Open Journal Systems

Emoção, Razão e Ação em Kant

Maria Borges

Resumo


Embora Kant nunca tenha usado a palavra "emoção" em seus escritos, ela tem um significado vital para entender sua filosofia. Nesta palestra, ofereço uma leitura do papel das emoções, levando em conta suas múltiplas manifestações na obra de Kant, incluindo afetos e paixõees. Eu exploro como, na visão de mundo de Kant, nossas ações são informadas, contextualizadas e dependentes da tensão entre emoção e razão. Por um lado, há emoções morais positivas que podem e devem ser cultivadas. Por outro lado, afetos e paixõees são considerados doenças da mente, na medida em que levam à fraqueza da vontade, no caso dos afetos, e ao mal, no caso das paixõees. Entender o papel dessas emoções enriquece nossa compreensão da teoria moral de Kant.


Palavras-chave


emoção, simpatia, ação, afeto, paixão

Texto completo:

PDF

Referências


AMERIKS, K. “Kant and Motivation Externalism”. In: KLEMME, H.; KUHN, M.

SCHONEKER, B. D. (orgs.). Moralische Motivation, 2006.

De WITT, J. “Respect for moral law: the Emotional Side of Reason”. Philosophy, 2003

FRIERSON, P. Kant’s empirical psychology. Cambridge, Cambridge University Press, 2014.

GUYER, Paul. Virtues of Freedom. Oxford: Oxford University Press, 2016.

MORRISON, I. Kant and the Role of Pleasure in Moral Action. Athens: Ohio University Press, 2008.

SHERMAN, N. “The Place of Emotions in Kantian Morality”. In: FLANAGAN; RORTY. Identity, Character and Morality, Essays in Moral Psychology. Cambridge: MIT Press, 1990.

SORENSEN, K. “Kant’s taxonomy of emotions”, Kantian Review, n. 6 (2002).




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/sk.v16i2.89789

Apontamentos

  • Não há apontamentos.