOLFE, Cary. 2010. What is Posthumanism? Minneapolis: University of Minnesota Press




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/campos.v14i1/2.37272

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM