Open Journal Systems

TOLERÂNCIA DE MUDAS DE CAFÉ CONILLON (Coffea canephora) A HERBICIDAS APLICADOS EM PÓS-EMERGÊNCIA

Oscar Mitsuo YAMASHITA, João Vítor Nogueira ORSI, Ostenildo Ribeiro CAMPOS, Frederico da Silva MENDONÇA, Dennis Daniel RESENDE, Claudinei KAPPES, Sebastião Carneiro GUIMARÃES

Resumo


São poucos os herbicidas à disposição dos cafeicultores para a aplicação de pós-emergência em cafezais em formação. O presente trabalho foi realizado com objetivo de avaliar a tolerância de mudas de cafeeiro a herbicidas aplicados em pós-emergência. Os herbicidas bentazon, oxyfluorfen, haloxyfop-methyl, imazethapyr, fomesafen e lactofen, foram aplicados sobre as plantas. Foram utilizadas 35 mudas de Coffea canephora, da variedade conillon, acondicionadas em vasos plásticos de 3,5 dm3, com cinco pares de folhas definitivas. Realizou-se a aplicação dos herbicidas diretamente sobre as mudas, em ambiente protegido. As avaliações foram realizadas semanalmente até os 49 dias após a aplicação. Foram realizadas avaliações visuais de fitointoxicação dos herbicidas às plantas de café e, também, avaliações de altura, número de folhas, diâmetro de caule, massa verde e seca da parte aérea e do sistema radicular, além do comprimento do sistema radicular dessas plantas. Todos os herbicidas testados provocaram sintomas de fitointoxicação considerados como leves a moderados, com visual recuperação das plantas até os 49 dias após a aplicação. Os herbicidas que apresentaram maior seletividade para aplicação foram haloxyfop-methyl e imazethapyr, assim como também, o oxyfluorfen. Não houve redução da altura, massa seca de raízes e parte aérea, quando comparadas à testemunha.


Palavras-chave


fitointoxicação; seletividade; desenvolvimento; phytointoxication; selectivity; development

Texto completo:

PDF (English)


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/rsa.v10i2.13589