Identificando propriedades essenciais de registros eletrônicos de saúde

Elisa Tuler de Albergaria, Marcello Peixoto Bax, Raquel Oliveira Prates, Zilma Silveira Nogueira Reis

Resumo


Introdução: Inserido no desafio de possibilitar a interação de profissionais da saúde com prontuários eletrônicos baseados na Norma ISO 13606 permitindo a personalização de interface ao mesmo tempo que se preserva a estrutura e padronização dos Sistemas de Registros Eletrônicos de Saúde (S-RES), o presente recorte objetiva caracterizar propriedades essenciais de S-RES - flexibilidade, padronização e estrutura e facilidade de interação - analisando-se três destes sistemas. Método: Utilizou-se o método de Design Science Research que busca gerar conhecimento teórico a partir da resolução de um problema prático (identificado no contexto da investigação mais ampla). Mais especificamente, no objetivo explicitado neste recorte, efetivou-se uma revisão de literatura sobre os requisitos existentes e dificuldades dos usuários dos sistemas S-RES, seguida de um levantamento e caracterização das propriedades essenciais dos S-RES e do estabelecimento de critérios de análise. O método de inspeção completa a proposta metodológica, visto que as questões (que indicam os critérios) foram apresentadas a dois especialistas para a análise dos Sistemas. Resultados: No recorte proposto, as propriedades levantadas como essenciais dos sistemas foram caracterizadas e analisadas em três S-RES. Confirmou-se a importância das propriedades essenciais destes tipos de sistemas, ainda que verifique a dificuldade de serem atendidas em um mesmo sistema. Conclusão: Os desafios postos aos S-RES não são pontuais ou mesmo de um contexto de uso. Como trabalho futuro propõe-se a criação de um modelo de interface extensível de interface para sistemas de Registro Eletrônico de Saúde baseados na ISO 13606.

Palavras-chave


Informática em Saúde; Registros eletrônicos de saúde; Interface humano-computador; Propriedades de sistemas informatizados

Texto completo:

HTML EPUB PDF

Referências


Abrahão, M. S. (2003). A segurança da informação digital na saúde. Sociedade Beneficente Israelita Brasileira.

Albergaria, E. T., Bax, M. P., & Prates, R. O. (2013). Interação Humano Computador na Ciência da Informação. In XIV ENANCIB - Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação. Florianópolis: Ancib; UFSC. Recuperado de http://enancib.sites.ufsc.br/index.php/enancib2013/XIVenancib/paper/view/343

Albergaria, E. T., Bax, M. P., Prates, R. O., & Rocha, L..(2014a). Caracterizando desafios de interação em ferramentas de modelagem de dados clínicos. In XIV Congresso Brasileiro em Informática em Saúde. Santos.

Albergaria, E. T., Bax, M. P., Prates, R. O., & Rocha, L. C. D. (2014b). Caracterizando os desafios na modelagem dos dados clínicos em sistemas de RES baseados no OpenEHR. In WIM - XIV Workshop de Informática Médica; XXXIV Congresso da Sociedade Brasileira de Computação. Brasília: UNB.

Alves, A. F. (2015). Implementação do OpenEHR para uma aplicação móvel de registro eletrônico de saúde: Estudo em uma empresa de saúde. In II Seminário Tecnologias Aplicadas a Educação e Saúde. UNEB. Recuperado de http://www.revistas.uneb.br/index.php/staes/articleview/1614

Barbosa, S. D. J., & Silva, B. S. (2010). Interação humano-computador.Campus-Elsevier.

Barlow, J., Rada, R., & Diaper, D. (1989, April). Interacting with computers. Interacting with Computers, 1(1), 39–42. doi:10.1016/0953-5438(89)90006-4

Bax, M. P. (2013, maio/ago.). Design science: filosofia da pesquisa em ciência da informação e tecnologia. Ciência da informação, 42(2), 298–312. Recuperado de http://revista.ibict.br/ciinf/article/view/1388 doi:10.18225/ci.inf..v42i2.1388

Bayer, R., Santelli, J., & Klitzman, R. (105). New challenges for electronic health records: confidentiality and access to sensitive health information about parents and adolescents. Journal of the American Medical Association, 313(2), 29–30. doi: 10.1001/jama.2014.15391

Beale, T. (2002). Archetypes: Constraint-based domain models for future-proof information systems. In OOPSLA 2002 Workshop on Behavioural Semantics. Seattle.

Bodenreider, O. (2004). The unified medical language system (UMLS): integrating biomedical terminology. Nucleic Acids Research, 32(Database issue), 267–270. doi:10.1093/nargkh061

Busato, C. (2015). Funcionalidades para sistemas de registro eletrônico em saúde na atenção primária à saúde (Dissertação de Mestrado em Epidemiologia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil). Recuperado de https://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/115081/000953386.pdf?sequence=1

Certification Commission for Health Information Technology. (2011). CCHIT Ambulatory EHR: Certification criteria. Recuperado em Dez. 2015, de http://www.cchit.org/

Clarke, M. A., Steege, L. M., Moore, J. L., Belden, J. L., Koopman, R. J., & Kim, M. S. (2013). Addressing human computer interaction issues of electronic health record in clinical encounters. In A. Marcus (Ed.), Design, user experience, and usability: Health, learning, playing, cultural, and cross-cultural user experience (p. 381–390). Berlin, Germany: Springer.

Costa, E. (2005). Prontuário do paciente: informações para a gestão em saúde (Monografia de conclusão do Curso Técnico de Gestão nos Serviços de Saúde). Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

de Souza, C. S.,& Barbosa, S. D. J. (2006). A semiotic framing for end-user development. In H. Lieberman, F. Paternò, & V. Wulf (Eds.), End user development (p. 401–426). New York, USA: Springer.

Detmer, D., Bloomrosen, M., Raymond, B., & Tang, P. (2008, Oct.). Integrated personal health records: Transformative tools for consumer-centric care. BMC Medical Informatics and Decision Making, 8(45). doi: 10.1186/1472-6947-8-45

Dick, R. S., Steen, E. B., & Detmer, D. E. (1997). The computer-based patient record: An essential technology for health care, revised edition. The National Academies Press. doi: 10.17226/5306

Fischer, G. (2007). Meta-design: Expanding boundaries and redistributing control in design. In C. Baranauskas, P. Palanque, J. Abascal, & S. D. J. Barbosa (Eds.), Human-computer interaction – interact 2007: 11th ifip tc 13 international conference, Rio de Janeiro, Brazil, september 10-14, 2007, proceedings, part i (p. 193–206). Berlin, Heidelberg: Springer Berlin Heidelberg. doi:10.1007/978-3-540-74796-3_19

Gibbons, M. C., Lowry, S. Z., & Patterson, E. S. (2014). Applying human factors principles to mitigate usability issues related to embedded assumptions in health information technology design. JMIR Human Factors, 1(1). doi:10.2196/humanfactors.3524

Healthcare Information and Management Systems Society.(2003). HIMSS eletronic health record definitional model: Version 1.1. openclinical: Electronic medical records. Recuperado em Dez. 2015, de http://www.openclinical.org/emr.html#HIMSS2003

Hillestad, R., Bigelow, J., Bower, A., Girosi, F., Meili, R., Scoville, R., & Taylor, R. (2005, Sep.). Can electronic medical record systems transform health care? potential health benefits, savings, and costs. Health Affairs, 24(5), 1103–1117. doi: 10.1377/hlthaff.24.5.1103

International Organization for Standardization. (2005). ISO/TR 20.514:2005. Health Informatics – Electronic health record – Definition, scope and context. Recuperado de http://www.iso.org/iso/iso_catalogue/catalogue_tc/catalogue_detail.htm?csnumber=39525

Lieberman, H., Paternò, F., Klann, M.,&Wulf, V. (2006). Enduser development: An emerging paradigm. In H. Lieberman, F. Paternò,&V.Wulf (Eds.), End user development. Dordrecht: Springer Netherlands. doi: 10.1007/1-4020-5386-X_1

Maia, T. A. (2015). Processo de desenvolvimento de arquétipos do registro eletrônico em saúde em minas gerais: Estudo de caso (Dissertação de Mestrado Profissional em Sistemas de Informação e Gestão do Conhecimento, Universidade FUMEC, Belo Horizonte, MG, Brasil). Recuperado de http://www.fumec.br/revistas/sigc/article/view/2685/1620

Marin, H. F., & Azevedo, R. S. (2003). O prontuário eletrônico do paciente na assistência, informação e conhecimento médico. São Paulo: H. de F. Marin.

Massad, E., Marin, H. F., & Azevedo, R. S. (2003). O prontuário eletrônico do paciente na assistência, informação e conhecimento médico. São Paulo: H. de F. Marin.

Moran, T. P. (1981, July). The command language grammar: a representation for the user interface of interactive computer systems. International Journal of Man-Machine Studies, 15(1), 3–50. doi: 10.1016/S0020-7373(81)80022-3

Nielsen, J., & Molich, R. (1990). Heuristic evaluation of user interfaces. In SIGCHI Conference on Human Factors in Computing Systems (p. 249–256). ACM. doi:10.1145/97243.97281

Pessanha, C. P., & Bax, M. P. (2015). Implementando o prontuário eletrônico OpenEHR em sistemas gestores de conteúdo: uma aproximação. In XVI ENANCIB - Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação. João Pessoa: Ancib; UFPB. Recuperado de http://www.ufpb.br/evento/lti/ocs/index.php/enancib2015/enancib2015/paper/view/2756

Preece, J., Rogers, Y., Sharp, H., Benyon, D., Holland, S., & Carey, T. (1994). Human computer interaction. England: Addison Wesley.

Ratwani, R. M., Fairbanks, R. J., Hettinger, A. Z., & Benda, N. C. (2015). Electronic health record usability: analysis of the user-centered design processes of eleven electronic health record vendors. Journal of the American Medical Informatics Association, 22(6), 1179–1182. doi:10.1093/jamia/ocv050

Santos, M. (2011). Sistema de registro eletrônico de saúde baseado na norma ISO 13606: Aplicações na Secretaria de Saúde de Estado de Minas Gerais (Tese de Doutorado em Ciência da Informação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte). Recuperado de http://www.bibliotecadigital.ufmg.br/dspace/bitstream/handle/1843/ECIC-8L8HFJ/tese_eci_ufmg____marcelo_rodrigues_dos_santos___2011.pdf?sequence=1

Simon, H. A. (1996). The sciences of the artificial (3a. ed.). USA: MIT Press.

Sociedade Brasileira de Informática em Saúde. (2013). Manual de certificação para sistemas de Registro Eletrônico em Saúde (S-RES): versão 4.1. Recuperado de http://www.sbis.org.br/certificacao/Manual_Certificacao_SBIS-CFM_2013_v4-1.pdf

Spooner, S. A. (2007). Special requirements of electronic health record systems in pediatrics. Pediatrics, 119(3), 631–637. Recuperado de http://pediatrics.aappublications.org/content/119/3/631

Wieringa, R. (2009). Design science as nested problem solving. In Proceedings of the 4th international conference on design science research in information systems and technology (p. 8:1–8:12). New York, NY, USA: ACM. doi:10.1145/1555619.1555630

Zahabi, M., Kaber, D. B., & Swangnetr, M. (2015, Aug.). Usability and safety in electronic medical records interface design: A review of recent literature and guideline formulation. Human Factors Factors, 57(8), 805–834. doi:10.1177/0018720815576827




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/atoz.v5i1.44738

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Serviços de indexação e agregadores

Web of Science
Directory of Open Access Journals
Sumários.org: sumários de revistas brasileiras
Google Acadêmico
LivRe! Portal para periódicos de livre acesso na Internet
InfoBCI
Latindex Catálogo
Bielefeld Academic Search Engine
INFOBILA: Información Bibliotecológica Latinoamericana
REDIB (Red Iberoamericana de Innovación y Conocimiento Científico)
Brapci (Base de Dados Referencial de Artigos de Periódicos em Ciência da Informação Brapci (Base de Dados Referencial de Artigos de Periódicos em Ciência da Informação

Universidade Federal do Paraná
Mestrado e Doutorado Interdisciplinar em Gestão da Informação
ISSN: 2237-826X
Qualis (2013-2016):
B2 - Comunicação e Informação
B4 - Planejamento Urbano e Regional/Demografia; Saúde Coletiva; Interdisciplinar
B5 - Arquitetura, Urbanismo e Design; Engenharias III
Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional
Esta obra foi licenciada sob uma Licença
Creative Commons Atribuição 4.0 Não Adaptada