Cultura e Agência – o engajamento no Orçamento Participativo

Arlei Sander Damo

Resumo


Este artigo é resultado de uma pesquisa etnográfica realizada junto ao Orçamento Participativo (OP) de Porto Alegre. São privilegiados os itinerários de conselheiros(as) de uma das dezessete regiões nas quais o OP está subdividido, procurando-se investigar as razões pelas quais eles se engajaram nesta modalidade de ação política e a ordenação de suas experiências ao longo dela. O objetivo mais amplo está voltado para a compreensão do significado da participação na política, razão pela qual são privilegiados os pontos de vista dos(as) conselheiros(as), lideranças locais com reconhecida atuação no OP. Pergunta-se pelas condições de possibilidade de aquisição de “agência”, enquanto uma modalidade de ação na qual o sujeito tem em vista um projeto e busca empreendê-lo por meio de estratégias que estão ao seu alcance. A questão de fundo é, precisamente, o processo, objetivo e subjetivo, de constituição de agência e de reputação dos conselheiros no OP.


Palavras-chave


cultura; política; agência; democracia; Orçamento Participativo.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, Edinara Terezinha de. 2005. Democracia, Orçamento Participativo e Clientelismo: um estudo comparativo das experiências de Porto Alegre/RS e Blumenau/SC. Tese de Doutorado. Porto Alegre: UFRGS, Programa de Pós-Graduação em Ciência Política.

AVRITZER, Leonardo. 2000. “Teoria Democrática e Deliberação Pública”. Lua Nova 49: 25-45. https://doi.org/10.1590/S0102-64452000000200003

AVRITZER, Leonardo. 2002. Modelos de Deliberação Democrática: uma análise do orçamento participativo no Brasil. In Boaventura de Souza Santos (org.) Democratizar a Democracia. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

BOTEY, Luis Emílio Cuenca. 2007. Participando, Articulando, Cobrando… – une compréhension du Budget Participatif de Porto Alegre au travers des trajectoires sociales des dirigeants. Mémoire de Master II. Paris: EHESS/CRBC.

BOURDIEU, Pierre. 1981. “La Représentation Politique. Éléments pour une théorie du champ politique”. Actes de la Recherche em Sciences Sociales 36-37: 3-24. https://doi.org/10.3406/arss.1981.2105

BOURDIEU, Pierre. 1982. Ce que Parler Veut Dire – L’Économie des Échanges Linguistiques. Paris: Fayard.

DAMO, Arlei. 2006. “A Peça Orçamentária: os sentidos da participação na política a partir do OP porto-alegrense”. In Jurema Brites e Claudia Fonseca (orgs.) Etnografias da Participação. Santa Cruz do Sul: Editora da UNISC.

De CERTEAU, Michel. 1994. A Invenção do Cotidiano. Petrópolis: Vozes.

FEDOZZI, Luciano. 1996. Do Patrimonialismo à Cidadania: participação popular na gestão Municipal, Orçamento Participativo de Porto Alegre. Dissertação de Mestrado. Porto Alegre: UFRGS, Programa de Pós-Graduação em Sociologia.

FEDOZZI, Luciano. 2002. O Eu e os Outros: a construção da consciência social no orçamento participativo de Porto Alegre. Tese de Doutorado. Porto Alegre: UFRGS, Programa de Pós-Graduação em Sociologia.

FEDOZZI, Luciano. 2000. O Poder da Aldeia. Porto Alegre: Tomo Editorial.

FEDOZZI, Luciano. 2007. Observando o Orçamento Participativo de Porto Alegre – análise histórica de dados: perfil social e associativo, avaliação e expectativas. Porto Alegre: Tomo Editorial.

GENRO, Tarso e Ubiratan Souza. 1999. Orçamento Participativo – a experiência de Porto Alegre. São Paulo: Perseu Abramo.

KUNRATH SILVA, Marcelo. 2002. Construção da “Participação Popular”: análise comparativa de processos de participação social na discussão pública do orçamento em municípios da Região Metropolitana de Porto Alegre/RS. Tese de Doutorado. Porto Alegre: UFRGS, Programa de Pós-Graduação em Sociologia.

LÉVI-STRAUSS, Claude. 1997. “A Ciência do Concreto”. In O Pensamento Selvagem. Campinas: Papirus.

MALUF, Sonia. 2007. “Da Mente ao Corpo? A centralidade do corpo nas culturas da Nova Era”. Ilha 7: 147-161.

NAVARRO, Zander. 2002. “O ‘Orçamento Participativo’ de Porto Alegre (1989-2002): um conciso comentário crítico”. In Leonardo Avritzer e Zander Navarro (orgs.) A Inovação Democrática no Brasil. São Paulo: Cortez.

NEVEU, Catherine (org.). 2007. Cultures et Pratiques Participatives – perspectives comparatives. Paris: L’Harmattan.

ORTNER, Sherry. 2007a. “Poder e Projetos: reflexões sobre a agência”. In Miriam Pillar Grossi, Cornelia Eckert e Peter Fry (orgs) Conferências e Diálogos: saberes e práticas antropológicas. Blumenau: Nova Letra.

ORTNER, Sherry. 2007b. “Subjetividade e Crítica Cultural”. Horizontes Antropológicos 13(28): 375-405. https://doi.org/10.1590/S0104-71832007000200015

SAHLINS, Marshall. 1997a. “O ‘Pessimismo Sentimental’ e a Experiência Etnográfica: porque a cultura não é um ‘objeto’ em via de extinção” (Parte I). Mana 3(1): 41-73. https://doi.org/10.1590/S0104-93131997000100002

SAHLINS, Marshall. 1997b. “O ‘Pessimismo Sentimental’ e a Experiência Etnográfica: porque a cultura não é um ‘objeto’ em via de extinção” (Parte II). Mana 3(2): 103-150. https://doi.org/10.1590/S0104-93131997000200004

SAHLINS, Marshall. 2001. “Dos o Três Cosas que Sé acerca del Concepto de Cultura”. Revista Colombiana de Antropologia 17: 290-327. https://doi.org/10.22380/2539472X.1286

SANT’ANA, Maria Helena. 1997. Vila Cai-Cai: a lógica da habitação reciclável – um estudo da organização do espaço e do tempo em uma vila em remoção em Porto Alegre-RS. Dissertação de Mestrado. Porto Alegre: UFRGS, Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social.

SANTOS, Boaventura de Souza. 2002. “O Orçamento Participativo em Porto Alegre: para uma democracia redistributiva”. In Democratizar a Democracia. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

YONG, Iris Marion. 2001. “Comunicação e o Outro: além da democracia deliberativa”. In Jessé Souza (org.) Democracia Hoje – novos desafios para a teoria democrática contemporânea. Brasília: Ed. UnB.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/cam.v9i1.13867

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais