Os Jovens e o Imaginário da Aids: notas para uma construção social do risco

Leila Jeolás

Resumo



Este artigo, baseado em pesquisa sobre o imaginário da aids entre jovens, busca compreender a noção de risco
como uma categoria sociocultural, cujos significados se acumulam nos conceitos de várias áreas do conhecimento
e nos usos de senso comum. O perigo, o mal e o infortúnio sempre foram moralizados e politizados nas diversas
culturas humanas e a história da aids não poderia ser diferente. Os simbolismos culturais sobre contágio, doenças
transmitidas pelo sexo e pelo sangue e os valores atuais da sexualidade, incluindo as relações de gênero, estão
presentes na forma como os jovens representam o risco do HIV. Além disso, não se pode desconsiderar a
ambivalência que os riscos assumem atualmente para os jovens: alguns negados e afastados, outros aceitos e
valorizados. No caso da aids, a busca pela vertigem e pelo êxtase, componentes do sexo e das drogas, distancia
o discurso dos jovens sobre risco do discurso preventivo, baseado na racionalidade do comportamento individual,
assumindo valores distintos ligados a experiências cotidianas.


Youngsters and the imagery of AIDS: notes for the social construction of risk


This article, based on research about the imagery of AIDS among youth, aims to understand the notion of risk as
a social-cultural category, whose meanings are piled upon concepts of several areas of both knowledge and
common sense usages. Danger, evil and misfortune have always been moralized and politicized in the different
human cultures and it could not be different in the history of aids. Cultural symbolism about infection, sexually and
blood transmitted diseases, as well as sexualitys current values, including here gender relations, are present in
the way the youth represents HIV´s risks. Besides, the ambivalence these risks assume for the youth nowadays
cannot be disregarded: some are denied and put aside, others are accepted and valorized. In the case of AIDS, the
search for vertigo and ecstasy, components of sex and drugs, distances the youths discourse about risk from the
preventive discourse, based on the rationality of individual behavior, assuming distinct values linked to everyday
experiences.


Palavras-chave


construção social do risco; juventude; HIV/AIDS; social construction of risk, youth

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/cam.v4i0.1600

Direitos autorais