DA PROIBIÇÃO DA NEOLINGUAGEM A “INFINITAS POSSIBILIDADES DE GÊNEROS NÃO EXISTENTES”

Franciele Rodrigues, Ursula Boreal Lopes Brevilheri, Morgana Camargo Nalli

Resumo


Entre narrativas religiosas que sustentam um lugar de “naturalidade” das relações e identidades de gênero, acordos societários que reafirmam lógicas/sistemas (cis)normativos, agendas políticas reacionárias antigênero nacionais e internacionais e uma demanda social de grupos vinculados a identidades de gênero não normativas, emergem cenários de disputa política que reconfiguram aspectos os embates estabelecidos no campo do discurso. A perspectiva do sintagma da “Ideologia de Gênero” arma-se de novos dispositivos para estabelecer sua lógica de valores tidos como “universais”. Neste contexto, este estudo busca entender como tais trajetos percorrem construções históricas e (re)aparecem no contexto político brasileiro contemporâneo, com presença destes dispositivos discursivos para disputar significações em torno das diversidades e relações de gênero(s). Através de um diálogo com diferentes Projetos de Lei, busca-se expandir a compreensão sobre como tais retóricas emergem na prática política de atores vinculados a partidos conservadores e reacionários, nos cenários da “proibição da linguagem neutra”.

Palavras-chave


Sociologia; Gênero; Ideologia de Gênero; Política

Texto completo:

PDF

Referências


BALEM, Isadora Forgiarini. Identidade de gênero não binária: da violência normativa ao direito à extimidade. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2020.

BASTOS, Elide Rugai. (2010). Octávio de Faria e a tragédia burguesa. In: Ferreira, Gabriela Nunes & Botelho, André (orgs). Revisão do pensamento conservador: ideias e política no Brasil. São Paulo: Hucitec, p. 273-310.

BIROLI, Flávia. Reação conservadora, democracia e conhecimento. Rev. Antropol. (São Paulo, Online), v. 61 n. 1: 83-94, USP, 2018.

FOUCAULT, Michel. Nascimento da Biopolítica: Curso dado no Collège de France (1978-1979). São Paulo: Martins Fontes, 2008

HUNTER, James. Culture wars: the struggle to define America. Nova Iorque: Basic Books, 1991.

_____________. A ordem do discurso: aula inaugural no Collège de France, pronunciada em 2 de dezembro de 1970. Tradução de Laura Fraga de Almeida Sampaio. 24. ed. São Paulo: Edições Loyola, 2014.

JUNQUEIRA, Rogério Diniz. A invenção da" ideologia de gênero": a emergência de um cenário político-discursivo e a elaboração de uma retórica reacionária antigênero. Revista Psicologia Política, v. 18, n. 43, p. 449-502, 2018.

MANNHEIN, Karl. O pensamento conservador. In: Martins, J. S. (org.). Introdução crítica à Sociologia Rural. São Paulo: Hucitec, 1981.

MARIANO, Ricardo. Mudanças no campo religioso brasileiro no Censo 2010. Debates do NER, Porto Alegre, ano 14, n. 24, p. 119-137, jul./dez. 2013.

PAULO II, João. Teologia do corpo: o amor humano no plano divino. Campinas: Ecclesiae, 2019.

REZENDE, M. J. Mudança social no Brasil: a construção de um ideário conservador. Tempo Social; Rev.Sociol. USP, São Paulo, 1998.

SIMMEL, G. Essays on Religion. Yale: Yale University Press - Durham, 1997.

SOLANO, Esther. Crise da Democracia e extremismos de direita. Friedrich-Ebert- Stiftung, 2018.

BRASIL. Câmara dos Deputados. Projeto de Lei nº 1.859 de 10 de junho de 2015. Acrescenta Parágrafo único ao artigo 3º da Lei 9.394/96 (Lei de Diretrizes e Bases da Educação). Brasília: Câmara dos Deputados, 2015. Disponível em: https://www.camara.leg.br/proposicoesWeb/prop_mostrarintegra?codteor=1346799&filename=PL+1859/2015. Acesso em: 28 maio 2022.

BRASIL. Câmara dos Deputados. Projeto de Lei nº 7.180 de 24 de fevereiro de 2014. Altera o art. 3º da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília: Câmara dos Deputados, 2014. Disponível em: https://www.camara.leg.br/proposicoesWeb/fichadetramitacao?idProposicao=606722&ord=1. Acesso em: 28 maio 2022.

BUARQUE, Heloísa e REZENDE, Daniela. Ao declarar guerra à "ideologia de gênero", Bolsonaro elege inimigo que não existe. [Entrevista concedida a] Lu Sudré. Brasil de Fato, São Paulo, 2019. Disponível em: https://www.brasildefato.com.br/2019/01/09/ao-declarar-guerra-a-ideologia-de-genero-bolsonaro-elege-inimigo-que-nao-existe. Acesso em: 28 maio 2022.

HAMLIN, Cynthia Lins. GENDER IDEOLOGY: AN ANALYSIS OF ITS DISPUTED MEANINGS1. Sociologia & Antropologia [online]. 2020, v. 10, n. 3, pp. 1001-1022. Disponível em: https://doi.org/10.1590/2238-38752020v10310. Acesso em: 28 maio 2022.

JUNQUEIRA, Rogério Diniz. “Ideologia de gênero”: a gênese de uma categoria política reacionária – ou a promoção dos direitos humanos se tornou uma ameaça à “família natural”? In: RIBEIRO, Paula R. C.; MAGALHÃES, Joanalira C. (ed.). Debates contemporâneas sobre a educação para a sexualidade. Rio Grande, Editora da FURG, 2017, pp.25-52.

MISKOLCI, Richard. Exorcizando um fantasma: os interesses por trás do combate à “ideologia de gênero”. Cadernos Pagu [online]. 2018, n. 53. Disponível em: . Acesso em: 28 maio 2022.

MORENO, Jessica Ramos. A linguagem neutra desconstrói a identidade do indivíduo, é mais uma manobra coordenada pela esquerda, utilizada como uma chave para abrir portas à ideologia de gênero. EU SOU CONTRA! A luta contra a agenda ideológica da militância esquerdista é árdua, mas é justa!. Londrina, 26 de maio 2022. Twitter: @a_jessicão. Disponível em: https://twitter.com/a_jessicao/status/1529943484366569493?cxt=HHwWqoC-gcffubsqAAAA. Acesso em 28 de maio 2022.

PÉREZ, Sara Isabel. "Ideologia de gênero" é construção ideológica dos fundamentalistas, diz pesquisadora. [Entrevista concedida a] Pedro Brieger. Brasil de fato, Brasil, 2019. Disponível em: https://www.brasildefato.com.br/2019/01/08/ideologia-de-genero-e-construcao-ideologica-dos-fundamentalistas-diz-pesquisadora. Acesso em: 28 maio 2022.

WEBER, Max. A “objetividade” do Conhecimento na Ciência Social e na Ciência Política. In: Metodologia das Ciências Sociais, São Paulo: Cortez, 2001.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/rt.v11i1.86250