Cultura e Reversibilidade: breve reflexão sobre a abordagem “inventiva” de Roy Wagner

Luiz Felipe Rocha Benites

Resumo


Em meados da década de 1970, Roy Wagner, no seu livro The Invention of Culture, toma a antropologia como disciplina que inventa a cultura a partir da cultura. Alicerçado na sua experiência de campo com os Daribi, da Nova Guiné, o autor apresenta a noção de cultura como atividade criativa, na qual somos todos agentes inventivos. Nesta perspectiva, antropólogo e “nativo” realizam operações similares e, por conseguinte, o estudo da cultura consistiria na cultura do antropólogo. É ainda nesta obra que Wagner cunha o termo “antropologia reversa”, para pôr em questão a posição privilegiada do etnógrafo no que diz respeito à elaboração de uma “análise antropológica”. Diante do exposto, este artigo busca refletir sobre algumas implicações da adoção de tal perspectiva em antropologia, conectando-a a alguns debates contemporâneos da disciplina, principalmente sobre eixos como a dicotomia “nós/eles” e sobre o estatuto da etnografia.


Palavras-chave


cultura; invenção; antropologia reversa; conhecimento antropológico

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/cam.v8i2.11170

Direitos autorais