Open Journal Systems

Sobrecarga de informação na tomada de decisão: legitimação de escalas e sua relação com a necessidade de cognição do decisor

Icaro de Oliveira Vieira, Edelvino Razzolini Filho

Resumo


O desafio que se vislumbra para o processo decisório é a percepção da quantidade de informação como uma variável a ser controlada. A tomada de decisão do gestor, por sua vez, se vincula a sua base cognitiva. O presente trabalho tem como objetivo a busca de evidências de validade psicométrica, através das técnicas critério e construto, de dois instrumentos psicométricos para a mensuração da sobrecarga de informação na tomada de decisão e eventuais relações com a necessidade de cognição do decisor. Para a análise, se pretende apreciar uma amostra formada por estudantes de pós-graduação. Para a legitimação dos instrumentos se utilizará a técnica estatística denominada análise fatorial por ela possuir a capacidade de determinar o grau de influência de uma dada variável na explicação de um fator. Para o tratamento dos dados, se utilizará de diversos métodos estatísticos. Este estudo busca encontrar evidências acerca do impacto que a variável cognição do gestor experimenta na presença de sobrecarga de informação. Suas principais contribuições seriam: (i) a verificação da existência de sobrecarga de informação na tomada de decisão e eventual relação com a necessidade de cognição do decisor; (ii) a mensuração da sobrecarga de informação e a necessidade de cognição do decisor em situações caracterizadas no âmbito organizacional; (iii) elaboração de um quadro conceitual por meio do qual seja possível a visualização de eventual relação entre o volume de informação e a necessidade de cognição do tomador de decisão.

Palavras-chave


Parâmetros psicométricos; Análise do comportamento; Legitimação de escalas.

Texto completo:

PDF

Referências


Altoé, S. M. L. (2017). Associação dos estilos de liderança no uso do sistema de controle gerencial e o efeito moderador das características observáveis de gestores de topo: evidências em empresas familiares do segmento supermercadista. Tese de doutorado, Universidade Federal do Paraná, Paraná.

Anastasi, A., & Urbina, S. (2000). Testagem psicológica. Porto Alegre: Artmed. Anthony, R. N., & Govindarajan, V. (2008). Sistemas de controle gerencial (12a ed.). São Paulo: McGraw-Hill.

Appel, M., Gnambs, T., & Maio, G. R. (2012). A short measure of the need for affect. Journal of Personality Assessment, 94(4), p. 418-426.

Avelino, A. F. A.; Löbler, M. L. & Flaviano, V. (2015). Sobrecarga de informação no processo decisório: O papel da motivação epistêmica na resposta individual. Anais do Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração (Enanpad), Belo Horizonte, MG, Brasil, 39.

Beltramini, R. F. (1988). High technology salespeople’s information acquisition strategies. Journal of Personal Selling & Sales Management, 8(1), p. 37-44.

Byrne, B. M. (2016). Structural equation modeling with AMOS: basic concepts, applications, and programming. Londres: Routledge.

Cacioppo, J. T., & Petty, R. E. (1982). The need for cognition. Journal of Personality and Social Psychology, v. 42(1), p. 116.

Cacioppo, J. T., Petty, R. E., & Feng Kao, C. (1984). The efficient assessment of need for cognition. Journal of Personality Assessment, 48(3), p. 306-307.

Cacioppo, J. T., Petty, R. E., Feistein, J. A., & Jarvis, B. G. (1996). Dispositional differences in cognitive motivation: the life and times of individuals varying in need for cognition. Psychological Bulletin, 119(2), p. 197-253.

Cäniels, M. C. J., & Bakens, R. J. J. M. (2012). The effects of project management information systems on decision making in a multi project environment. International Journal of Project Management, 30(2), p. 162-175.

Carnevale, J. J., Inbar, Y., & Loerner, J. S. (2011). Individual differences in need for cognition and decisionmaking competence among leaders. Personality and Individual Differences, 51(3), p. 274-278.

Castells, M. (1999). Sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra. Chen, Y., Shang, R., & Kao, C. (2009). The effects of information overload on consumers’ subjective state towards buying decision in the internet shopping environment. Eletronic Commerce Research and Applications, 8(1), p. 48-58.

Cheung, C. M. K., Xiao, B. S., & Liu, I. L.B. (2014). Do actions speak louder than voices? The signaling role of social information cues in influencing consumer purchase decisions. Decision Support Systems, 65, p. 50-58.

Clark, L. A., & Watson, D. (1995). Constructing validity: basic issues in objective scale development. Psychological Assessment, 7(3), p. 309.

Cronbach, L. (1996). Fundamentos da testagem psicológica. Porto Alegre: Artmed.

Elliott, W. B., Hodge, F., Kennedy, J., & Pronk, M. (2007). Are MBA students a good proxy for nonprofessional Investors? The Accounting Review, 82(1), p. 139- 168.

Fachel, J. M. G., & Camey, S. (2000). Avaliação psicométrica: a qualidade das medidas e o entendimento dos dados. Psicodiagnóstico, 5, p. 158-170.

Gao, J., Zhang, C., Wang, K., & Ba, S. (2012). Understanding online purchase decision making: the effects of unconscious thought, information quality, and information quantity. Decision Support Systems, 53(4), p. 772-781.

Gleick, J. (2013). A informação: uma história, uma teoria, uma enxurrada. São Paulo: Companhia das Letras.

Hair, J. F., Anderson, R., Tatham, R., & Black, W. (1998). Multivariate data analysis. Upper Saddie River, NJ: Prentice Hall.

Hambrick, D. C., & Mason, P. A. (1984). Upper echelons: the organization as a reflection of its top managers. Academy of Management Review, 9(2), p. 193 – 206.

Jacoby, J., Speller, D. E., & Kohn, C. A. (1974). Brand choice behavior as a function of information load. Journal of Marketing Research, 11(1), p. 63-69.

Keller, K. L., & Staelin, Richard. (1987). Effects of quality and quantity of information on decision effectiveness. Journal of consumer research, 14(2), p. 200-213.

Kuksov, D., & Villas-Boas, J. M. (2010). When more alternatives lead to less choice. Marketing Science, 29(3), p. 507-524.

Lima, R. N., Filho, Bruni, A. L., & Menezes, I. G. (2013). Validação do teste need for cognition: um estudo em contabilidade comportamental. Psicologia: Ciência e Profissão, 33(1), p. 112-131.

Liyanarachchi, G. A., & Milne, M. J. (2005). Comparing the investment decisions of accounting practitioners and students: an empirical study on the adequacy of student surrogates. Accounting Forum, 29(2), 121–135. Recuperado de 10.1016/j.accfor.2004.05.001

Lord, K. R., & Putrevu, S. (2006). Exploring the dimensionality of the need for cognition scale. Psychology & Marketing, 23(1), p. 11-34.

Maio, G. R., & Esses, V. M. (2001).The need for affect: individual differences in the motivation to approach or avoid emotions. Journal of Personality, 69(4), p. 583- 614.

Moritz, G. O. (2006). Processo decisório. Florianópolis: SEAD/UFSC. Noronha, A. P. P., & Alchieri, J. C. (2002). Reflexões sobre os instrumentos de avaliação psicológica. In PRIMI, Ricardo. (Org.). Temas em Avaliação Psicológica. Campinas: IBAP, p. 7-16.

Nunnally, J. C. (1991). Teoría psicométrica. México: Trillas. Pasquali, L. (2010). Instrumentação psicológica: fundamentos e Práticas. Porto Alegre: Artmed.

Pasquali, L. (2001). Técnicas de exame psicológico – TEP: manual (v. 1). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Pasquali, L. (2003). Psicometria: teoria dos testes na psicologia e na educação. Petrópolis, RJ: Vozes.

Roberts, K. H., & O’Reilly, C. A. (1974). Measuring organizational communication. Journal of Applied Psychology, 59(3), p. 321.

Santos, L. G. (2011). Politizar as novas tecnologias: o impacto sociotécnico da informação digital e genética. São Paulo: Editora 34.

Silva, J., & Garcia-Marques, T. (2006). Medindo necessidade de cognição e fé na intuição: tradução e adaptação das duas escalas à população Portuguesa. Laboratório Psicologia, 4(1), p. 29-43.

Simon, H. A. (1963). A capacidade de decisão e liderança. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura. Simon, H. A. (1970). Comportamento administrativo: estudo dos processos decisórios nas organizações (2a ed.). Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas.

Tabachnick, B. G., & Fidell, L. S. (2013). Using multivariate statistics. Needham Heights, MA, USA: Allyn & Bacon/Pearson Education.

Tanaka, J. S., Panter, A. T., & Winborne, W. C. (1988). Dimensions of the need for cognition: subscales and genderd differences. Multivariate Behavioral Research, 23(1), p. 35-50.

Toffler, A. (1971). Future shock. New York: Bantam. Van Kolck, O. L. (1981). Técnicas de exame psicológico e suas aplicações no Brasil. Petrópolis: Vozes.

Vieira, I. O., & Razzolini, E., Filho. (2018). Estado do conhecimento sobre sobrecarga de informação na tomada de decisão em artigos científicos no período ente 2007 e 2016. Anais do Encontro de Estudos Sobre Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas (Egepe), São Paulo, SP, Brasil, 10.

Vieira, I. O., & Razzolini, E., Filho. (no prelo). Sobrecarga de informação e processo decisório: uma discussão por meio de revisão sistemática. Anais do Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração (Enanpad), Curitiba, PR.

Wurman, R. S. (2005). Ansiedade de informação 2. São Paulo: Editora Cultura.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/atoz.v8i1.67257

Apontamentos

  • Não há apontamentos.