Mineração do ouro no período colonial: alterações paisagísticas antrópicas na serra de Ouro Preto, Minas Gerais

Frederico Sobreira

Resumo


A descoberta do ouro nas cabeceiras da bacia do ribeirão do Carmo em fins do século XVII provocou um processo migratório na província de Minas Gerais e o surgimento de vários povoados, que originaram posteriormente as vilas que hoje são as cidades de Ouro Preto e Mariana. As atividades de mineração ocorreram tanto no leito dos cursos de água como nas vertentes da serra de Ouro Preto e no interior dos maciços, neste caso por trabalhos subterrâneos. Entre os processos utilizados, o desmonte manual ou hidráulico dos depósitos de vertentes e do substrato mais friável foi o procedimento que deixou os vestígios mais marcantes das atividades mineiras, representados por grandes áreas escavadas e totalmente modificadas em relação à sua morfologia e estabilidade originais. Os principais sítios destas atividades, pela extensão e volume de material mobilizado, estão nas vertentes da serra nos atuais limites a norte da área urbana de Ouro Preto, já parcialmente ocupada pela malha urbana, e nas encostas e topos a montante da área urbana do distrito de Passagem de Mariana (Mariana), cobrindo uma área total de cerca de 300 hectares. Estas áreas foram delimitadas e caracterizadas como áreas de erosão tecnogênica, sendo possível em alguns locais a reconstituição da paisagem original a partir de testemunhos topográficos e a estimativa do volume de material retirado. Porém, os depósitos correlatos a estes processos erosivos foram destruídos pela dragagem do ribeirão na década de 1980 por companhia de mineração. Esta paisagem modificada tem importância histórica e cultural para as cidades e a região, e deve ser integrada ao seu patrimônio geomineiro como testemunho da capacidade de alteração do meio físico pela ação antrópica, mesmo com técnicas primitivas.


Palavras-chave


Erosão tecnogênica; Mineração no século XVIII; Ouro Preto

Texto completo:

PDF

Referências


Calógeras J.P. 1904. As minas do Brasil e sua legislação. Companhia Editora Nacional, Rio de Janeiro, 508p.

Cavalcanti J.A. 1999. Mineração aurífera de Lages-Antonio Dias, Ouro Preto, MG: controles lito-estratigráficos e estruturais. 108p. Dissertação de Mestrado, Instituto de Geociências, Unicamp, 108p.

Door II J.V.N. 1969. Physiographic, Stratigraphic and Structural Development of the Quadrilátero Ferrífero, Minas Gerais, Brazil. United States Geological Survey, Professional Paper 641-A, 110p.

Eschwege W.L. 1833. Pluto Brasiliensis. Re-edição 1944, Cia Editora Nacional, São Paulo, 2v.

Ferrand P. 1894. L’or a Minas Geraes. Imprensa Official do Estado de Minas Geraes, Belo Horizonte, v. II, p.22-39.

Lacourt F. 1937. Jazidas auríferas de Ouro Preto e Mariana. Mineração e Metalurgia, Jul-A:87-95.

Lima H.M., Miranda J.F. 1996. Os 300 Anos da Atividade Garimpeira na Região de Ouro Preto e Mariana, Minas Gerais. Revista da Escola de Engenharia da UFRGS, Porto Alegre, 17:12-18.

Sobreira F.G. 1991. Riscos Geológicos: definição de pontos críticos em Ouro Preto. Revista da Escola de Minas, 44:213-223.

Sobreira F.G., Fonseca M.A. 2001. Impactos físicos e sociais de antigas actividades de mineração em Ouro Preto, Brasil. Geotecnia, 92:5-28.

Sobreira F.G., Lima H.M., Domingues A.L., Vicentim F.V. 2005. Alterações paisagísticas pela extração do ouro do século XVIII no distrito de Passagem de Mariana (município de Mariana, MG). In: I Simpósio brasileiro sobre o Tecnógeno, 2005, Guarapari. Anais do X Congresso da Associação brasileira de estudos do Quaternário. São Paulo: ABEQUA, CD-ROM.

Tavares R.B. 2006. Atividades extrativas minerais na bacia do Alto Ribeirão do Carmo: da descoberta do ouro aos dias atuais. 2006. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Ouro Preto, 103p.

Vial D.S., Duarte B.P., Fuzikawa K., Vieira M.B.H. 2007. An epigenetic origin for the Passagem de Mariana gold deposit, Quadrilátero Ferrífero, Minas Gerais, Brazil. Ore Geology Reviews, 32:596-613




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/abequa.v5i1.34432

Quaternary Environmental Geosciences