Open Journal Systems

A dimensão universal e intersubjetiva da felicidade em Kant

Giorgia Cecchinato

Resumo


Este artigo procura mostrar que a doutrina moral kantiana considera a felicidade não apenas em sentido empírico, mas também na sua universalidade, como fim natural, e numa dimensão chamada por nós "intersubjetiva" - ou seja, na dimensão dos deveres de virtude. Pois na Metafísica dos costumes Kant amplia a sua perspectiva até ali formal, admitindo fins da vontade que a razão põe como deveres imperfeitos. Entre este fins há o fim de perseguir a felicidade dos outros. Argumenta-se que Kant alcança esta dimensão com um procedimento análogo ao da Típica da razão prática, com uma universalização feita pela capacidade de julgar. Conclui-se com algumas reflexões sobre o papel da faculdade de julgar no ãmbito prático que é próprio dos deveres imperfeitos. 


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/sk.v7i9.88587

Apontamentos

  • Não há apontamentos.