MIGRAÇÃO SUL-SUL E RACISMO: PERSPECTIVA ANALÍTICA DA PRESENÇA AFROSUBSAARIANA LUSÓFONA NO BRASIL

Ilídio Fernando, Kaique Matheus Cardoso, Óscar Sousa Domingos

Resumo


O fenômeno da imigração está interligado com a história do racismo no Brasil, e suas implicações estão presentes nas migrações internacionais contemporâneas, com maior impacto para os imigrantes do Sul Global. Tendo como objetivo contextualizar as percepções sobre o racismo enfrentado pelos migrantes oriundos dos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP) no Brasil e seus respectivos desdobramentos no processo de inserção desses migrantes na sociedade brasileira, a presente abordagem é de natureza qualitativa e contou com a análise de conteúdo como metodologia de pesquisa, cuja base de dados foram os depoimentos colhidos por intermédio de entrevistas. A escolha dos depoimentos foi feita de forma aleatória e contou ao menos com uma participação de cidadãos de cada Estado-membro da comunidade dos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (Angola, Cabo Verde, Guiné Bissau, Guiné Equatorial, Moçambique, e São Tomé e Príncipe). Ao analisarmos a realidade brasileira, identificamos que os imigrantes afrosubsaarianos da lusofonia enfrentam o racismo que afetam as relações sociais no Brasil. Os imigrantes apontam que sofrem preconceitos por serem negros no contexto brasileiro, e suas origens são determinantes na definição dos tratamentos que a sociedade de instalação lhes atribui.


Palavras-chave


Afrosubsaariano; Migração; PALOP; Racismo

Texto completo:

PDF

Referências


Agência Brasileira de Cooperação (ABC) do Ministério das Relações Exteriores (MRE). Cooperação Brasil-PALOP. Brasília, 2016. Disponível em http://www.abc.gov.br/Projetos/CooperacaoSulSul/Palop. Acesso em 04/12/2021.

AYDOS, M. R. Migração forçada: uma abordagem conceitual a partir da imigração de angolanos para os estados de São Paulo e do Rio de Janeiro, Brasil (1970-2006). Campinas: Universidade Estadual de Campinas, 2010. Disponível em: . Acesso em: 11 out. 2022.

BAENINGER, Rosana; DEMÉTRIO, Natália Belmonte; DOMENICONI, Jóice de Oliveira Santos. Espaços das migrações transnacionais: Perfil sociodemográfico de imigrantes da África para o Brasil no Século XXI. REMHU, Ver. Interdiscip. Mobil. Hum, v. 27, n. 56. Brasília, 2019, p.35-60. Disponível em: . Acesso em 20/11/2021.

BETTIOL LANZA, L. M; MORILHA, I. C. G; LEMES, J. R; SOUSA DOMINGOS, Ó . Reflexões sobre a manifestação do racismo nos fluxos migratórios contemporâneos na agenda da proteção social brasileira. 2022. Anais do IV Congresso Internacional de Políticas Social e Serviço Social: desafios contemporâneos, Londrina, 2022. Disponível em: . Acesso em: 11 out. 2022.

DELFIM, Rodrigo Borges (MigraMundo). Migrações, refúgio e apatridia – Guia para comunicadores. 1ª edição, FICAS. São Paulo, 2019. Disponível em: . Acesso em 02/12/2021.

DESIDÉRIO, Edilma. Migração e Políticas de Cooperação: Fluxos entre Brasil e África. IV Encontro Nacional sobre Migração. Rio de Janeiro, 2005. Disponível em: < https://docplayer.com.br/19822739-Migracao-e-politicas-de-cooperacao-fluxos-entre-brasil-e-africa.html >. Acesso em 03/11/2021.

FERNANDES, F; BASTIDE, R. Brancos e negros em São Paulo. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1959.

GODINHO, Raphaele. Pacto Global para migração de 2018. Revista Relações Exteriores, Histórias e Impactos, 2018. Disponível em: . Acesso em 04/12/2021.

GOVERNO FEDERAL. Lei nº 13.445, de 24 maio de 2017. Disponível em: . Acesso em: 04/12/2021.

GUIMARÃES, Antonio Sérgio Alfredo. Como trabalhar com “raça” em socioloigia. Educação e pesquisa, v.29, n.1. São Paulo, 2003, p. 93-107.

HASENBALG, Carlos. Discriminação e desigualdades raciais no Brasil. Editora UFMG, 2. Ed.. Rio de Janeiro, 2005.

HERNANDEZ, Leila Maria Gonçálves Leite. A África na sala de aula: visita à história contemporânea. 4. Ed. São Paulo, 2008.

IANNI, Octavio. A sociologia e o mundo moderno. 1. ed., Rio de Janeiro, 2011.

LIMA, Luciana de Sousa; FEITOSA, Giulliany Gonçalves. Sair da África para estudar no Brasil: fluxos em discussão. Psicologia & Sociedade, 29. 2017. Disponível em: . Acesso em 16/11/2021.

MARX, Karl. O capital – Livro 1. São Paulo: Boitempo, 2013.

Ministério da Justiça e Segurança Pública, Portal do Imigrante. Informações gerais. Brasília, 2020. Disponível em https://portaldeimigracao.mj.gov.br/pt/informacoes-gerais. Acesso em 04/12/2021.

MOURA, Clóvis. O Brasil teria de ser branco e capitalista. In: MOURA, Clóvis. Sociologia do negro brasileiro. São Paulo: Perspectiva, 2019.

MUNANGA, Kabengele. Uma abordagem conceitual das noções de raça, racismo, identidade e etnia. In: Programa de educação sobre o negro na sociedade brasileira[S.l: s.n.], 2004.Disponível em: . Acesso em 03/12/2021.

NASCIMENTO, A. O genocídio do negro brasileiro: processo de um racismo mascarado. 2ª ed. São Paulo: Perspectivas, 2016. 232p.

OBSERVATÓRIO DAS MIGRAÇÕES INTERNACIONAIS (OBMigra). Relatório Anual de 2020: Imigrantes registrados no Brasil. Resumo executivo, Brasília, 2020. Disponível em: < https://portaldeimigracao.mj.gov.br/images/dados/relatorio-anual/2020/Resumo%20Executivo%20_Relat%C3%B3rio%20Anual.pdf >. Acesso em 04/12/2021.

OLIVEIRA, Antônio Tadeu R. A migração regular no Brasil: movimentação e registros. In: CAVALCANTI, Leonardo; OLIVEIRA, Tadeu; MACEDO, Marília de; (Orgds). Imigração e refúgio no Brasil. Observatório das Migrações Internacionais; Ministério da Justiça e Segurança Pública/ Conselho Nacional de Imigração e Coordenação Geral de Imigração Laboral. Relatório Anual. Brasília, 2019, p. 73-89. Disponível em: . Acesso em 04/12/2021.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS - ONU. ACNUR explica significado de status de refugiado e migrante. 5 de outubro de 2015. Disponível em: . Acesso em 03/12/2021.

______. Declaração Universal dos Direitos Humanos. 10 de dezembro de 1948. Disponível em: . Acesso em 03/12/2021.

______. Relatório mundial sobre migração 2022. O mundo registrou cerca de 281 milhões de migrantes internacionais no ano passado. Perspectiva Global Reportagens Humanas. Brasília, 2021. Disponível em: < https://news.un.org/pt/story/2021/12/1772272 >. Acesso em 04/12/2021.

______. Departamento das Nações Unidas para Assuntos Econômicos e Sociais. Número total de migrantes internacionais em meados do ano 2020. Disponível em: . Acesso em: 11 out. 2022.

ORGANIZAÇÕES DAS NAÇÕES UNIDAS (ONU). Assembleia Geral da ONU adota oficialmente Pacto Global para a Migração. Brasília, 2018. Disponível em: rasil.un.org/pt-br/81957-assembleia-geral-da-onu-adota-oficialmente-pacto-global-para-migracao. Acesso em 03/12/2021.

ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL PARA AS MIGRAÇÕES - OIM. Termos-chave de migração. Genebra, c2022. Disponível em: . Acesso em: 11 out. 2022.

PACHECO, Áurea Vaz. Um perfil do crescimento de refugiados africanos no brasil na última década: refugiados angolanos no Brasil. Jusbrasil, 2021. Disponível em: . Acesso em 21/11/2021.

PEREIRA, Maria Florice Raposo. As práticas assistencialistas e a institucionalização do benefício. Trajetos, revista de história da UFC v.4 n.8, 2006

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: Edgardo Lander (Org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais – perspectivas latinoamericanas. Buenos Aires: CLACSO, 2005, pp. 117- 142.

RAMOS, Jair de Souza. Como classificar indesejáveis? Tensões e convergência entre raça, etnia e nacionalidade na política de imigração das décadas de 1920 e 1930. In: Lima, Nísia Trindade; Sá Dominichi Miranda de (orgs.). Antropologia Brasiliana. Ciência e educação na obra de Edgar Roquette-Pinto. Belo Horizonte Editora UFMG e Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2008, 179-211.

RATHA, D; SHAW, W. South-South migration and remittances. World Bank Paper. Washington, DC: n. 102, 2007. Disponível em: . Acesso em: 11 out. 2022.

SANTOS, Willians de Jesus. Intimidação, racismo e violência contra imigrantes e refugiados no Brasil. Direitos Humanos, LE MONDE diplomatique. Brasil, 2016. Disponível em: . Acesso em 17/10/2021.

SAYAD, A. A Imigração ou os paradoxos da alteridade. São Paulo: EDUSP, 1998.

SILVA, G. J; CAVALCANTI, L; OLIVEIRA, T; COSTA, L. F. L; MACEDO, M. Refúgio em Números, 6ª Edição. Observatório das Migrações Internacionais; Ministério da Justiça e Segurança Pública/ Comitê Nacional para os Refugiados. Brasília, DF: OBMigra, 2021. Disponível em: . Acesso em 30/11/2021.

SIMMEL, Georg. Questões fundamentais da sociologia: indivíduos e sociedade. R. Janeiro, Zahar, 2006.

SIMÕES, Andre; CAVALCANTI, Leonardo; PEREDA, Lorena. Movimentação do trabalhador migrante no mercado de trabalho. In: Brasil, 2019. In: CAVALCANTI, Leonardo; OLIVEIRA, Tadeu; MACEDO, Marília de; (Orgs). Imigração e refúgio no Brasil. Observatório das Migrações Internacionais; Ministério da Justiça e Segurança Pública/ Conselho Nacional de Imigração e Coordenação Geral de Imigração Laboral. Relatório Anual. Brasília, 2019, p. 50-72. Disponível em: . Acesso em 04/12/2021.

SOUSA DOMINGOS, Óscar. O acesso à saúde de migrantes angolanos em Londrina/PR e sua interface com a escolaridade. 2022. 234f. Dissertação (Mestrado em Serviço Social e Política Social) – Centro de Estudos Sociais Aplicados, Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2022.

SOUSA DOMINGOS, Óscar; BETTIOL LANZA, Líria. Maria. Políticas públicas e a sua publicização: o princípio da publicidade como elemento fundamental ao acesso dos imigrantes angolanos no Brasil aos serviços de saúde. Anais X Jornada Internacional de Políticas Públicas, São Luís, 2021. Disponível em: . Acesso em: 10 out. 2022.

SOUSA DOMINGOS, Óscar.; BETTIOL LANZA, Líria. Maria. . O processo de integração de imigrantes nas sociedades receptoras: as principais dificuldades dos angolanos em Londrina/PR. Revista Trilhas da Migração, vol. 1, n. 1, São Paulo, 2022.

VIANNA, Pedro. Confusões semânticas e migrações internacionais. Dossiê – Migrações Internacionais Contemporâneas Mediações, V. 22 N1. Londrina, 2017, p.48-79. Disponível em: . Acesso em 30/10/2021.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/rt.v11i2.87998