Os Jovens e o Imaginário da Aids: notas para uma construção social do risco

Leila Jeolás

Resumo


Este artigo, baseado em pesquisa sobre o imaginário da aids entre jovens, busca compreender a noção de risco como uma categoria sociocultural, cujos significados se acumulam nos conceitos de várias áreas do conhecimento e nos usos de senso comum. O perigo, o mal e o infortúnio sempre foram moralizados e politizados nas diversas culturas humanas e a história da aids não poderia ser diferente. Os simbolismos culturais sobre contágio, doenças transmitidas pelo sexo e pelo sangue e os valores atuais da sexualidade, incluindo as relações de gênero, estão presentes na forma como os jovens representam o risco do HIV. Além disso, não se pode desconsiderar a ambivalência que os riscos assumem atualmente para os jovens: alguns negados e afastados, outros aceitos e valorizados. No caso da aids, a busca pela vertigem e pelo êxtase, componentes do sexo e das drogas, distancia o discurso dos jovens sobre risco do discurso preventivo, baseado na racionalidade do comportamento individual, assumindo valores distintos ligados a experiências cotidianas.


Palavras-chave


construção social do risco; juventude; HIV/AIDS

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/cam.v4i0.1600

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM