Clareza, concisão e coesão: princípios e métricas de legibilidade aplicados ao texto de pós-graduandos em Ciência da Informação

Vinícius Medina Kern, Eliane Pellegrini, Thais Carrier Mendonça, Priscila Basto Fagundes, Leonardo Lima Günther, Josiane Mello, Márcio José Sembay, Bianca Ferreira Hernandez, Rebeca Silva Fernandes de Moura Andrade, Amabile Costa, Carolina Martins Cechinel, Mariane Sperber, Rosane Oribka, Gislaine Parra Freund, Edson Mário Gavron, José María Vitaliti, Luiz Felipe Correa Chiaradia, Graciela Sardo Menezes, Everton Rodrigues Barbosa, Marcela Gaspar Custódio, Dirnele Carneiro Garcez, Marcela Reinhardt de Souza, Letícia Silvana dos Santos Estácio, Eliane Rodrigues Mota Orelo, Andreia dos Santos, Raffaela Dayane Afonso

Resumo


Introdução: a barreira da língua dificulta publicar em inglês mesmo quando há mérito científico, pois o problema começa em português, na dificuldade em escrever como a ciência requer. Qual o impacto da aplicação de princípios de clareza, concisão e coesão na extensão e legibilidade de textos científicos? Esta pesquisa objetivou verificar esse impacto ao comparar extensão e indicadores de legibilidade antes e após a aplicação dos princípios. Método: vinte e cinco estudantes de pós-graduação em Ciência da Informação anotaram um texto científico próprio e o de três colegas, em revisão por pares duplo-cega, indicando problemas de estilo de quatro tipos: palavra desnecessária, distância sujeito-verbo excessiva, nominalização excessiva e contextualização tardia. Cada autor reelaborou seu próprio texto para resolver os problemas anotados. Os textos originais e reelaborados foram comparados em extensão e escore de facilidade de leitura de Flesch. Textos originais e reelaborados da literatura também foram mensurados como referência. Resultados: Todos os textos diminuíram em extensão após reelaborados, embora tenha havido mais atenção a problemas gramaticais do que aos quatro problemas de estilo. Houve 13 aumentos, duas manutenções e 10 diminuições nos escores de legibilidade. Esse resultado é compatível com o estudo-referência com textos da literatura. Conclusão: a aplicação dos princípios de legibilidade diminui a extensão e, em acordo com a literatura, tem impacto duvidoso no escore de legibilidade. Resta investigar a traduzibilidade comparada para verificar o pressuposto de que aplicar os princípios é "escrever em inglês em português".


Palavras-chave


Pós-graduação em ciência da informação; Métricas de legibilidade; Comunicação científica; Revisão pelos pares; Redação científica.

Texto completo:

PDF

Referências


Albán Defilippi, M. T., Miller, K. L., & Ramirez-Avila, M. R. (2020). Collaboration to improve descriptive writing facilitated by Padlet: an English as a Foreign Language (EFL) action research study. AtoZ, 9(1), 54-60. doi: http://dx.doi.org/10.5380/atoz.v9i1.73517.

Barnett, A., & Doubleday, Z. (2020). Science is becoming less readable as the number of new acronyms boom. SocArXiv preprint, v. 01. https://osf.io/y7zqb/

Cuenca, A. M. B., Paula, D. D., & França Junior, I. (2017). Desenvolvimento da habilidade na escrita e a produção científica: cursos são necessários? Revista Eletrônica de Comunicação, Informação e Inovação em Saúde, 11(3). doi: https://doi.org/10.29397/reciis.v11i3.1166.

Fages, D. M. (2020). Write better, publish better. Scientometrics, 122(3), 1671-1681. doi: https://doi.org/10.1007/s11192-019-03332-4.

Ferreira, O. C. A. (2015). Atributos de qualidade da informação. Revista Ibero-Americana de Ciência da Informação, 8(2), 276-277.

Flesch, R. (1948). A new readability yardstick. Journal of Applied Psychology, 32(3), 221-233. doi: https://doi.org/10.1037/h0057532.

Guimarães, J. A. (2004). A pesquisa médica e biomédica no Brasil: comparações com o desempenho científico brasileiro e mundial. Ciência & Saúde Coletiva, 9(2), 303-327. doi: https://doi.org/10.1590/S1413-81232004000200009.

Kincaid, J. P., Fishburne Jr, R. P., Rogers, R. L., & Chissom, B. S. (1975). Derivation of new readability formulas (automated readability index, fog count and flesch reading ease formula) for navy enlisted personnel. Naval Technical Training Command, Research Branch Report 8-75. Millington, TN: Naval Air Station, 40 p. Recuperado de http://www.dtic.mil/get-tr-doc/pdf?AD=ADA006655

McClure, G. M. (1987). Readability formulas: Useful or useless? IEEE Transactions on Professional Communication, 33(1), 12-15. doi: http://doi.org/10.1109/TPC.1987.6449109.

Meadows, A. J. (1999). A comunicação científica. Brasília-DF: Briquet de Lemos. 268 p.

Morato, J., Sánchez-Cuadrado, S., & Gimmelli, P. (2018). Estimación de la comprensibilidad en paneles de museos. El profesional de la información, 27(3), 570-581. doi: https://doi.org/10.3145/epi.2018.may.10.

Mubin, O., Tejlavwala, D., Arsalan, M., Ahmad, M., & Simoff, S. (2018). An assessment into the characteristics of award winning papers at CHI. Scientometrics, 116(2), 1181-1201. doi:

Rabinowitz, H., & Vogel, S. (Eds.). (2009). The manual of scientific style: a guide for authors, editors, and researchers. Burlington-MA, San Diego-CA, London: Academic Press.

Sheehan, K. M. (2013). Measuring cohesion: An approach that accounts for differences in the degree of integration challenge presented by different types of sentences. Educational Measurement: Issues and Practice, 32(4), 28-37. doi: http://dx.doi.org/10.1111/emip.12017.

Sheffield, N. (2011). Scientific writing: clarity, conciseness, and cohesion. Institute for Genome Sciences and Policy, Duke University, in collaboration with Duke Writing Studio. Updated September 8, 2011. Recuperado de https://cgi.duke.edu/web/sciwriting/resources/201108_DukeScientificWritingWorkshop.pdf

Sordi, J. O. (2009). Análise da coesão entre seções de textos de documentos extensos a partir da aplicação conjunta das técnicas de análise de redes sociais e referências internas. Perspectivas em Ciência da Informação, 14(1), 152-169. doi: https://doi.org/10.1590/S1413-99362009000100011.

Strunk, W., & White, E. B. (1999). The elements of style, 4th ed. New York: Longman.

Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura). (2015). Relatório de ciência da Unesco: Rumo a 2030 – visão geral e cenário brasileiro. Paris: Unesco, 60 p. Recuperado de http://unesdoc.unesco.org/images/0023/002354/235407por.pdf

Volpato, G. L. (2007). Bases teóricas para redação científica... por que seu artigo foi negado? São Paulo: Cultura Acadêmica.

Volpato, G. L. (2011). Método lógico para redação científica. Botucatu-SP: Best Writing.

Wikipedia contributors (2021, January 31). Flesch–Kincaid readability tests. In Wikipedia, The Free Encyclopedia. Recuperado de https://en.wikipedia.org/w/index.php?title=Flesch%E2%80%93Kincaid_readability_tests&oldid=1004021607.

Wikipedia contributors. (2018, January 21). Readability. In Wikipedia, The Free Encyclopedia. Recuperado de https://en.wikipedia.org/w/index.php?title=Readability&oldid=821584226.

Wu, J. (2011). Improving the writing of research papers: IMRAD and beyond. Landscape Ecology, 26(10), 1345–1349. doi: https://doi.org/10.1007/s10980-011-9674-3.

Zinsser, W. (2001). On writing well: The classic guide to writing nonfiction, 25th anniv. ed. New York: Harper Resource.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/atoz.v10i2.77975

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Serviços de indexação e agregadores

Web of Science
Directory of Open Access Journals
Sumários.org: sumários de revistas brasileiras
Google Acadêmico
LivRe! Portal para periódicos de livre acesso na Internet
InfoBCI
Latindex Catálogo
Bielefeld Academic Search Engine
INFOBILA: Información Bibliotecológica Latinoamericana
REDIB (Red Iberoamericana de Innovación y Conocimiento Científico)
Brapci (Base de Dados Referencial de Artigos de Periódicos em Ciência da Informação Brapci (Base de Dados Referencial de Artigos de Periódicos em Ciência da Informação

Universidade Federal do Paraná
Mestrado e Doutorado Interdisciplinar em Gestão da Informação
ISSN: 2237-826X
Qualis (2013-2016):
B2 - Comunicação e Informação
B4 - Planejamento Urbano e Regional/Demografia; Saúde Coletiva; Interdisciplinar
B5 - Arquitetura, Urbanismo e Design; Engenharias III
Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional
Esta obra foi licenciada sob uma Licença
Creative Commons Atribuição 4.0 Não Adaptada